conecte-se conosco

Feiras & Eventos

MT apresenta projeto para mini usinas de geração de energia em fórum internacional

Publicado

O Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), participa nesta segunda-feira (31.05) e terça-feira (01.06) do Fórum Internacional de Investimentos Brasil 2021 (BIF, na sigla em inglês), considerado o maior evento de investimentos estrangeiro da América Latina.

“Vamos apresentar Mato Grosso para os investidores, mostrando nossas potencialidades e oportunidades em setores estratégicos, como agronegócio, energia, infraestrutura, inovação. O Estado está pronto para receber estes investimentos que serão convertidos em desenvolvimento local, geração de emprego e renda para a população”, afirma César Miranda, secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico.

Mato Grosso participará com um estande virtual, onde os visitantes poderão ingressar e acessar todas as informações sobre o Estado, assistir a vídeos e conversar com a equipe técnica da Sedec via chat.

Há ainda a sala de projetos, que está na grade de programação para a apresentação de um projeto definido pelo Estado para que os investidores conheçam e aportem recursos, caso haja interesse. Mato Grosso definiu como projeto uma joint venture entre MT Par e investidor externo para mini usinas hidrelétricas.

Leia mais:  Promotor na Exposerra: “Corrupção gera insegurança jurídica e recurso natural é para ser usado”

“Neste projeto, a empresa investiria na mini usina para utilização de energia nos órgãos estaduais. Desta forma, haveria uma diminuição de, no mínimo, 20% na conta de energia elétrica do Governo, valor que seria reinvestido em ações para a população. É um projeto de eficiência pública e sustentabilidade”, explica o secretário César Miranda.

O Fórum de Investimentos Brasil 2021 é organizado pela Apex-Brasil, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Governo Federal.

Para acessar o evento, basta clicar no link abaixo:

https://www.brasilinvestmentforum.com/

(Ascom/Sedec-MT)

publicidade

Cidades & Geral

Setor de eventos reivindicará retorno às atividades em reunião nesta 2ª com Executivo

Publicado

Há 10 meses com atividades suspensas em razão da pandemia do novo coronavírus, a classe de produtores de eventos, proprietários de casas de shows, cantores, músicos, seguranças e outros profissionais que atuam no setor deflagraram uma mobilização, com abaixo assinado (imagem acima), para retornarem ao trabalho.

Cerca de 400 pessoas já assinaram o pedido petição e declararam apoio ao movimento, principalmente nas redes sociais. (Ao final do texto, link para participar do abaixo assinado)

Os eventos não são autorizados desde abril do ano passado (à exceção do mês de dezembro, quando houve flexibilização) e os empresários e profissionais que atuam nesse segmento sentem fortemente a crise, já que estão há quase um ano sem trabalho e, por consequência, sem rendimento.

Para tentar reverter o quadro, representantes da categoria terão uma reunião ao final da tarde (18hs) da próxima segunda-feira (15) com o prefeito Vander Masson e as autoridades sanitárias do município.

O objetivo é sensibilizar o poder público e pleitear o retorno às atividades, obedecendo as normas da Organização Mundial da Saúde (OMS) para evitar o contágio. “Somente nosso setor não voltou a trabalhar e precisamos retomar nosso trabalho. O setor sofre com esta paralisação e os prejuízos já são grandes. Há demissões, uma situação muito difícil”, disse o representante da categoria, Maurício Escobar, em áudio enviado a uma emissora de rádio da cidade.

Leia mais:  Exposição de carros antigos revive a história e fortalece o calendário de eventos de Tangará da Serra

Segmento

Segundo a organização do movimento, o setor reúne mais de 1.000 profissionais, entre trabalhadores diretos e indiretos. Além dos proprietários dos estabelecimentos, o setor congrega músicos, garçons, seguranças, atendentes de copa e bilheteria, profissionais de sonorização e iluminação, decoração, limpeza, jardinagem e serviços em geral, contadores, além de engenheiros para projetos.

A atividade gera impostos e outros tributos nas esferas municipal e estadual e, também, gera renda no setor de comércio e serviços e até mesmo na mídia, com anúncios e propaganda. “A pessoa que vai na balada gasta com roupas, calçados, barbearia, salão de beleza, combustíveis, transporte… Quando tem shows nacionais, atrai pessoas de outras cidades, e aí tem renda para hotéis, restaurantes, enfim…”, observa Dj Djalma, que também está à frente da mobilização.

Comparações

Movimento numa noite de sexta-feira em Tangará da Serra: Com locais de eventos fechados, avenida passou a ser opção.

No áudio veiculado ontem (sexta, 12) na imprensa, Maurício Escobar faz uma comparação com outros segmentos, como a Feira do Produtor e os supermercados. “Não podemos realizar nossos eventos, mas a Feira do Produtor está sempre cheia, com aglomerações. Nada contra a feira, que é uma tradição na cidade, mas é algo a ser pensado. E nos supermercados? Aos sábados estão sempre lotados…”, disse, questionando se há fiscalização quanto ao cumprimento da norma que estabelece apenas metade da capacidade de lotação nestes estabelecimentos.

Leia mais:  XI Jornada Técnica contou com debates sobre agricultura digital, gestão de propriedades e perfil profissional

Sobre as aglomerações, Escobar destacou no mesmo áudio que as pessoas acabam procurando outros locais – como a Avenida Brasil – porque os estabelecimentos de eventos não podem funcionar.

O Executivo não se manifestou sobre a reunião, que está confirmada pela assessoria e acontecerá no auditório da prefeitura, às 18hs de segunda-feira.

Link para participar do abaixo-assinado: http://chng.it/76RvjtDGqq

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana