conecte-se conosco


Cidades & Geral

Setor de eventos reivindicará retorno às atividades em reunião nesta 2ª com Executivo

Publicado

Há 10 meses com atividades suspensas em razão da pandemia do novo coronavírus, a classe de produtores de eventos, proprietários de casas de shows, cantores, músicos, seguranças e outros profissionais que atuam no setor deflagraram uma mobilização, com abaixo assinado (imagem acima), para retornarem ao trabalho.

Cerca de 400 pessoas já assinaram o pedido petição e declararam apoio ao movimento, principalmente nas redes sociais. (Ao final do texto, link para participar do abaixo assinado)

Os eventos não são autorizados desde abril do ano passado (à exceção do mês de dezembro, quando houve flexibilização) e os empresários e profissionais que atuam nesse segmento sentem fortemente a crise, já que estão há quase um ano sem trabalho e, por consequência, sem rendimento.

Para tentar reverter o quadro, representantes da categoria terão uma reunião ao final da tarde (18hs) da próxima segunda-feira (15) com o prefeito Vander Masson e as autoridades sanitárias do município.

O objetivo é sensibilizar o poder público e pleitear o retorno às atividades, obedecendo as normas da Organização Mundial da Saúde (OMS) para evitar o contágio. “Somente nosso setor não voltou a trabalhar e precisamos retomar nosso trabalho. O setor sofre com esta paralisação e os prejuízos já são grandes. Há demissões, uma situação muito difícil”, disse o representante da categoria, Maurício Escobar, em áudio enviado a uma emissora de rádio da cidade.

Leia mais:  Crédito de R$ 200 mil para serviços cartorários viabilizará escrituração de área do aeroporto

Segmento

Segundo a organização do movimento, o setor reúne mais de 1.000 profissionais, entre trabalhadores diretos e indiretos. Além dos proprietários dos estabelecimentos, o setor congrega músicos, garçons, seguranças, atendentes de copa e bilheteria, profissionais de sonorização e iluminação, decoração, limpeza, jardinagem e serviços em geral, contadores, além de engenheiros para projetos.

A atividade gera impostos e outros tributos nas esferas municipal e estadual e, também, gera renda no setor de comércio e serviços e até mesmo na mídia, com anúncios e propaganda. “A pessoa que vai na balada gasta com roupas, calçados, barbearia, salão de beleza, combustíveis, transporte… Quando tem shows nacionais, atrai pessoas de outras cidades, e aí tem renda para hotéis, restaurantes, enfim…”, observa Dj Djalma, que também está à frente da mobilização.

Comparações

Movimento numa noite de sexta-feira em Tangará da Serra: Com locais de eventos fechados, avenida passou a ser opção.

No áudio veiculado ontem (sexta, 12) na imprensa, Maurício Escobar faz uma comparação com outros segmentos, como a Feira do Produtor e os supermercados. “Não podemos realizar nossos eventos, mas a Feira do Produtor está sempre cheia, com aglomerações. Nada contra a feira, que é uma tradição na cidade, mas é algo a ser pensado. E nos supermercados? Aos sábados estão sempre lotados…”, disse, questionando se há fiscalização quanto ao cumprimento da norma que estabelece apenas metade da capacidade de lotação nestes estabelecimentos.

Leia mais:  Clubes de Serviço: Rotary de Tangará da Serra iniciam nesta quinta-feira as trocas de diretorias

Sobre as aglomerações, Escobar destacou no mesmo áudio que as pessoas acabam procurando outros locais – como a Avenida Brasil – porque os estabelecimentos de eventos não podem funcionar.

O Executivo não se manifestou sobre a reunião, que está confirmada pela assessoria e acontecerá no auditório da prefeitura, às 18hs de segunda-feira.

Link para participar do abaixo-assinado: http://chng.it/76RvjtDGqq

publicidade

Cidades & Geral

Feira do Centro oferece duas atrações típicas do Brasil e valiosas para a saúde e a culinária

Publicado

Domingo, como reza a tradição, é dia de Feira em Tangará da Serra. E dois produtos muito atrativos na Feira do Produtor do Centro são as castanhas de caju e do Pará. As duas são alimentos saudáveis e compõem receitas extraordinárias, como nos links ao final do texto.

A castanha-do-pará é rica em proteínas, fibras, selênio, magnésio, fósforo, zinco e vitaminas do complexo B e vitamina E. Também fornece antioxidantes ao organismo, promovendo a diminuição do colesterol total. Melhora o sistema imunológico e ajuda a prevenir alguns tipos de câncer, como de mama, próstata e cólon.

Contribui para a saúde do cérebro e mantém o cabelo e as unhas saudáveis. Reduz a pressão alta, ajuda a regular a tireoide e é excelente fonte de energia.

Já a castanha-de-caju vem do fruto do cajueiro e é rica em antioxidantes, gorduras boas e minerais. Ajuda a prevenir o desenvolvimento de doenças do coração e anemia, além de melhorar a saúde da pele, unhas e cabelo. Segundo especialistas, consumir cerca de 30 gramas de castanha de caju por dia é uma alternativa para complementar os nutrientes consumidos diariamente.

Leia mais:  Crédito de R$ 200 mil para serviços cartorários viabilizará escrituração de área do aeroporto

Castanhas nos boxes

A castanha-do-pará oferecida na Feira do Centro é proveniente da região de Juína e de outras cidades e localidades da região norte do estado. Já a castanha de caju vem, principalmente, da região Nordeste do Brasil.

São comercializadas em vários boxes do setor de hortifruti, em especial nos boxes 16-C, de Elieder Santos; 21-A, de Francisco da Silva; 23-A, de Eliane Resende; e 42-A, de Elton Pereira.

Veja, a seguir, receitas com as duas castanhas:

https://www.receiteria.com.br/receitas-com-castanha-do-para/

https://www.receiteria.com.br/receitas-com-castanha-de-caju/

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana