TANGARÁ DA SERRA

Entidades de Classe

Candidato de oposição na Aprosoja, Marcos da Rosa diz que Reforma Tributária e retomada do diálogo são pautas prioritárias

Publicado em

Candidato de oposição à presidência da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), o produtor rural Marcos da Rosa esteve em Tangará da Serra esta semana para um diálogo com colegas do setor produtivo em reunião no Sindicato Rural. O também produtor Ricardo Arioli, de Tangará da Serra, compõe a chapa como vice e participou da reunião.

Pleito

O processo eleitoral de 2020 elegerá delegados e a nova diretoria para o triênio 2021-2023. A eleição será realizada no dia 09 de novembro, das 7h às 17h (horário de Mato Grosso). Os 25 núcleos da Aprosoja se tornarão local de votação, bem como a sede da entidade, em Cuiabá.

Marcos da Rosa e Ricardo Arioli: “Precisamos tomar providência para reverter este quadro de deterioração da Aprosoja”.

Marcos da Rosa e Ricardo Arioli enfrentarão a chapa situacionista composta por Fernando Cadore e Lucas Costa Beber. O atual presidente, Antônio Galvan, não pode pleitear a permanência no cargo porque o estatuto da entidade veta a reeleição.

Produtor da região de Canarana, Rosa é uma das lideranças do setor produtivo no estado e atua com frequência em Brasília junto ao IPA – Instituto Pensar Agropecuária -, que presta suporte técnico à Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Sua atuação em prol da classe produtora o credencia como postulante à presidência da Aprosoja.

Retomada

Marcos da Rosa defende a retomada do diálogo da diretoria da entidade com os associados o que, segundo ele, não tem corrido com os atuais dirigentes, em especial o presidente Antônio Galvan. “Hoje não há diálogo, a diretoria não ouve os produtores associados, é arbitrária, truculenta e intimida quem tenta algum questionamento”, disse à reportagem do Enfoque Business.

O oposicionista menciona, como exemplo, que os coordenadores das comissões e dos próprios núcleos simplesmente deixaram de se reportar à diretoria por não serem ouvidos. “Eles desanimaram”, disse, durante a reunião.

Além da falta de diálogo, A Aprosoja-MT responde a 14 ações movida pelo Ministério Público por plantios experimentais sem amparo legal e científico e sem cumprimento de protocolos sanitários em pleno mês de fevereiro.

O experimento teria, segundo o MP, aberto uma porta para disseminação da ferrugem asiática no estado. O resultado: O MP quer que a Aprosoja-MT pague uma multa superior a R$ 3 bilhões.

“Precisamos tomar providência para reverter este quadro de deterioração da Aprosoja. A gente peca por atos, palavras e omissões e minha consciência me disse que não poderia me omitir, por isso saio candidato ao lado do Ricardo Arioli”, disse, no encontro da última terça-feira.

Mais custos  

Segundo Marcos da Rosa, a Aprosoja tem como ação prioritária o acompanhamento dos trabalhos em torno da Reforma Tributária que tramita no Congresso Nacional. Ele destaca que as três propostas de reforma – em especial a PEC 45/2019 – hoje em debate atualmente em Brasília têm potencial de aumentar a carga de impostos em 11% para soja e milho e 15% na pecuária. “Temos de lutar contra isso. Não cabe mais nenhum aumento nos nossos custos”, disse.

É consenso entre as lideranças do setor, tanto as grandes cadeias exportadoras, como soja e carnes, quanto atividades desenvolvidas pela agricultura familiar – e com influência no preço da cesta básica -, a exemplo de frutas e leite, serão impactadas e poderão perder competitividade caso qualquer um dos textos seja aprovado como está.

Em Mato Grosso, que lidera a produção nacional de soja, milho e carne bovina, a alíquota do Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) de 25% prevista na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45/2019, por exemplo, poderá gerar aumento de custos de R$ 6,3 bilhões por ano nessas três culturas, segundo o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea). “Isso representa um quarto do total investido no agronegócio do Estado em 2019. A proposta reduz a capacidade de investimentos do setor e inviabiliza algumas culturas”, disse Daniel Latorraca, superintendente do órgão.

A PEC 45, discutida no momento pela Câmara dos Deputados, também é considerada a mais prejudicial ao agronegócio pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), por acabar com benefícios tributários como as isenções sobre insumos – fertilizantes, defensivos e sementes. O aumento do custo de produção com o fim das desonerações ronda os 20% em diversas culturas, e poderá haver impacto até na oferta de crédito, de acordo com a CNA.

Comentários Facebook
Advertisement

Entidades de Classe

OAB Tangará da Serra: Com Jonas Coelho presidente, 10ª Subseção empossa nova diretoria

Published

on

A 10ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), de Tangará da Serra, tem nova diretoria desde a noite de ontem (quarta, 20). Jonas Coelho da Silva foi empossado como novo presidente para o triênio 2022-2024, sucedendo a Franco Ariel Bizarello dos Santos.

(*) Veja galeria de fotos da posse no link ao final do texto

A posse ocorreu no auditório da sede da 10ª Subseção, com presença de grande número de advogados e de autoridades locais, representando os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além das polícias Judiciária Civil e Militar, Corpo de Bombeiros, entidades diversas e representantes da sociedade civil organizada.

A presidente da Seccional da OAB-MT, Gisela Cardoso, prestigiou a posse da nova diretoria, na qual Jonas Coelho tem, ao seu lado, Marcos Cardozo Dalto (vice-presidente), Deborah Barbosa Camacho (secretária geral), Carolina Atala Castilho (secretária adjunta), Claudilene Julião de Souza (tesoureira) e Marcelo Barbosa de Freitas (delegado). Também receberam posse os titulares das 15 comissões temáticas da subseção.

Missão e desafio

Em seu discurso de posse, Jonas Coelho destacou que a missão da nova diretoria terá o grande desafio de representar a classe que, através da subseção local, inclui municípios como Barra do Bugres, Nova Olímpia, Porto Estrela e Sapezal. “O advogado é indispensável à administração da Justiça (…) e nossa missão será, entre outras, assegurar o exercício pleno da advocacia”, disse, garantindo que a nova diretoria terá, a exemplo da anterior e das demais, uma postura intransigente na defesa das prerrogativas do advogado.

Jonas também agradeceu o apoio da família e dos seus colegas da Ávila & Ávila Advogados, escritório onde iniciou sua carreira há mais de duas décadas e onde permanece atuando, mencionando o “decano” advogado Pedro Evangelista de Ávila como um mestre no qual se espelha. “Gratidão é dívida que não prescreve”, sentenciou.

O novo presidente da 10ª Subseção da OAB-MT destacou outra missão da entidade, que é representar e defender a sociedade no âmbito jurídico ante eventuais ofensas e abusos contra a justiça e a liberdade.

Neste mesmo contexto de comprometimento da OAB com a sociedade, Jonas Coelho da Silva anunciou a execução de projetos sociais pela subseção, como o “Karatê OAB” e o “Bom de Escola, Bom de Bola”, para os quais será utilizada a estrutura física da sede local da entidade.

Referendo

Jonas Coelho da Silva e a nova diretoria formaram chapa de consenso e foram referendados por 85% da classe de advogados de Tangará da Serra, conquistando 275 votos nas eleições realizadas em novembro do ano passado.

Naquele mesmo pleito, a advogada Gisela Cardoso – que prestigiou a posse de Jonas Coelho – foi eleita para a Seccional Mato Grosso (OAB-MT), reunindo 4.642 votos.

(*) A seguir, veja galeria de fotos da posse

Fotos da posse da nova diretoria da 10ª Subseção da OAB, em Tangará da Serra

Comentários Facebook
Continue Reading

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana