conecte-se conosco


Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: Máquinas, rastreabilidade, substituição de fósseis e alta de impostos são destaque

Publicado

O Momento Agrícola desta semana traz, como já é tradição, um leque de informações de alta relevância para o setor produtivo.

O programa, produzido e apresentado pelo produtor rural, agrônomo e consultor Ricardo Arioli, é transmitido semanalmente pela rede de rádios do Agro e repercutido aos finais de semana pelo Enfoque Business. (Link com a íntegra do programa ao final do texto)

Vendas em alta

Um dos destaques do Momento Agrícola desta semana está relacionado à boa performance do Agro. As vendas de máquinas agrícolas e rodoviárias no Brasil registraram avanço de 29,5% em novembro, em relação ao mesmo período de 2019, para 4.267 unidades, informou a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Demanda por máquinas agrícolas aumentou, mas indústria enfrenta dificuldades com falta de insumos.

Com produtores rurais mais capitalizados por preços recordes das commodities ao longo de 2020, firme demanda externa e alto patamar do câmbio, o cenário é favorável para a retomada de investimentos na lavoura, apesar da pandemia.

O desempenho registrado em novembro foi o melhor para o mês, pelo menos, desde 2017. Os tratores de rodas responderam por 3.071 do total comercializado, aumento também de 29,5%.

De olho em uma safra que caminha para ser recorde em 2020/21, a venda de colheitadeiras de grãos alcançou 662 unidades, alta de 34,8% ante igual período do ano passado.

No acumulado de janeiro a novembro, foram comercializadas 42.071 unidades de máquinas do setor, alta de 3,8% no comparativo anual, conforme dados da associação.

Indústria em baixa

Vendas aquecidas à parte, a queda na produção industrial provocada pelo distanciamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus está refletindo fortemente nas indústrias automotiva e de máquinas e equipamentos.

Leia mais:  Momento Agrícola: Mercado árabe, avanço dos biológicos, conectividade e Funrural são destaques

A escassez de insumos está se espalhando entre as diversas cadeias industriais que vão da indústria de vestuário a montadoras e fabricantes de bens de capital.

O assunto – que já rendeu matéria esta semana no Enfoque Business – é abordado com muita propriedade por Ricardo Arioli.

Rastreabilidade

O Momento Agrícola aborda também as exigências de rastreabilidade dos alimentos que chegam à mesa do consumidor. Elas estão cada vez maiores e já causam impacto nos custos e nas rotinas de produção.

Conceitualmente, rastreabilidade de alimentos é a possibilidade de se percorrer todas as etapas de produção, processamento e distribuição de qualquer alimento até o consumidor final. Dessa forma, todo alimento deve conter informações sobre os caminhos que trilhou até estar disponível para consumo.

Tecnologia de rastreamento de origem na cadeia da cana-de-açúcar com blockchain que deverá apoiar a certificação de usinas ao RenovaBio.

Neste contexto, o Momento Agrícola traz informações sobre um projeto da Embrapa, que começa a desenvolver uma tecnologia de rastreamento de origem na cadeia da cana-de-açúcar com blockchain que deverá apoiar a certificação de usinas ao RenovaBio, política de incentivo aos biocombustíveis, e que poderá ser estendida às cadeias de soja e milho, que têm mais dificuldade de se inscreverem no programa.

O desenvolvimento do software será feito em parceria com a Usina Granelli, situada em Charqueada (SP), e com a Cooperativa dos Plantadores de Cana do Estado de São Paulo (Coplacana), e terá apoio técnico da SafeTrace, empresa especializada na rastreabilidade de alimentos.

Leia mais:  Exposerra: Melhor média do Torneio Leiteiro fica com produtor da Linha 12

A tecnologia permitirá o registro das notas fiscais e das informações de uso de insumos dos produtores rurais e de seus cadastros ambientais rurais (CAR) em blocos de informação, que poderão ser utilizados pela usina e pelos certificadores do RenovaBio para o cálculo de sua nota de eficiência energética – a “pegada de carbono” do biocombustível do programa. A nota de eficiência leva em consideração todas as emissões relacionadas à produção, incluindo as que ocorrem no campo.

Outros

Outros assuntos abordados pelo Momento Agrícola dizem respeito às tendências de substituição de combustíveis fósseis – como o diesel e a gasolina – pelo mundo afora. Esta tendência trará mudanças, por exemplo, nas indústrias de automóveis.

O aumento de impostos e consequente encarecimento de produtos que chegam ao consumidor é outra abordagem´. Diversos insumos importantes para a agropecuária passarão a ser tributados em 4,14% no estado de São Paulo, a partir de 1º de janeiro de 2021. Além disso, o ICMS sobre produtos vendidos para o Centro-Oeste, Norte, Norte e o estado do Espírito Santo será de 3,7%, contra 2,8% neste momento. Já para os insumos comercializados para o Sul e demais estados do Sudeste, a alíquota vai de 4,8% para 6,34%.

De acordo com estudo encomendado pelo Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), a indústria de defensivos passará a recolher R$ 50 milhões a mais por ano. Ou seja: o custo será repassado da indústria para o produtor e, daí, para o consumidor.

Nos demais blocos, o Momento Agrícola traz informações sobre “Aprendizados Técnicos em 2020” e o “Projeto Cotton Brazil”, que visa promover o algodão brasileiro no exterior.

Para ouvir o Momento Agrícola na ínt6egra, clique abaixo:

 

 

publicidade

Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: Negócios, ILP, ferrovias, Selic e entrevistas são os destaques da edição

Publicado

A compra de 30% da Sinagro pela Bunge, a ampliação da área de integração lavoura-pecuária em Mato Grosso, os pedidos de trechos para ferrovias no Brasil e entrevistas compõem a pauta do Momento Agrícola deste sábado (22).

De autoria do produtor rural, agrônomo e consultor Ricardo Arioli, o programa é veiculado aos sábados pela rede de rádios do Agro e repercutido em forma de notícias e com o link do Soundcloud pelo Enfoque Business, também aos finais de semana.

Negócio

Ricardo Arioli abre a edição deste sábado comentando um negócio entre grandes gigantes.

Bunge, UPL e demais acionistas da Sinagro anunciaram nessa semana acordo pelo qual a Bunge adquirirá participação de 33% na empresa. A Sinagro é uma grande revendedora de grãos e produtos agrícolas, com relevante atuação na região do Cerrado. O negócio está sujeito à aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

A Sinagro foi uma das primeiras empresas a aderir à Parceria Sustentável da Bunge, iniciativa pioneira lançada em 2021, pela qual a Bunge auxilia os revendedores de grãos a implantarem sistemas de avaliação socioambiental de fornecedores, incluindo monitoramento por satélite, em escala de fazenda. Os participantes do programa podem adotar serviços de imagens geoespaciais independentes ou utilizar a estrutura da Bunge sem custos.

Leia mais:  Momento Agrícola: Plano Safra 2021/2022, royalties, Dicamba e entrevistas são destaques

ILP

Em Mato Grosso, áreas com ILP cresceram mais que o dobro em seis anos.

O Momento Agrícola também traz em sua pauta uma tendência nas áreas produtivas do estado. Levantamento feito pela Embrapa mostra que as áreas com integração lavoura-pecuária (ILP) em Mato Grosso foram ampliadas de 1,1 milhão de hectares em 2013 para 2,6 milhões de hectares em 2019.

Os dados foram obtidos pela Embrapa a partir de imagens de satélite analisadas por programas de inteligência artificial. Segundo os pesquisadores, a área é equivalente a 5% do total destinado à produção agropecuária no território mato-grossense e concentra-se nas regiões próximas às unidades de referência tecnológica (URT) da Empresa.

Trilhos

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, publicou em sua conta no Twitter que o novo marco ferroviário já originou 76 pedidos de trechos ferroviários no país. O governo já autorizou 21 ferrovias, nove das quais já em fase de assinatura de contrato. Outras 12 apenas aguardam trâmites burocráticos, sendo uma delas no trecho de 508 quilômetros entre Água Boa e Lucas do Rio Verde, onde a Rumo Logística investe R$ 1,9 bilhão de reais.

Leia mais:  Os recordes das exportações brasileiras são destaque no Momento Agrícola deste final de semana

Para o citado trecho, a Rumo trabalha na aquisição de 45 locomotivas e 2.142 vagões para transportar grãos, farelo, açúcar e fertilizantes. O planejamento da Rumo inclui outro trecho ferroviário, entre Rondonópolis e Lucas do Rio Verde.

Outras

Outras abordagens do Momento Agrícola deste sábado incluem o aumento da Selic previsto já na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (COPOM). A tendência é de um aumento de 1,25%, elevando a taxa básica de juros dos atuais 9,25% para 10,5%.

Nos outros três blocos do programa, Ricardo Arioli traz mais notícias comentadas e

Entrevistas sobre “Nova Prorrogação do CAR e PRA”, com Albenir Querubini, e “A Conectividade 5G no Agro”, com Normando Corral.

Para ouvir o Momento Agrícola na íntegra, clique abaixo:

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana