conecte-se conosco

Entidades de Classe

Candidato de oposição na Aprosoja, Marcos da Rosa diz que Reforma Tributária e retomada do diálogo são pautas prioritárias

Publicado

Candidato de oposição à presidência da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), o produtor rural Marcos da Rosa esteve em Tangará da Serra esta semana para um diálogo com colegas do setor produtivo em reunião no Sindicato Rural. O também produtor Ricardo Arioli, de Tangará da Serra, compõe a chapa como vice e participou da reunião.

Pleito

O processo eleitoral de 2020 elegerá delegados e a nova diretoria para o triênio 2021-2023. A eleição será realizada no dia 09 de novembro, das 7h às 17h (horário de Mato Grosso). Os 25 núcleos da Aprosoja se tornarão local de votação, bem como a sede da entidade, em Cuiabá.

Marcos da Rosa e Ricardo Arioli: “Precisamos tomar providência para reverter este quadro de deterioração da Aprosoja”.

Marcos da Rosa e Ricardo Arioli enfrentarão a chapa situacionista composta por Fernando Cadore e Lucas Costa Beber. O atual presidente, Antônio Galvan, não pode pleitear a permanência no cargo porque o estatuto da entidade veta a reeleição.

Produtor da região de Canarana, Rosa é uma das lideranças do setor produtivo no estado e atua com frequência em Brasília junto ao IPA – Instituto Pensar Agropecuária -, que presta suporte técnico à Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Sua atuação em prol da classe produtora o credencia como postulante à presidência da Aprosoja.

Retomada

Marcos da Rosa defende a retomada do diálogo da diretoria da entidade com os associados o que, segundo ele, não tem corrido com os atuais dirigentes, em especial o presidente Antônio Galvan. “Hoje não há diálogo, a diretoria não ouve os produtores associados, é arbitrária, truculenta e intimida quem tenta algum questionamento”, disse à reportagem do Enfoque Business.

Leia mais:  CDL lança campanha Natal Premiado e prevê ponto inicial para retomada no comércio local e regional

O oposicionista menciona, como exemplo, que os coordenadores das comissões e dos próprios núcleos simplesmente deixaram de se reportar à diretoria por não serem ouvidos. “Eles desanimaram”, disse, durante a reunião.

Além da falta de diálogo, A Aprosoja-MT responde a 14 ações movida pelo Ministério Público por plantios experimentais sem amparo legal e científico e sem cumprimento de protocolos sanitários em pleno mês de fevereiro.

O experimento teria, segundo o MP, aberto uma porta para disseminação da ferrugem asiática no estado. O resultado: O MP quer que a Aprosoja-MT pague uma multa superior a R$ 3 bilhões.

“Precisamos tomar providência para reverter este quadro de deterioração da Aprosoja. A gente peca por atos, palavras e omissões e minha consciência me disse que não poderia me omitir, por isso saio candidato ao lado do Ricardo Arioli”, disse, no encontro da última terça-feira.

Mais custos  

Segundo Marcos da Rosa, a Aprosoja tem como ação prioritária o acompanhamento dos trabalhos em torno da Reforma Tributária que tramita no Congresso Nacional. Ele destaca que as três propostas de reforma – em especial a PEC 45/2019 – hoje em debate atualmente em Brasília têm potencial de aumentar a carga de impostos em 11% para soja e milho e 15% na pecuária. “Temos de lutar contra isso. Não cabe mais nenhum aumento nos nossos custos”, disse.

Leia mais:  Posse de Núcleo em Tangará da Serra marca início da interiorização do SINDJOR-MT

É consenso entre as lideranças do setor, tanto as grandes cadeias exportadoras, como soja e carnes, quanto atividades desenvolvidas pela agricultura familiar – e com influência no preço da cesta básica -, a exemplo de frutas e leite, serão impactadas e poderão perder competitividade caso qualquer um dos textos seja aprovado como está.

Em Mato Grosso, que lidera a produção nacional de soja, milho e carne bovina, a alíquota do Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) de 25% prevista na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45/2019, por exemplo, poderá gerar aumento de custos de R$ 6,3 bilhões por ano nessas três culturas, segundo o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea). “Isso representa um quarto do total investido no agronegócio do Estado em 2019. A proposta reduz a capacidade de investimentos do setor e inviabiliza algumas culturas”, disse Daniel Latorraca, superintendente do órgão.

A PEC 45, discutida no momento pela Câmara dos Deputados, também é considerada a mais prejudicial ao agronegócio pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), por acabar com benefícios tributários como as isenções sobre insumos – fertilizantes, defensivos e sementes. O aumento do custo de produção com o fim das desonerações ronda os 20% em diversas culturas, e poderá haver impacto até na oferta de crédito, de acordo com a CNA.

publicidade

Cidades & Geral

CDL lança campanha Natal Premiado e prevê ponto inicial para retomada no comércio local e regional

Publicado

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Tangará da Serra lançou na noite desta sexta-feira (02.10), na OAB, a 12ª edição da Campanha Natal Premiado CDL, uma das mais tradicionais campanhas publicitárias do comércio em Mato Grosso. O lançamento da campanha natalina contou com a diretoria e profissionais da CDL, patrocinadores másters, autoridades e imprensa.

A campanha terá início já nesta segunda-feira (05.10) e seguirá até 08 de janeiro, consistindo na distribuição de cupons com direito a prêmios aos consumidores que comprarem nas lojas associadas ao CDL Tangará da Serra.

Lançamento da campanha contou com a diretoria e profissionais da CDL, patrocinadores masters, autoridades e imprensa.

Com mais de 4 milhões de cupons já distribuídos nas 11 edições anteriores, a Natal Premiado CDL Tangará da Serra deste ano tem a estimativa de distribuir mais de 1 milhão de cupons. Segundo a organização, estes números credenciam a promoção uma das maiores campanhas publicitárias do estado.

Para aderir à campanha, o estabelecimento deve ser associado à CDL Tangará da Serra e escolher um dos kits da campanha – que variam de 1.000 a 15.000 cupons, mais urna e cartaz.

Hyundai Creta zero km é a grande premiação da campanha Natal Premiado CDL.

Ao lado dos 18 patrocinadores másters da Natal Premiado CDL, o presidente da entidade Alessandro Rodrigues Chaves destacou o clima de otimismo já criado pela promoção. “O surpreendente nesse momento difícil para todo mundo é ver o potencial que nós, empresários, temos para retomar o crescimento, impulsionar nossas vendas, recuperar a economia para gerar empregos e renda e, de quebra, mostrar que somos mais fortes que qualquer crise”, disse, projetando um ano de 2021 de recuperação da atividade econômica  geral na região, no estado e no país.

Leia mais:  FACMAT repudia declaração de Mendes que ‘desestimula consumo’ em Mato Grosso

Clique no botão abaixo e ouça áudio do presidente da CDL:

Alessandro Rodrigues Chaves, presidente da CDL, destacou o otimismo já criado: “Somos mais fortes que qualquer crise”.

 

Alessandro disse também que os empresários que ainda não aderiram à Campanha Natal Premiado CDL podem procurar a sede da entidade na rua Antonietti Marques, 97-S – Jardim Acácia (esquina com rua Júlio Martinez Benevides, altura do Bosque Municipal) e proceder na adesão.

Maiores informações podem ser obtidas pelos telefones (065) 3326-7079 e (065) 99904-7647, pelo e-mail [email protected] e, ainda, pelo site www.cdltangaradaserra.com.br.

Patrocinadores Másters

EP Agropecuária, Elder Calçados, Loja Elder, Martinello, Gráfica Tangará, JM Poços Artesianos, Ótica Pupila, Supermercado Polo Centro, Sicredi, Casa das Botinas, Casa do Chinelo, Hyundai Cometa, Eletrokasa, Posto Shopping, Ramos Agrícola, Sandra Calçados, Tech Postos, Supermercado Paredão.

Veja vídeo do lançamento da campanha:

 

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana