conecte-se conosco


Economia & Mercado

Economia: Retomada pós-crise será gradativa e deverá ocorrer a partir de julho

Publicado

Os diversos segmentos da economia se debatem para sobreviver à fase crítica da crise do coronavírus, que ocorre neste momento. A retomada efetiva das dinâmicas econômicas mundial e brasileira deverá ocorrer somente a partir de julho, segundo prevê a Deloitte, empresa referência em serviços de auditoria, consultoria, assessoria financeira, risk advisory, consultoria tributária e serviços relacionados.

Segundo a empresa, setores importantes como alimentação, varejo, serviços e turismo começarão a mostrar alguma reação à crise em julho, lentamente, com escalada de recuperação até dezembro. Porém, ao final deste ano, a economia ainda estará sentindo o ‘baque’ provocado pela pandemia.

“Estamos diante de uma crise sem precedentes e sem fronteiras – em apenas três meses, o Covid-19 se alastrou para mais de 180 países, infectando centenas de milhares de pessoas. Enquanto quase 2 bilhões de pessoas em todo o mundo estão atualmente isoladas em suas casas na tentativa de conter o avanço da doença, a extensão dos reflexos humanitários, sociais, econômicos e culturais permanece ainda imprevisível”, diz a empresa, em sua home.

Nesse cenário, impactos ainda incalculáveis podem atingir todas as dimensões de negócios.

A Deloitte considera que governos e organizações de diversos setores enfrentam desafios inéditos e inusitados. Nesse cenário, impactos ainda incalculáveis podem atingir todas as dimensões de negócios. “No Brasil, esse cenário traz disrupturas imediatas para empresas globais e locais que operam no País”.

Leia mais:  Indústria: Tecnologias e mudanças na cadeia produtiva exigem qualificação de 9,6 milhões

Três fases da crise

Segundo a Deloitte, durante esse contexto de exceção, é preciso, como primeiro passo, preparar e gerenciar a continuidade dos negócios. “É o momento de encontrar respostas urgentes para a crise”. A segunda fase será de recuperação, com foco nas áreas críticas e nas ações para viabilizar a retomada. A última fase será a de perseguir a sustentação, para planejar a volta à normalidade em um novo contexto de mercado.

Veja acima, no cabeçalho da matéria, gráfico da Deloitte que retrata a dinâmica da retomada.

publicidade

Economia & Mercado

Indústria: Tecnologias e mudanças na cadeia produtiva exigem qualificação de 9,6 milhões

Publicado

O Brasil precisará qualificar 9,6 milhões de pessoas até 2025 para atender necessidades projetadas pelas indústrias, de forma a repor inativos, atualizar funcionários ou preencher as novas vagas programadas para o setor. É o que prevê o Mapa do Trabalho Industrial 2022-2025, divulgado hoje (16) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Deste total, dois milhões precisarão de qualificação visando formação inicial para a reposição de inativos ou para o preenchimento de novas vagas. Os 7,6 milhões restantes serão via formação continuada para trabalhadores que precisam se atualizar para exercer funções.

Segundo a CNI, “isso significa que 79% da necessidade de formação nos próximos quatro anos serão em aperfeiçoamento”.

Cadeia produtiva

De acordo com a entidade, essas projeções têm por base a necessidade de uso de novas tecnologias e mudanças na cadeia produtiva que tanto influenciam – e transformam – o mercado de trabalho. Assim sendo, acrescenta a CNI, cada vez mais o Brasil precisará investir em aperfeiçoamento e requalificação.

O levantamento hoje divulgado, feito pelo Observatório Nacional da Indústria, tem por finalidade identificar demandas futuras por mão de obra e orientar a formação profissional de base industrial no país.

Leia mais:  Indústria: Tecnologias e mudanças na cadeia produtiva exigem qualificação de 9,6 milhões

As áreas com maior demanda por formação são transversais (que permitem ao profissional atuar em diferentes áreas, como técnico em segurança do trabalho, técnico de apoio em pesquisa e desenvolvimento e profissionais da metrologia, por exemplo), metal mecânica, construção, logística e transporte, e alimentos e bebidas.

(Agência Brasil)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana