conecte-se conosco

Agronegócio & Produção

MÁQUINA LETÁRGICA: SEMA-MT levaria 35 anos para zerar fila de espera por CAR’s; Burocracia emperra negócios

Publicado

Na verdade, não seriam apenas 35 anos, mas 63, se for considerado o volume de processos que tramitam na Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA).

A verdade é dolorida e revoltante, pois o órgão oficial de Mato Grosso que tem por missão guarnecer o meio ambiente e criar condições para um desenvolvimento sustentável, na verdade atravanca o crescimento econômico do estado, penaliza quem está legal e, assim, acaba beneficiando infratores.

E, pior ainda, a SEMA judia da ‘galinha dos ovos de ouro’ da economia estadual, que é o agronegócio. Esta realidade lamentável foi exposta no programa Momento Agrícola, produzido e apresentado pelo produtor rural, agrônomo e consultor Ricardo Arioli e reproduzido todos os finais de semana pelo Enfoque Business (link: https://enfoquebusiness.com.br/momento-agricola-lentidao-da-sema-gafanhotos-feijao-novidades-sobre-dicamba-e-roundup-sao-destaques/).

Segundo informado pelo Momento Agrícola, hoje são 93.294 processos pendentes de Cadastro Ambiental Rural (CAR) que tramitam na secretaria. O ritmo de aprovação destes processos seria cômico não fosse trágico. Em março, eram 0,3 processos validados por dia. Em abril este número subiu para 1,9 e, em junho, esta média chega a “fantásticos” 04 processos por dia.

Leia mais:  Etanol: Governo afirma que aumento nos postos não tem relação com a LC 631/19

Fora estes, há, ainda, uma quantidade considerável de processos de licenciamento de empreendimentos em outras áreas da economia, todos parados por conta da burocracia e da fraca, enferrujada e ultrapassada dinâmica administrativa do órgão estadual.

Considerando este ritmo (de 04 validações diárias), serão necessários 63 anos para validar os mais de 93 mil cadastros pendentes. Mas, se desta ‘montanha’ de processos forem deduzidos 21 mil processos que aguardam documentação pendente, mais outros 6 mil com pareceres de cancelamento e outros tantos que aguardam pagamentos de taxas diversas, este número cai para “apenas” 51 mil processos.

Então, considerando o ritmo de validação de 04 processos/dia, a SEMA levaria ‘somente’ 35 anos para validar todos os 51 mil processos que estão na fila.

Freio econômico

O pior da letargia da máquina pública estadual não é a irritação provocada nos empreendedores mato-grossenses, e sim o prejuízo nos negócios. “É por estas e outras que os produtores legais é que levam as culpas por tudo que acontece de ruim com o meio ambiente. A Alemanha, por exemplo, parece que está mesmo comprometida a parar de comprar produtos do Brasil por conta do aumento do desmatamento na Amazônia e no Cerrado… Aquele discurso fácil que as ONG’s comentam por lá, recheado de ideologias depois que mudou o governo”, observou Arioli.

Leia mais:  11ª Jornada Técnica: Evento abordará doenças da soja, gestão de propriedades, agricultura digital e perfil profissional

Diante desta burocracia nefasta, apesar do Agro de Mato Grosso ter sucesso comercial com sua alta produção (em volume e qualidade), a SEMA contribui muito para negativar a imagem do setor produtivo estadual com sua emperrada burocracia. “Adianta ir lá na Alemanha explicar que muitos produtores estão irregulares porque estão nesta fila de pelo menos 35 anos? (…) Adianta perguntar o que foi feito dos milhões de reais investidos na SEMA desde 2006 em programas de parcerias com as próprias ONG’s que hoje nos acusam e nos destratam?”, questionou o apresentador do Momento Agrícola, complementando que as ilegalidades interessam apenas aos ‘ilegais’, aos ‘maus produtores’, jamais aos reais interesses da coletividade mato-grossense.

publicidade

Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: PIB do Agro, Green Bonds e homenagens a Morricone, Vinícius e Ringo Starr são os destaques

Publicado

O programa Momento Agrícola, transmitido semanalmente pela rede de rádios do Agro, relatado e reproduzido aos finais de semana pelo Enfoque Business, traz, como de costume, vários destaques do setor produtivo brasileiro.

Logo no primeiro bloco, o apresentador e produtor do programa, agrônomo e consultor Ricardo Arioli, aborda os números do PIB do Agro, que em abril fechou com crescimento de 0,3% e acumulado de 3,78% no quadrimestre. O crescimento registrado em abril foi o menor do quadrimestre, reflexo direto da pandemia do novo coronavírus, segundo o Centro de Estudos Avançados de Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP.

Na sequência, Arioli fala sobre os ‘Green Bonds”, os chamados títulos verdes que destinam créditos com juros mais baixos ao setor produtivo. Os recursos são concedidos pelos Fundos Financeiros Verdes mediante transparência e atitudes ambientais por parte dos tomadores. Arioli fala sobre como os Títulos Verdes estão entrando, aos poucos, no Agro brasileiro.

Diferente

Ainda no primeiro bloco do Momento Agrícola desta semana, Ricardo Arioli inova abrindo espaço para a boa música através de homenagens ao maestro Ennio Morricone – falecido esta semana -, ao poeta brasileiro Vinícius de Moraes – falecido há 40 anos, em 09 de julho de 1980 – e ao baterista Richard Starkey, o ‘Ringo Starr’, dos Beatles, que no último dia 07 comemorou 80 anos de vida.

Leia mais:  Bradesco, Itaú e Santander: Concorrência e mudanças regulatórias fecham 430 agências e demitem 7 mil

Outras

Nos blocos seguintes, Ricardo Arioli destaca o Fórum de Máxima Produtividade do CESB, a Reforma Tributária – que tramita no Congresso -, e notícias de Brasília.

Para ouvir o Momento Agrícola na íntegra, clique abaixo.

 

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana