conecte-se conosco

Infraestrutura & Logística

AGENDA CÁCERES: Expedição levantará situações das MTs 339 e 343, com visitas ao porto fluvial e às obras da ZPE

Publicado

Um grupo apartidário de tangaraenses realizará uma pequena expedição – denominada “Agenda Cáceres” – para reconhecimento das interligações da região de Tangará da Serra ao município de Cáceres (região fronteiriça com a Bolívia), que já conta com um porto fluvial no rio Paraguai, assiste à construção de uma Zona de Processamento de Exportação (ZPE) e se prepara para ser o ponto inicial da Hidrovia Paraguai-Paraná.

O objetivo da visita é levantar informações e produzir um detalhado relatório técnico sobre o andamento dos trabalhos no Porto de Cáceres (ETC – Estação de Transbordo de Cargas), das obras da ZPE e das situações em que se encontram as rodovias estaduais MT-339 e MT-343. O relatório também incluirá uma análise sobre os impactos socioeconômicos do sistema logístico na macrorregião oeste-sudoeste de Mato Grosso, além de detalhes da hinterlândia portuária.

Essencial no processo que envolve a ZPE, a MT-339 é obra prioritária para logística regional.

A Agenda Cáceres terá início nesta segunda-feira (03/08), com participação do engenheiro civil, economista, especialista em logística e professor da Unemat, Silvio Tupinambá; do cientista de dados e também professor José Valdeci Cardoso, e do jornalista Sergio Roberto Reichert, do portal Enfoque Business.

Leia mais:  MT-358 recebe manutenção no trecho Itanorte-Tangará-Barra do Bugres; No Chapadão, reparos na MT-235 foram concluídos

O ponto de partida é a MT-339, que será vistoriada em todo o seu trajeto de 122 quilômetros até a localidade de Panorama, no município de Rio Branco, entroncamento com a MT-170. Dali, o trajeto segue diretamente a Cáceres, onde o grupo será recepcionado pelo engenheiro civil, inspetor-chefe regional do CREA-MT e diretor técnico da AZPEC S/A (ZPE), Adilson Reis, um dos organizadores da agenda.

Já em Cáceres, o grupo terá audiência com o prefeito Francis Maris. Logo em seguida, haverá visitação ao Porto Fluvial e às obras da ZPE. No dia seguinte (terça, 04/08), a agenda terá prosseguimento com uma visita à Agência Fluvial de Cáceres, da Marinha do Brasil, onde haverá reunião com o comandante, Capitão Tenente Estanislau Geraldo de Carvalho, e o Tenente Luiz Carlos Cavalante Neto.

Após o cumprimento da agenda na cidade, o retorno se dará a Tangará da Serra pela MT-343, que também será vistoriada em todo o seu trajeto de 230 quilômetros, até o entroncamento com a MT-358, em Barra do Bugres.

O relatório a ser produzido será encaminhado às autoridades estaduais, às bancadas do estado no Congresso Nacional e às lideranças dos municípios envolvidos no contexto deste sistema logístico. Uma reportagem completa, com matérias em série, fotos e vídeos, será publicada pelo Enfoque Business após a conclusão da agenda.

Leia mais:  RUMO quer estender ferrovia até Lucas, compondo maior entroncamento ferroviário

publicidade

Infraestrutura & Logística

Agenda Cáceres: Com requerimento já protocolado na Marinha, porto deverá entrar em operação a partir de dezembro

Publicado

A APH – Associação Pró-Hidrovia – protocolou na última terça-feira (04), na Marinha do Brasil, o Requerimento de Autorização de Instalação do Terminal Portuário de Cáceres. O documento foi protocolado, na própria cidade de Cáceres, pelo gerente administrativo da empresa responsável pela unidade, Djalma Diomedes de Freitas, junto à Agência Fluvial da Marinha.

O documento foi recebido pelo comando local da Marinha, através do Capitão Tenente Estanislau Geraldo de Carvalho e o Tenente Luiz Carlos Cavalante Neto. O protocolo foi acompanhado pelos integrantes da expedição Agenda Cáceres e pelo diretor do Conselho de Desenvolvimento da FIEMT, Júlio Parreira.

Momento do protocolo do requerimento junto à Agência Fluvial de Cáceres, na última terça-feira.

Com o requerimento – demanda administrativa condicionante para a entrada em operação da unidade portuária – a Marinha irá analisar estudos anexados ao requerimento (em especial as medições de batimetria) e estabelecer regras para as manobras das embarcações que atracarão no terminal portuário para carga e descarga, no rio Paraguai.

A partir do documento protocolado, a Marinha também determinará as regras de segurança e outras normas relacionadas à atividade portuária – incluindo circulação de embarcações voltadas ao turismo (chalanas) e de porte pequeno – e no entorno da área de manobras.

APH investiu cerca de R$ milhões na restauração e melhoramentos da estrutura portuária.

Uma vez autorizadas as operações do Terminal Portuário de Cáceres, terá início uma movimentação considerável para carga e descarga de grãos e cargas gerais. A unidade portuária de Mato Grosso será o ponto mais extremo ao norte da Hidrovia Paraguai-Paraná (HPP).

Leia mais:  Com renovação de convênio, Associação de Produtores retoma manutenção da MT-480

Os produtos que predominarão nos embarques serão soja, milho e madeira, enquanto que a descarga terá por destaque a ureia, principal fonte de nitrogênio para a agricultura que virá principalmente da Bolívia, além de outros produtos como trigo, máquinas, equipamentos, peças e outros bens duráveis.

Segundo a gerência administrativa da APH, a previsão de início das atividades do Terminal Portuário de Cáceres é para o mês de dezembro. Desativada desde o início da década passada, a Estação de Transbordo de Cargas (ETC) tem recebido pesados investimentos em sua recuperação. Sob direção do empresário rural Vanderlei Rick Junior, de Tangará d Serra, a APH já investiu cerca de R$ 5 milhões na restauração e melhoramentos do complexo, da estrutura física à parte lógica.

Assim que entrar em operação, o terminal portuário terá capacidade de embarcar 600 toneladas/hora e desembarcar quantidade similar de cargas em bags, através de guindaste. Somente em grãos, a capacidade de movimentação de cargas será de 1 milhão de toneladas/ano.

Instalada numa área de 02 hectares, a estrutura conta com moega com tombador de caminhões e respectiva sala de comando, sala de análise de umidade de grãos, dois silos e quatro esteiras para carga de grãos, um grande armazém formado por três estruturas metálicas cobertas, um guindaste, além de áreas destinadas à administração e à Receita Federal.

Leia mais:  Obras de duplicação da BR-163/364/MT avançam e chegam a 85% de execução

Além do terminal da APH, o rio Paraguai deverá ter, na região de Cáceres, outros dois portos fluviais. Os grupos Centro-Oeste, com sede em Corumbá (MS) e Panchita, do Paraguai, trabalham respectivamente na obtenção dos licenciamentos para instalação dos terminais portuários de Paratudal e Barranco Vermelho. Ambos terão capacidade de movimentação de, ao menos, 5 mil toneladas anuais de grãos.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana