conecte-se conosco


Saúde Pública

Crise COVID-19: Prefeito pede cumprimento de decreto até dia 05; Empresários se manifestam em carreata

Publicado

Durante o anúncio oficial de que Tangará da Serra conta com o primeiro caso confirmado de COVID-19, o prefeito de Tangará da Serra, Fábio Martins Junqueira (MDB), reforçou o pedido de atendimento ao decreto 128/2020, que estabelece medidas de prevenção e monitoramento do coronavírus em Tangará da Serra. (veja vídeo e ouça áudio neste matéria)

Prefeito falou sobre o primeiro caso confirmado no município e também sobre a importância de atendimento a decreto.

O gestor destacou a importância de se observar o disposto no decreto e esclareceu dúvidas a respeito das restrições das atividades no comércio, mencionando os setores que seguem funcionando, os que podem atender de forma parcial e os que devem permanecer fechados. “Peço a todos que se acalmem, vamos ter paciência (…). Continuem atendendo ao nosso decreto até o dia 05, e até lá a gente vê o que é possível. Vamos ver como vai ser, também, o comportamento do Ministério da Saúde. Temos notícias de que até a OMS, a Organização Mundial da Saúde, tem tomado algumas decisões diferentes, também está fazendo revisão. Aguardem até dia 05, por favor!”, apelou, em nota multimídia divulgada à imprensa na manhã desta quarta-feira.

(*) Clique abaixo para ouvir áudio do prefeito, na íntegra.

Manifestação

Hoje pela manhã um grupo de empresários realizou manifestação em protesto pelo fechamento parcial do comércio decretado pelo poder público local. A manifestação consistiu numa carreata realizada na Avenida Brasil até a prefeitura e foi pacífica, com buzinaço e acompanhamento pela Polícia Militar.

(*) Assista vídeo da carreata ao final da matéria

Os empresários alegam risco de ‘quebradeira’ de empresas e desemprego na cidade em razão da paralisação das atividades e reivindicam flexibilização para que os estabelecimentos voltem a atender, com a devida observância aos protocolos relacionados à prevenção da COVID-19.

No áudio divulgado na manhã de hoje, o prefeito Fábio Junqueira disse não concordar com a carreata, alegando que a manifestação representa riscos de propagação do coronavírus (ouça, no áudio acima).

Em contato com a redação do Enfoque Business, o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Tangará d Serra – ACITS -, Junior Rocha, disse que a entidade não apoia o movimento. “Não apoiamos. Estamos tentando (flexibilização) junto ao Ministério Público e prefeitura”, disse, em resposta.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Tangará da Serra, Alessandro Rodrigues Chaves, não respondeu ao contato da redação até a postagem desta matéria.

Assista, abaixo, vídeo da carreata da manhã desta quarta-feira.

publicidade

Saúde Pública

Com URA desativada, atendimentos Covid serão nas USFs; Pacientes de UTI serão removidos

Publicado

Os pacientes com sintomas de Covid-19 em Tangará da Serra deverão procurar as unidades de saúde da família (USFs, foto topo) para atendimento, e não mais a Unidade Respiratória Ambulatorial (URA), que funcionava no Hospital Municipal Arlete Daisy Cichetti de Brito e agora está desativada.

A medida, anunciada no início da semana pela Secretaria Municipal de Saúde, atende a portaria assinada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que revoga decreto que estava em vigor desde fevereiro de 2020. Assim, fica declarado o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) motivada pela pandemia da Covid-19 no Brasil.

Com a desativação da URA, atendimento no Hospital Municipal volta à normalidade de antes da pandemia.

Contudo, os serviços de atendimento de casos relacionados à Covid-19 não deixarão de ocorrer. “A partir de agora os atendimentos passam a ser descentralizados, com os casos leves atendidos nas USFs e os casos mais graves na Unidade de Pronto Atendimento (UPA)”, informou à imprensa local a secretária municipal de Saúde, Gicelly Zanata.

Ainda segundo a secretária, nos casos que exigirem internação do paciente em UTI, estes serão removidos para as unidades ainda mantidas pelo Estado, na região metropolitana de Cuiabá.

A desativação das unidades exclusivas para atendimentos de casos de Covid-19 ocorre em todo o país, conforme determina a mesma portaria do Ministério da Saúde. A decisão leva em consideração, também, o número de atendimentos, que hoje é de apenas 1 a 2 casos diários, em média.

Com a desativação da URA, o atendimento no Hospital Municipal volta à normalidade de antes da pandemia. “Essa entrada do Hospital Municipal volta a ser fluxo para a entrada e saída de acompanhantes, visitas dos pacientes, marcar exames para aqueles que não estão na UPA, o eletivo”, acrescenta Gicelly Zanata.

A secretária observa, ainda, que a partir de agora outras áreas serão priorizadas. “Agora nosso foco é instalar o Centro Cirúrgico e UTI, para que nosso hospital comece a fazer cirurgias, sem precisar levar pacientes para outras cidades”, conclui.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana