conecte-se conosco


Pesquisa & Tecnologia

Carros autônomos deverão estar no mercado até 2025

Publicado

Até 2025, veículos capazes de ir de um ponto a outro sem serem conduzidos por motoristas deverão estar disponíveis no mercado, o que deverá marcar o início das mudanças nos meios de transporte e na organização das cidades. No Reino Unido, Kevin Vincent é um dos nomes por trás das pesquisas que possibilitarão o funcionamento desses carros. Ele é o diretor do Centro de Pesquisa de Automóveis Autônomos e Conectados, da Universidade de Coventry.

No campus da universidade, ele conversou com a Agência Brasil sobre a relação entre academia e indústria e sobre as habilidades que esse tipo de parceria desenvolve nos pesquisadores. A Universidade de Coventry, tradicionalmente, tem forte atuação na indústria. É parceira de companhias como Siemens, Toyota, Ford e até mesmo da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer). Na universidade, por exemplo, foi desenvolvida a bicicleta como conhecemos hoje. O projeto dos veículos é desenvolvido em parceria com a Horiba Mira, entre outras empresas.

“Os pesquisadores rapidamente desenvolvem um foco comercial, um foco nos negócios. Ao mesmo tempo, mantemos o rigor científico. Estamos criando um pesquisador acadêmico, que está confortável em operar nos negócios”, diz. De acordo com dados apresentados pela universidade, 97% dos estudantes, estão empregados seis meses após deixar a instituição.

Ele conta também que trabalhar com inovação requer um planejamento futuro, uma visão de 20, 30 anos à frente e, o mais difícil, é entender melhor o mercado, ou seja, as pessoas que irão consumir essas tecnologias. “Temos que desenvolver sistemas que considerem não apenas o veículo, mas os processos que farão as pessoas, no futuro, adotar a nova tecnologia”.

Veja abaixo os principais trechos da entrevista:

Kevin Vincent é um dos nomes por trás das pesquisas que possibilitarão o funcionamento desses carros.

Agência Brasil: A Universidade de Coventry tem fortes parcerias com a indústria. Como funcionam essas parcerias? Geralmente, as empresas levam demandas para a academia? A universidade tem também liberdade para propor determinados produtos?

Leia mais:  Parceria com Israel trará para o Brasil sistema de extração de água do ar

Kevin Vincent: Historicamente somos uma universidade que olha para os negócios. A nossa pesquisa é muito aplicada e muito próxima do mercado. Isso nos possibilita trabalhar com troca de conhecimento com a indústria de forma muito próxima. Para determinados problemas, nós introduzimos conhecimentos que são novos para determinada indústria, mas que não necessariamente são novos conhecimentos, inovações.

Nos últimos cinco anos, mudamos um pouco a nossa estratégia, para focar um pouco mais na pesquisa fundamental [pesquisa voltada para a melhoria de teorias científicas]. Nosso financiamento é baseados em recursos de fundos europeus e do Reino Unido, nacionais e internacionais, além de muita colaboração com a indústria. O que estamos tentando fazer agora é ampliar as pesquisas.

Parte da razão disso é que podemos começar a introduzir novas tecnologias nas companhias. A pesquisa fundamental é menos explorável [comercialmente] imediatamente. Por exemplo,no caso dos PhDs [doutorados] que estamos fazendo com a Mira [Horiba Mira], a empresa tem os direitos de exploração para criar impacto com os PhDs. Uma vez que eles são finalizados, determinado o que deve ser protegido ou não, ela incorpora nos negócios e nos diz o impacto que isso tem. Nós reportamos esse resultado para o governo.

Há um ciclo de monitoramento do governo a cada seis anos. Os projetos bem-sucedidos recebem mais financiamento do governo e a indústria ganha mais confiança no trabalho da universidade. Nossa flexibilidade, nossa capacidade de agir rápido e nossa adaptabilidade é valorizada. Isso não é característico da universidade, que é conhecida por se mover devagar. Estamos tentando trabalhar com a indústria rápidamente, na velocidade que ela acha necessária para os negócios.

Agência Brasil: Que tipo de habilidade é esperada de estudantes e pesquisadores que trabalham em projetos como este?

Kevin Vincent: Os trabalhadores têm que se inserir na empresa. São pesquisadores que passam muito tempo com a indústria. Eles recebem um escritório para trabalhar na empresa e nós fazemos questão que tenham também um supervisor que seja da equipe da empresa. Os pesquisadores aprendem o que é uma indústria e isso afeta o comportamento deles. Eles rapidamente desenvolvem um foco comercial, nos negócios. Ao mesmo tempo, mantemos o rigor científico. Estamos criando um pesquisador acadêmico, que está confortável em operar nos negócios.

Leia mais:  Pesquisadores da PUC e Fiocruz 'acertam' previsão de 41 mil casos em 20 de abril

Agência Brasil: O projeto de carros autônomos é de longo prazo. Como articular os interesses da indústria e da academia nesse período? Que instrumentos vocês têm para isso?

Kevin Vincent: Nós temos espécies de grupos de trabalho que criam estratégias para uma visão de futuro [na universidade]. Uma visão total. A empresa tem também um setor que determina o que ela deve estar fazendo nos próximos 10, 20, 30 anos, que tecnologias vão desaparecer e quais serão importantes para os negócios. Se nós divergimos, ok, não levamos adiante. Se há convergência, criamos um projeto de pesquisa para esse tópico. Estamos caminhando com a indústria, levamos a nossa visão e colaboramos com a visão deles para o que o futuro está aguardando.

Agência Brasil: Que desafios esse trabalhar para o futuro traz?

Kevin Vincent: Precisamos entender melhor a experiência do usuário. Porque todo o esforço do momento vai para o desenvolvimento de uma tecnologia, mas o mercado é menos compreendido. Temos que desenvolver sistemas que considerem não apenas o veículo, mas os processos que farão as pessoas, no futuro, adotar a nova tecnologia.

Agência Brasil: Quando esse tipo de veículo autônomo estará disponível para a população em geral?

Kevin Vincent: Estamos trabalhando com a meta de termos os primeiros veículos disponíveis em 2025 e, os mais avançados, em 2030. Em 2025 esperamos ter um cenário em que o carro possa levar passageiros de um ponto a outro, em uma trajetória pré-determinada, sem interação com o motorista. Isso é tecnicamente possível inclusive agora, mas precisamos ter certeza de que a infraestrutura é adequada e que podemos repetir o trajeto várias vezes de forma segura. Para ir além de um ponto A a um ponto B, isso será após 2030.

Meta dos pesquisadores é disponibilizar os primeiros veículos em 2025 e, os mais avançados, em 2030.

publicidade

Meio Ambiente & Preservação

Água no subsolo: Tecnologia desenvolvida em Tangará da Serra é aprovada e será ampliada em Sorriso

Publicado

A instalação de drenos verticais em áreas de recarga de corpos hídricos e em bacias de contenção de estradas rurais foi aprovada e será ampliada no município de Sorriso, no médio norte de Mato Grosso.

Destinada à aceleração de infiltração da água das chuvas, a tecnologia foi desenvolvida originalmente em Tangará da Serra pelo IPAC (Instituto Pantanal Amazônia de Conservação).

Dispositivos de infiltração são instalados em caixas de captação de águas das chuvas às margens de estradas.

Na manhã de hoje, a tecnologia foi apresentada em reunião na prefeitura de Sorriso (primeira foto, acima), com as presenças do prefeito Ari Lafin e os secretários municipais de Agricultura e Meio Ambiente Marcelo Lincoln e Emerson Farias. A apresentação foi realizada pelo consultor ambiental Décio Eloi Siebert, juntamente com o professor e ex-superintendente da Itaipu Binacional Jair Kotz.

Após assistir à apresentação, o prefeito Ari Lafin determinou aos secretários presentes à reunião que seja criado imediatamente um grupo de trabalho, para buscar os mecanismos para ampliação do projeto no município, visando o aumento da disponibilidade hídrica e a readequação das estradas rurais. O Sindicato Rural de Sorriso fará parte do grupo de trabalho.

Leia mais:  Ventilador pulmonar desenvolvido no RS é aprovado após teste em paciente com Covid-19

Segundo o prefeito Ari Lafin, “o objetivo deste projeto é transformar o município de Sorriso, que já é a capital mundial de produção de soja, também em capital de produção agrícola sustentável”.

O trabalho de instalação dos primeiros drenos verticais em Sorriso ocorreu em áreas de recarga de 15 nascentes da Bacia do Rio Lira, em Sorriso. O experimento foi aprovado e deverá ser implantado nas cabeceiras de todos os corpos hídricos e nas bacias de contenção das estradas rurais do município do médio norte.

Apresentação da tecnologia em Sorriso foi realizada por Décio Siebert e Jair Kotz.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana