conecte-se conosco


Economia & Mercado

Queda dos juros, recuo da inflação e confiança impulsionam busca por crédito

Publicado

De acordo com o Indicador de Demanda do Consumidor por Crédito da Serasa Experian, a procura por crédito dos brasileiros entre agosto de 2018 e de 2019 aumentou 11,8%. A alta foi impulsionada pelas pessoas da região Sudeste, que teve um acréscimo de 13,7% em agosto de 2019, na comparação com o mesmo mês do ano passado. A região Norte está na sequência, com uma variação de 13,6% no mesmo período, seguida pelo Sul (11,3%), Nordeste (10,6%) e Centro-Oeste (5,2%).

Para o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, o resultado de agosto reflete uma busca por crédito significativa, motivada pela retomada de queda das taxas de juros, pelo recuo da inflação e pelo melhor nível de confiança dos consumidores. Porém, este aumento ainda não significa uma melhora da economia, uma vez que os juros para os consumidores ainda são altos. “A política monetária tem o seu desempenho enfraquecido por conta dos custos que as instituições têm com a inadimplência, ainda que a SELIC esteja caindo”, avalia Rabi.

Leia mais:  Conta de luz: Aneel aumenta custo da bandeira vermelha 2 em 52% a partir de agosto

A comparação mensal apresenta um recuo de 6,4% entre agosto e julho deste ano, quando o indicador tinha apresentado a maior alta de 2019. Apesar disso, os economistas da Serasa Experian avaliam que tal queda não deve ser considerada como um movimento negativo, visto que julho/19 foi um mês atípico favorecido pelo efeito calendário do ano passado, com menos horas úteis por conta dos jogos da Copa.

Já a variação mensal por região apresentou um recuo em todas as localidades, sendo que o Nordeste teve a maior queda (-10,4%) na procura por crédito, seguido pelo Sul (-6,9%), Centro-Oeste (-5,7%), Sudeste (-5,0%) e Norte (-4,1%).

Pessoas com renda de R$ 500 a mil Reais lideram a procura

Os consumidores que mais demandaram crédito entre agosto/18 e agosto/19 são aqueles que possuem renda mensal entre R$ 500 e mil Reais, apresentando um avanço de 14,0% na variação anual. As demais faixas analisadas também mostraram aumento, veja tabela abaixo:

publicidade

Economia & Mercado

Diesel e gasolina ainda sem alíquota reduzida de ICMS; Altas em 2021 chegaram a 44%

Publicado

A gasolina e do diesel em Tangará da Serra ainda estão sendo comercializados com incidência de alíquota de 25% e 17% de ICMS, respectivamente.

Os preços já com as alíquotas reduzidas de 23% e 16% serão praticados somente após as primeiras aquisições de cargas pelos postos de combustíveis. A informação foi levantada pelo Enfoque Business junto a estabelecimentos.

A redução de 2% na alíquota de ICMS representará de R$ 0,10 a R$ 0,14 a menos no preço do litro da gasolina nas bombas, assim que passar iniciar a comercialização dos novos estoques.

Desde o último sábado (01/01/2022) vigora o pacote de redução de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) implementado pelo Governo de Mato Grosso sobre a energia elétrica, a comunicação, o gás industrial, a gasolina e o diesel.

As reduções das alíquotas estão determinadas pela Lei Complementar nº 708, sancionada pelo governador Mauro Mendes em dezembro.

No país

Segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio da gasolina comum subiu 44,3% e o do diesel, 44,6%, nos postos de combustíveis do país em 2021.

Leia mais:  Conta de luz: Aneel aumenta custo da bandeira vermelha 2 em 52% a partir de agosto

A gasolina começou o ano, em janeiro passado, com o valor médio de R$ 4,622 enquanto o diesel estava em R$ 3,696 o litro. Em dezembro, os combustíveis fecharam o ano com uma média de R$ 6,670 e R$ 5,347 respectivamente.

O preço dos combustíveis foram um dos principais motivos para a alta da inflação em 2021. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15) terminou 2021 com alta de 10,42%, valor quase três vezes acima da meta estabelecida pelo governo para o ano, de 3,75%.

Só em dezembro, a alta do IPCA-15 foi influenciada, principalmente, pelos preços dos combustíveis (+3,4%) e, em particular, da gasolina (+3,28%). Além disso, os preços do etanol (+4,54%) e do óleo diesel (+2,22%) também subiram, embora as variações tenham sido menores que as do mês anterior (7,08% e 8,23%, respectivamente).

(Redação EB, com informações de R7)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana