conecte-se conosco

Cidades & Geral

Lixo Eletrônico: Escola Técnica de Tangará da Serra teve projeto premiado em 2017

Publicado

Em se tratando de destinação adequada do lixo eletrônico, a cidade de Tangará da Serra conta com um projeto premiado. O projeto “Seu Lixo Eletrônico Tem Endereço”, desenvolvido por alunos da Escola Técnica Estadual (ETE/Secitec) de Tangará da Serra no ano de 2017, foi o vencedor da 14ª Semana Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, que acontece de 24 a 26 de outubro daquele ano, na Arena Pantanal, em Cuiabá.

Projeto da ETE/Secitec foi premiado com o primeiro lugar em evento nacional realizado em 2017, na Arena Pantanal.

O projeto foi desenvolvido pelos alunos do curso de Manutenção e Suporte em Informática (MSI) da Escola Técnica Estadual. Numa primeira etapa, foi classificado em avaliação pela organização do evento, após apresentação na Semana da Ciência, Tecnologia e Inovação promovido pela ETE/Secitec, dois meses antes, em agosto.

(*) Leia matéria relacionada:

Decreto regulamenta logística reversa e obriga empresas a recolherem lixo eletrônico

Na capital, o projeto foi apresentado pelos então cursandos Luiz Fernando Carvalho e Sergio Roberto Reichert (que concluíram o curso e são, hoje, Técnicos em Manutenção e Suporte em Informática), sob supervisão e orientação dos professores Josenai Terra e José Cardoso.

Leia mais:  Placas com padrão do Mercosul entram em vigor em todo o país

Proposta

Alunos desmontam e fazem a triagem de equipamentos eletrônicos em desuso.

O projeto prevê parceria entre a Escola Técnica Estadual e o Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae). Pelo projeto, as escolas das redes públicas estadual e municipal recebem contêineres especiais para a população do bairro onde a escola está localizada fazer o descarte de equipamentos exclusivamente eletrônicos já em desuso, como computadores, impressoras, monitores, tablets, celulares, micro-ondas e outros. Empresas e órgãos públicos também poderão realizar o descarte nestes locais.

O objetivo do projeto é proporcionar destinação correta destes resíduos, que possuem grande potencial poluidor, já que contém elementos altamente tóxicos como arsênio, cádmio, chumbo e mercúrio, que contaminam o solo e o lençol freático, representando riscos à saúde humana e animal.

Entidades – como a Casa Criança – receberam computadores montados com componentes reaproveitados.

Há, também, a questão do aprendizado dos cursandos. O projeto inclui a desmontagem dos equipamentos descartados e sua triagem pelos alunos do MSI, que testam os componentes (fontes, hd’s, placas, processadores, etc.), identificando os que ainda podem ser recondicionados. Os componentes restaurados são aproveitados – seja por componente avulso ou por um computadores montados a partir deles – por instituições públicas e entidades assistenciais/beneficentes/filantrópicas e associativas, enquanto o material inservível seguirá, através do Projeto Tangará Recicla, à Cooperativa de Reciclagem de Tangará da Serra (Coopertan) para o devido encaminhamento.

Leia mais:  Tangará da Serra: ACITS e CDL ajuízam ação por reabertura e Justiça aguarda município; PGE obtém liminar contra decreto 432

Todo trabalho consta, segundo o projeto, em relatórios e estatísticas sobre o material recepcionado, as peças recondicionadas e as entidades/instituições beneficiadas.

Segundo o ex-aluno e hoje Técnico em Manutenção e Suporte em Informática, Luiz Fernando Carvalho, caso seja aproveitado pelo poder público, o projeto significará menos volume no aterro sanitário, com redução da poluição no meio ambiente e também dos riscos à saúde pública. “Além destes benefícios, o projeto representará aprendizado prático aos alunos das novas turmas de cursos técnicos de Informática que vierem a ocorrer nas instituições de ensino”, destacou.

(Redação EB)

publicidade

Cidades & Geral

Fogo no Pantanal: Sindicato Rural define estratégias de prevenção e combate; Queimadas já atingem fazendas

Publicado

O Sindicato Rural de Cáceres está intensificando as ações de prevenção e combate aos focos de calor que estão ocorrendo na região do Pantanal e já estão atingindo propriedades rurais no município.

Em uma reunião realizada esta semana (terça, 28) na sede do sindicato com representantes do Batalhão do Corpo de Bombeiros de Cáceres, das regionais da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT) e Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), foram definidas novas estratégias para controlar a situação considerada crítica.

“Foi uma reunião produtiva em que tratamos de assuntos estratégicos e operacionais de prevenção e combate aos incêndios florestais”, disse a presidente do Sindicato Rural de Cáceres, Ida Beatriz.

O diretor regional do Indea, Adriano Garcia, apresentou um mapa de acesso às propriedades rurais da região que deve auxiliar o Corpo de Bombeiros.

De acordo com o comandante do Corpo de Bombeiros de Cáceres, Major Castro, a unidade vai rastrear os focos de calor pelo site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Segundo ele, é possível esquadrinhar os dados das últimas 24 horas, do dia e até de um mês.

Leia mais:  Fogo no Pantanal: Sindicato Rural define estratégias de prevenção e combate; Queimadas já atingem fazendas

“Com as informações dos mapeamentos cedidos pelo Indea e o monitoramento do Corpo de Bombeiros teremos um plano operacional eficaz. A ideia é unificar, cruzar as informações e criar os planos de ações. Envolvendo, por exemplo, as três grandes estradas que dão acesso ao Pantanal, da Onça, Angico e Jaraguá”, disse Ida Beatriz.

Reunião no último dia 28 foi decisiva para definição de estratégias.

Segundo a presidente, a parceria vai possibilitar um melhor controle de onde começam os focos de incêndio no Pantanal. O campus da Unemat em Cáceres, por exemplo, já desenvolve trabalhos de prevenção do fogo há algum tempo, o que vai auxiliar nos trabalhos. A universidade também ficará responsável pela comunicação e divulgação das ações, por meio dos veículos de comunicação do município.

O sindicato rural vai dar todo o suporte operacional, assim como articulação, capacitação, captação de recursos para aquisição de equipamentos como o kit combate de incêndio, assopradores, pulverizadores, capacetes, entre outros.

Todas as instituições presentes na reunião se comprometeram em mobilizar a sociedade, órgãos competentes, instituições públicas e privadas e o Conselho Municipal de Meio Ambiente, por meio da Câmara Técnica criada recentemente, inclusive o sindicato já faz parte. A ideia do grupo é mobilizar o máximo de instituições para colaborar com a construção de ações proativas.

Leia mais:  Tangará da Serra: ACITS e CDL ajuízam ação por reabertura e Justiça aguarda município; PGE obtém liminar contra decreto 432

Também participaram o coronel Vicente do Corpo de Bombeiros de Cáceres, Luiz Garcia da regional da Sema, a diretora do campus da Unemat de Cáceres, Zulema Neto Figueiredo, e o gerente sindical Valdiney Viana.

(Ascom Famato)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana