conecte-se conosco

Destaque

Jovem que matou o ex no ato sexual irá ao regime semiaberto nos próximos dias, diz TJ-RO

Publicado

A jovem Vania Basílio Rocha, presa por matar o ex-namorado a facadas no ato sexual, deve progredir ao regime semiaberto nos próximos dias em Vilhena (RO). De acordo com o Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO), a acusada teve progressão na pena por ter feito atividades de remição no presídio feminino da região.

Segundo a unidade prisional, a mudança no regime da apenada, de 21 anos, deveria ocorrer no próximo dia 23 de julho, porém “há remições a serem contabilizadas para a acusada”, o que deve adiantar a progressão do regime.

Vania está presa desde o dia do crime, em 30 de dezembro de 2015, e apresenta bom comportamento. Ela foi julgada pelo Tribunal do Júri em setembro de 2016 e condenada a 13 anos de prisão. Porém, a Defensoria Pública de Rondônia (DPE-RO) entrou com recurso e o TJ diminuiu a pena para oito anos e quatro meses.

A princípio, a previsão era de que a jovem mudasse para o regime semiaberto em setembro deste ano. Contudo, ela participa de atividades de remição de pena, o que reduz os dias de prisão em regime fechado.

Leia mais:  Covid-19: Oito mortes em sete dias e número de suspeitos mostram agressividade da 2ª onda

Vania cumpre pena em presídio feminino de Vilhena (Foto: José Manoel/Rede Amazônica)Vania cumpre pena em presídio feminino de Vilhena (Foto: José Manoel/Rede Amazônica)

Vania cumpre pena em presídio feminino de Vilhena (Foto: José Manoel/Rede Amazônica)

Conforme o Presídio Feminino de Vilhena, Vania faz artesanato, resenha de livros e estuda. Dessa forma, em três dias de trabalho, ela reduz um dia de pena. A cada 12 horas de estudo, ela abate um dia de prisão. E a cada resenha feita, a pena é reduzida em quatro dias.

As remições são enviadas ao judiciário de três em três meses, para cálculo da pena. Conforme a unidade prisional, as atividades de Vania do último trimestre ainda não foram contabilizadas.

Depois de sair do regime fechado, a acusada será transferida para a ala do semiaberto, onde aguardará pela tornozeleira eletrônica. Em seguida, ela tem 10 dias para conseguir emprego e apresentar a comprovação no presídio.

Nos primeiros 30 dias com a tornozeleira eletrônica, Vania deve continuar dormindo no presídio. Depois desse período, ela não precisa mais voltar para a unidade, tendo, assim, que cumprir as regras.

Além de, necessariamente, estar trabalhando, ela deverá ficar em casa durante a noite, de 19h as 6h, entre segunda e sexta-feira. Já nos finais de semana, Vania deve permanecer recolhida integralmente no presídio, de 18h do sábado até 6h de segunda-feira ou do primeiro dia útil seguinte.

Leia mais:  Casa de bombeiro militar é atingida por tiros no Dom Osório 1 em Rondonópolis

A mudança para o regime aberto está para acontecer em setembro de 2020.

Crime

Vania matou o ex a facadas durante o ato sexual, na casa dele, em dezembro de 2015. Na época, ela confessou o crime e disse: “queria matar alguém”. Antes do assassinato, a jovem chegou a escrever um post no Facebook afirmando não ter sido uma má namorada.

Um laudo feito dias depois da prisão revelou que Vania é sociopata. Quando já estava presa no Presídio Feminino, em 2016, Vania ateou fogo nos colchões da cela.

No júri em que foi condenada, em setembro de 2016, a acusada fez cara de fúria ao ouvir a sentença. Em setembro de 2017, a jovem foi agredida por uma detenta e chegou a sair para registrar boletim de ocorrência, mas não conseguiu.

publicidade

Destaque

Covid-19: Oito mortes em sete dias e número de suspeitos mostram agressividade da 2ª onda

Publicado

A Covid-19 está mostrando uma agressividade preocupante nestes primeiros dias do novo ano. Apesar do índice elevado de cura (96 a 97%), a agressividade da moléstia se apresenta nos registros de atendimentos de pacientes com sintomas, de novos casos diários, nos casos ativos e, principalmente, de óbitos.

Em Tangará da Serra, a primeira semana de janeiro registrou 493 novos casos de infecção pelo novo coronavírus, 168 casos ativos e oito óbitos em meio a um total de 8.115 casos confirmados desde o primeiro registro da doença no município, em 1º de abril do ano passado.

Os números estão no boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde nesta quinta-feira (07). O boletim (veja, ao final da matéria) inclui os percentuais de ocupação de leitos de enfermaria e de UTI’s, que nesta quinta se apresentam, respectivamente, em 40% e 69,23%.

1.721 suspeitos

Nas unidades de saúde, a procura de pacientes com sintomas da doença passou a ser mensurada pelo município desde a última segunda-feira. Entre aquele dia e esta quinta-feira (07), os números de atendimentos diários apresentam um acumulado de 1.721 pacientes sintomáticos aguardam resultados de exames. Foram 500 ontem (quarta, 06) e 441 hoje.

Leia mais:  Ação integrada flagra suspeito em telhado de banco no interior

As autoridades sanitárias municipais e estaduais aguardam com apreensão o período após o próximo dia 10 (sábado), quando possíveis casos de contaminação decorrentes das aglomerações nas festividades de final de ano poderão ampliar as estatísticas da pandemia.

Óbitos

O dado que mais preocupa, porém, é o número de óbitos (Veja gráfico acima). Nestes primeiros sete dias de janeiro, as oito fatalidades ocasionadas pela Covid-19 representam uma média diária superior a 01 morte (1,14) por dia, praticamente o dobro da média de dezembro (16 óbitos, média diária de 0,51) e quatro vezes mais que novembro (08 óbitos, média diária de 0,266).

Em Mato Grosso, os óbitos somaram 4.551 em 31 de dezembro, contra 4.619 fatalidades registradas no boletim epidemiológico do Estado.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana