conecte-se conosco

Economia & Mercado

Tangará da Serra: IBGE apura PIB de R$ 3,014 bi em 2017, com redução no índice per capita

Publicado

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulgou nesta sexta-feira (13) o tradicional estudo anual do Produto Interno Bruto dos municípios. Os números apurados são da atividade econômica do ano de 2017, sendo oficiais para todos os municípios do Brasil.

Em Tangará da Serra, o PIB apurado foi de R$ 3.014.931.040, representando um crescimento de apenas 1,5% em relação ao PIB do ano anterior, que foi de R$ 2,969 bilhões. O PIB de 2017 de Tangará da Serra está setorizado no Comércio e Serviços (R$ 1,364 bi, sendo este o principal setor da economia local, com 45% de participação), Administração e Setor Público (R$ 558,9 milhões), Indústria (R$ 423,4 mi), Agropecuária (R$ 298,7 mi) e Impostos e Subsídios (R$ 369,3 mi). Abaixo, tabela e gráfico elaborado pelo Enfoque Business desta divisão por setor.

PIB Per Capita

A variação do PIB entre 2016 e 2017 apontou uma leve redução do PIB per capita de Tangará da Serra. Enquanto em 2016 o PIB per capita dos tangaraenses era de R$ 30.682,81, em 2017 este número caiu ligeiramente par R$ 30.506,85 (0,57% menor). A razão para esta variação negativa é o aumento populacional maior em comparação ao crescimento da economia.

Leia mais:  Carne: Preço da arroba cai, mas preço segue inalterado ao consumidor

Estimativa

O PIB de 2017 revelado pelo IBGE ficou aquém (4,5%) do previsto pelo Portal Enfoque Business, que estimou o PIB global tangaraense em R$ 3,152 bilhões. O portal levou em consideração a variação orçamentária entre 2016 e 2017 para estimar o PIB do município.

publicidade

Economia & Mercado

Pronampe: Caixa isenta linhas de tarifa de abertura de crédito; Taxas de financiamentos já concedidos serão devolvidas

Publicado

As micro e pequenas empresas que contraem financiamentos de capital de giro do Programa de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) na Caixa Econômica Federal estão isentas da tarifa de abertura de crédito (TAC). A medida foi anunciada ontem (6) pelo presidente da instituição financeira, Pedro Guimarães.

A medida vale tanto para contratos novos como para financiamentos já concedidos. Clientes que já assinaram o contrato terão a tarifa devolvida pela Caixa. Criada para auxiliar empresas com faturamento de até R$ 4,8 milhões por ano, categoria que engloba as micro e as pequenas empresas, durante a pandemia do novo coronavírus, a linha de capital de giro do Pronampe empresta até 30% da receita anual registrada em 2019.

Os financiamentos têm prazo de 36 meses, com oito meses de carência. Dessa forma, a primeira parcela só é paga a partir do nono mês, em 28 prestações. A taxa de juros anual máxima equivale à taxa básica de juros (Selic) mais 1,25% ao ano. Com a Selic atual em 2,25% ao ano, a taxa pode atingir até 3,5% ao ano.

Leia mais:  Com exposição de R$ 2 bi, Caixa pede na Justiça falência da Odebrecht

Em troca das linhas do Pronampe, as empresas deverão preservar os empregos entre a data de assinatura do contrato e dois meses depois do recebimento da última parcela da linha de crédito. O financiamento pode ser pedido no site da Caixa, no endereço www.caixa.gov.br/pronampe, ou diretamente nas agências do banco.

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a Caixa emprestou cerca de R$ 11,5 bilhões em linhas de crédito para as micro e pequenas empresas. Apenas nas linhas do Pronampe, foram contratadas mais de 18,3 mil operações de crédito, que somam R$ 1,29 bilhão.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana