conecte-se conosco


Meio Ambiente & Preservação

COP26: Países deverão limitar uso de carvão e de financiamento de energias fósseis

Publicado

Um segundo rascunho de resolução provisório na conferência sobre o clima de Glasgow pede aos países a “supressão progressiva da energia produzida com carvão sem mitigação e dos subsídios ineficazes aos combustíveis fósseis”. As centrais de energia elétrica à base de carvão “sem mitigação” são aquelas que não utilizam tecnologia de captura de carbono para compensar parte dos gases que emitem à atmosfera.

O posicionamento reforça a importância das energias limpas e renováveis, como as matrizes hidráulica, eólica e solar.

Após duas semanas, COP26 deveria terminar nesta sexta-feira, mas divergências deverão prolongar evento para o fim de semana.

Esta é uma menção sem precedentes em mais de duas décadas de negociações sobre tais combustíveis, incluindo gás e petróleo, amplamente responsáveis pelas emissões de gases do efeito estufa que provocam o aquecimento do planeta. Porém, esta frase é mais suave que a do primeiro rascunho, que pedia simplesmente aos países para “acelerar o abandono do carvão e o financiamento dos combustíveis fósseis”.

Após duas semanas de negociações, a COP26 deveria terminar oficialmente nesta sexta-feira, mas com as divergências registradas no momento é provável que prossiga pelo fim de semana. Os delegados de quase 200 países reunidos na cidade escocesa desde 31 de outubro têm como missão determinar o modo de cumprir os compromissos do Acordo de Paris.

Leia mais:  Trabalhos de recuperação e conservação do Queima Pé foram tema de reunião com produtores

O acordo de 2015 estabeleceu um compromisso para limitar o aumento da temperatura global abaixo de +2 ºC até o fim do século na comparação com a era pré-industrial, e de maneira ideal o mais seguro +1,5 ºC, para evitar as devastadoras catástrofes naturais representadas por cada décimo de grau adicional.

(Redação EB, com AFP)

publicidade

Meio Ambiente & Preservação

Trabalhos de recuperação e conservação do Queima Pé foram tema de reunião com produtores

Publicado

O Instituto Pantanal Amazônia de Conservação (IPAC) promoveu na noite de ontem (sexta, 26), no Sindicato Rural de Tangará da Serra, reunião com diversos produtores para tratar de assuntos relacionados ao Diagnóstico da Parte Alta da Bacia do Rio Queima-Pé.

O encontro ocorreu no auditório do Núcleo Avançado de Capacitação (NAC) do Senar-MT, no Parque de Exposição, e contou com a participação do presidente do Sindicato Rural de Tangará da Serra, Romeu Chiochetta.

O engenheiro agrônomo e consultor ambiental Décio Elói Siebert, do IPAC, conduz os trabalhos.

A reunião, na prática, foi uma oficina para levantar informações sobre as necessidades e peculiaridades dos produtores da região no entorno da nascente do rio Queima-Pé para adequação das ações relacionadas ao programa Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) e, também, visando a interação dos produtores daquela localidade com os trabalhos de recuperação do manancial.

O engenheiro agrônomo e consultor ambiental Décio Elói Siebert, do IPAC, apresentou dados sobre o uso dos recursos hídricos na região e, também, sobre as obras que vem sendo realizadas visando a preservação das nascentes, como as curvas de nível, as bacias de contenção, adequação de estradas e instalação de drenos verticais em propriedades rurais, para infiltração das águas das chuvas.

Leia mais:  Tangará da Serra sedia reunião para discutir PRH do Alto Paraguai amanhã e quinta

Estas informações foram a base para a interação com os produtores da localidade e, após analisadas, indicarão a forma de inclusão das propriedades rurais do entorno da nascente nos programas de preservação e conservação.

Com as informações compiladas, o IPAC agendará uma nova reunião para definir, conjuntamente com os produtores, as linhas de ação para a continuidade dos trabalhos desenvolvidos na bacia do Queima-Pé.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana