conecte-se conosco

Agronegócio & Produção

Ao adquirir Terra Santa, SLC Agrícola assume o posto de maior produtor de soja do Brasil

Publicado

A SLC Agrícola, empresa representada na região através da Fazenda Paiaguás, na localidade de Deciolândia, em Diamantino, já pode ser considerada como maior produtor de soja do Brasil.

O título se dará com a incorporação de 133 mil hectares de soja do Grupo Terra Santa, atualmente o 5º maior produtor agrícola nacional. Somados aos atuais 448 mil hectares, a SLC totalizará 581 mil hectares plantados. Com negociação já autorizada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), a gigante do agronegócio superará o Grupo Bom Futuro, do megaempresário Eraí Maggi, que possui 530 mil hectares em lavouras de soja.

A SLC Agrícola, fundada em 1977 pelo Grupo SLC, tem sua matriz em Porto Alegre (RS). É uma das maiores produtoras mundiais de grãos e fibras, focada na produção de algodão, soja e milho. Ao todo, são 16 unidades de produção estrategicamente localizadas em 6 estados brasileiros – Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Bahia, Pernambuco e Maranhão – totalizando 448.568 hectares no ano-safra 2019/20.

Leia mais:  Com recursos do BID, MAPA investirá US$ 200 milhões em defesa agropecuária

Em Mato Grosso, as fazendas estão localizadas em Diamantino (Fazenda Paiaguás – foto acima -, com 44.631 hectares de área total, sendo, 28.129 hectares próprios e 16.502 arrendados), Querência (Fazenda Pioneira, de 29,8 mil hectares), Porto dos Gaúchos (Fazenda Perdizes, 42 mil hectares) e Sapezal (Fazenda Planorte, 23 mil hectares de área e outros 7 mil arrendados).

Com a aquisição da Terra Santa, a SLC Agrícola incorporará sete fazendas, sendo duas em Campo Novo do Parecis e as demais em Diamantino, Nova Maringá, Nova Mutum, Santa Rita do Trivelato e Tabaporã.

O parque de máquinas da SLC Agrícola inclui 212 tratores, 206 colheitadeiras de grãos, 85 colheitadeiras de algodão, 209 plantadeiras e 161 pulverizadores autopropelidos.

Com indicadores de excelência nos aspectos social, ambiental, administrativo e de sustentabilidade em geral, foi uma das primeiras empresas do agronegócio a ter ações negociadas em bolsa de valores no mundo, tornando-se uma referência no seu segmento.

Segundo publicado no portal ‘CompreRural’ a SLC Agrícola recebeu aprovação sem restrições do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) para a aquisição da totalidade da Terra Santa Agro, conforme publicação do órgão antitruste no Diário Oficial da União do último dia 06 (imagem abaixo).

Leia mais:  Empresa brasileira desenvolve biofábricas móveis prontas para uso em propriedades rurais

 

publicidade

Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: Sensacionalismo e inverdades, política, mercado e entrevistas são os destaques

Publicado

O Enfoque Business repercute neste sábado (16/01) mais um Momento Agrícola recheado de informações, comentários e entrevistas. O programa veiculado pela rede de rádios do Agro é de autoria do engenheiro agrônomo, produtor rural e consultor Ricardo Arioli e repercutido no portal sempre aos finais de semana.

Sensacionalismo e inverdades

Os incêndios do Pantanal no último período de estiagem foram manchetes no mundo inteiro, com a mídia sensacionalista criminalizando o Brasil, o governo local e, em especial, os produtores rurais brasileiros.

O falaz Macron: Críticas equivocadas e desprovidas de conhecimento/sabedoria sobre a soja brasileira.

As críticas exacerbadas e as manchetes sensacionalistas de grande parte da mídia foram levadas a cabo pelas alas extremistas das classes ambientalistas brasileira e estrangeira.

Países como a França, do falastrão presidente Emmanuel Macron, e outros da Europa, exauriram seus recursos naturais e hoje se prestam a criticar e dar palpites sobre como tratar o meio ambiente no Brasil e na América Latina.

Ou seja: Os europeus destruíram os seus quintais no passado e hoje, em meio a um falso moralismo, querem intervir no quintal alheio.

Leia mais:  Com recursos do BID, MAPA investirá US$ 200 milhões em defesa agropecuária

Ainda assim, apesar da hipocrisia ambientalista que reina na Europa, os europeus não deixam de importar a soja, o milho e a carne produzidos no Brasil.

Estes países tentam intervir negativamente na opinião pública internacional sem considerar (dolosamente) os esforços brasileiros e a rígida legislação local em prol da preservação do meio-ambiente.

Nesta edição do Momento Agrícola, Ricardo Arioli discorre sobre a questão ambiental, em especial sobre manejo em áreas de pastagens no Pantanal, de forma técnica, considerando os aspectos burocráticos e de bom senso.

As críticas equivocadas e desprovidas de conhecimento e, muito menos, de sabedoria sobre a soja brasileira por parte do falaz presidente francês ‘Macron’ também foram comentadas.

Política

A questão política envolvendo a Frente Parlamentar da Agropecuária no Congresso Nacional é outro assunto abordado no Momento Agrícola.

Arioli discorre sobre o posicionamento de membros da FPA no processo de eleição da nova mesa diretora da Câmara dos Deputados.

Outras

A edição deste final de semana do Momento Agrícola também traz um grande volume de informações, com outras notícias comentadas e entrevistas sobre os Avanços na Lei de Sementes, com Virgínia Carpi, do MAPA; ‘O Mercado de Soja’, com Marcos Araújo, da Agrinvest Commodities; e ‘O Milho, os Adubos e a Soja em 2022’, também com Marcos Araújo da Agrinvest.

Leia mais:  Momento Agrícola: Lei Kandir, chuvas, trigo, filme 3D e entrevistas são os destaques desta semana

Para ouvir o Momento Agrícola na íntegra, clique abaixo:

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana