conecte-se conosco


Cidades & Geral

Lixo Eletrônico: Escola Técnica de Tangará da Serra teve projeto premiado em 2017

Publicado

Em se tratando de destinação adequada do lixo eletrônico, a cidade de Tangará da Serra conta com um projeto premiado. O projeto “Seu Lixo Eletrônico Tem Endereço”, desenvolvido por alunos da Escola Técnica Estadual (ETE/Secitec) de Tangará da Serra no ano de 2017, foi o vencedor da 14ª Semana Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, que acontece de 24 a 26 de outubro daquele ano, na Arena Pantanal, em Cuiabá.

Projeto da ETE/Secitec foi premiado com o primeiro lugar em evento nacional realizado em 2017, na Arena Pantanal.

O projeto foi desenvolvido pelos alunos do curso de Manutenção e Suporte em Informática (MSI) da Escola Técnica Estadual. Numa primeira etapa, foi classificado em avaliação pela organização do evento, após apresentação na Semana da Ciência, Tecnologia e Inovação promovido pela ETE/Secitec, dois meses antes, em agosto.

(*) Leia matéria relacionada:

Decreto regulamenta logística reversa e obriga empresas a recolherem lixo eletrônico

Na capital, o projeto foi apresentado pelos então cursandos Luiz Fernando Carvalho e Sergio Roberto Reichert (que concluíram o curso e são, hoje, Técnicos em Manutenção e Suporte em Informática), sob supervisão e orientação dos professores Josenai Terra e José Cardoso.

Leia mais:  Aeroporto Regional: “Previ isso ano passado”, disse Mendes, sobre falta empreiteiras no MT

Proposta

Alunos desmontam e fazem a triagem de equipamentos eletrônicos em desuso.

O projeto prevê parceria entre a Escola Técnica Estadual e o Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae). Pelo projeto, as escolas das redes públicas estadual e municipal recebem contêineres especiais para a população do bairro onde a escola está localizada fazer o descarte de equipamentos exclusivamente eletrônicos já em desuso, como computadores, impressoras, monitores, tablets, celulares, micro-ondas e outros. Empresas e órgãos públicos também poderão realizar o descarte nestes locais.

O objetivo do projeto é proporcionar destinação correta destes resíduos, que possuem grande potencial poluidor, já que contém elementos altamente tóxicos como arsênio, cádmio, chumbo e mercúrio, que contaminam o solo e o lençol freático, representando riscos à saúde humana e animal.

Entidades – como a Casa Criança – receberam computadores montados com componentes reaproveitados.

Há, também, a questão do aprendizado dos cursandos. O projeto inclui a desmontagem dos equipamentos descartados e sua triagem pelos alunos do MSI, que testam os componentes (fontes, hd’s, placas, processadores, etc.), identificando os que ainda podem ser recondicionados. Os componentes restaurados são aproveitados – seja por componente avulso ou por um computadores montados a partir deles – por instituições públicas e entidades assistenciais/beneficentes/filantrópicas e associativas, enquanto o material inservível seguirá, através do Projeto Tangará Recicla, à Cooperativa de Reciclagem de Tangará da Serra (Coopertan) para o devido encaminhamento.

Leia mais:  Feira do Centro oferece um riquíssimo alimento conhecido pelo homem há 6 mil anos

Todo trabalho consta, segundo o projeto, em relatórios e estatísticas sobre o material recepcionado, as peças recondicionadas e as entidades/instituições beneficiadas.

Segundo o ex-aluno e hoje Técnico em Manutenção e Suporte em Informática, Luiz Fernando Carvalho, caso seja aproveitado pelo poder público, o projeto significará menos volume no aterro sanitário, com redução da poluição no meio ambiente e também dos riscos à saúde pública. “Além destes benefícios, o projeto representará aprendizado prático aos alunos das novas turmas de cursos técnicos de Informática que vierem a ocorrer nas instituições de ensino”, destacou.

(Redação EB)

publicidade

Cidades & Geral

Feira do Centro oferece um riquíssimo alimento conhecido pelo homem há 6 mil anos

Publicado

Entre tantos produtos de destaque da Feira do Produtor do Centro, o leite natural é um deles. Este produto de origem animal e seus derivados, integram um grupo de alimentos essenciais na alimentação. É rico em cálcio e proteínas e, também, é importante fonte de fósforo, potássio, sódio e vitaminas.

O leite faz parte da alimentação das pessoas já na infância, compondo a dieta humana há 6.000 anos, desde o período Neolítico (idade da pedra polida), quando o homem se sedentarizou.

Segundo especialistas em nutrição, o consumo de leite é importante em todas as idades, pois contém cálcio, com alta biodisponibilidade. Faz bem aos ossos e ao coração, previne a depressão e auxilia no crescimento, ajuda na formação da massa muscular e contribui para perda de peso nos casos em que a balança aponta excesso.

Valdeci, com a esposa Cleide: Tradição na produção e comercialização de leite natural e derivados.

Seu consumo adequado ao longo da vida permite manter a densidade óssea, protegendo contra doenças como a osteoporose. De quebra, contribui para a qualidade do sono, controla a diabetes, hidrata o organismo, melhora a pressão arterial e regula a flora intestinal.

Leia mais:  Feira do Centro oferece um riquíssimo alimento conhecido pelo homem há 6 mil anos

Não é verdade que o leite de vaca contém hormônios injetados no animal. O leite natural é, isso sim, um alimento completo, absolutamente saudável e muito bem aceito pelas crianças.

É ingrediente fundamental da gastronomia, compondo diversas receitas. Veja no link: https://www.receitasnestle.com.br/blog-post/receitas-com-leite.

Onde

Na Feira do Centro, o leite natural e seus derivados são destaque Box-81, de Valdeci Ferraz Aquino e família. Com propriedade no Acampamento (Linha 12), Valdeci, preside a Associação dos Feirantes e é o gestor do mercado público. Em seu box, ele comercializa, além do leite natural, derivados como queijos, doce pastoso, doce em cubos, nata e a tradicional ‘cachorrada’, um delicioso doce semelhante à ambrosia, porém sem ovos.

O leite natural e os queijos também podem ser encontrados nos boxes 5-A (Pedro José de Freitas), 6-A (Neide Cristina), 9-A (Flávio e Sandra Freitas), 10-A (Sônia Freitas) e 51-A (Fábio Hipólito), todos com propriedades no Córrego das Pedras. Nos boxes 20-A e 51-A, Osvaldir Bandiera e Edson Cabral de Souza também oferecem leite e queijos vindos do Acampamento e da Gleba Bandeirantes.

Leia mais:  Estrada entre Arenápolis e Nortelândia será duplicada; Licitação já lançada pelo Governo

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana