conecte-se conosco

Profissionais & Tecnologias

Hidrômetros inteligentes substituirão convencionais em Tangará da Serra

Publicado

O Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto – SAMAE – já executa a primeira etapa de implantação de hidrômetros inteligentes na rede de fornecimento de água do perímetro urbano de Tangará da Serra. A informação é do diretor da autarquia, Wesley Lopes Torres.

Primeiro bairro a receber a tecnologia é o Alto da Boa Vista. Meta é implantar 10 mil dispositivos até ano que vem.

A instalação obedece a um criterioso planejamento que considera no cronograma o aspecto custo-benefício. O primeiro bairro a receber a tecnologia é o Residencial Alto da Boa Vista, que já ganhou 850 hidrômetros inteligentes e deverá ter instaladas, até o final deste mês, um total de 1.300 unidades. A próxima localidade urbana receber os dispositivos será o Morada do Sol.

Segundo Wesley, até ano que vem a cidade receberá um total de 10 mil novas unidades, representando 1/3 das unidades consumidoras da área urbana. O objetivo é empregar agilidade e exatidão nas leituras de hidrômetros, além de proporcionar economia nos serviços. “Queremos eliminar leituras incorretas, perdas e fraudes no consumo de água, além de proporcionar segurança nas faturas emitidas ao consumidor”, diz.

Wesley Torres, diretor do SAMAE: Eliminação de perdas com leituras incorretas e fraudes no consumo de água.

Sistema

Leia mais:  Startup de Israel desenvolve tratamento para cura do câncer

Os hidrômetros inteligentes em instalação são produzidos pela HidroReader, startup com sede em Tangará da Serra e que venceu o processo licitatório realizado pelo SAMAE. A HidroReader também tem sistemas atendendo cidades dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Através de um simples smartphone ou tablet, o sistema coleta com precisão a leitura de consumo através de software embarcado (firmware), que mede o consumo de água eletronicamente evitando a leitura incorreta dos hidrômetros. O dispositivo também detecta vazamentos e fraudes, podendo conectar toda a área urbana, diminuindo drasticamente o índice de perda de água tratada.  “Já temos um número expressivo de unidades nas quais detectamos possibilidade de vazamentos, cujos consumidores serão notificados”, informa o CEO da HidroReader, Thiago Zago.

A agilidade e rapidez na leitura também representa economia, já que contará com equipe reduzida no serviço. Para se ter uma ideia, somente no Alto da Boa Vista a coleta de dados poderá ser realizada entre 20 e 30 minutos.

CEO da HidroReader, Thiago Zago (dir), e o CTO André Heringer: dispositivo também detecta vazamentos e fraudes, podendo conectar toda a área urbana.

Leia mais:  Coronavírus e contratos: o que fazer? Veja o que informa uma especialista no assunto
publicidade

Profissionais & Tecnologias

Coronavírus e contratos: o que fazer? Veja o que informa uma especialista no assunto

Publicado

Nos casos que envolvem contratos, duas alternativas para enfrentar o coronavírus: ou as partes previamente convencionam como lidar com situações como essa ou se utilizam de preceitos legais para proteção da parte mais fraca ou da durabilidade da relação.

A questão é que não pode simplesmente a parte falar: “não vou conseguir cumprir o contrato por conta do coronavírus.” A mera alegação não é fundamento para postergar o cumprimento de obrigações contratuais.

Acesse o link abaixo e saiba o que fazer, com orientação da advogada contratualista Lauren Juliê Liria Fernandes Teixeira Alves.

Coronavírus e contratos: o que fazer?

Leia mais:  Startup de Israel desenvolve tratamento para cura do câncer
Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana