conecte-se conosco

Cidades & Geral

Transporte intermunicipal no MT: Viação Juína e Expresso Satélite estão habilitadas para o mercado Tangará da Serra

Publicado

Nove empresas de transportes participaram da fase de habilitação técnica da última etapa da licitação definitiva para regularizar a concessão do Sistema de Transporte Coletivo Rodoviário Intermunicipal de Passageiros de Mato Grosso, realizada na última sexta-feira (11.09) pelo Governo do Estado.

São licitados oito Mercados Intermunicipais de Transporte de Passageiros (MIT) das regiões de Cuiabá, Rondonópolis, Barra do Garças, São Félix do Araguaia, Cáceres, Tangará da Serra, Alta Floresta e Sinop, que compõem o sistema rodoviário e abrangem os 30 municípios-polos e, por consequência, todo Mato Grosso. O prazo de concessão estimado é de 20 anos.

A licitação é conduzida pela Comissão Especial de Licitação da Sinfra que, durante a sessão pública, realizou a abertura dos envelopes das empresas Exclusivetour (Marianny transportes Rodoviários Eireli-ME), Pevidor Turismo Eireli-ME, Viação Araés Ltda – EPP, Rio Novo Transportes e Turismo Ltda, Expresso Satélite Norte Ltda, Viação Juína Ltda, Áries Transportes Ltda, AM Transportes e Turismo Ltda e Expresso Bom Sucesso Eirelli.

Elas foram anteriormente classificadas na fase de garantia da proposta, além das propostas de preço, na qual os concorrentes apresentam o coeficiente tarifário previsto por quilômetro.

Lotes e Mercados

As empresas disputam 13 lotes, que estão divididos nas categorias básica (lote I), na qual os ônibus fazem paradas em várias localidades, e na categoria diferenciada (lote II), com linhas que atendem apenas as cidades-pólos de cada região/mercado intermunicipal.

Já os mercados estão divididos em oito, nas regiões de Cuiabá (MIT 01), Rondonópolis (MIT 02), Barra do Garças (MIT 03), São Félix do Araguaia (MIT 04), Cáceres (MIT 05), Tangará da Serra (MIT 06), Alta Floresta (MIT 07) e Sinop (MIT 08).

Leia mais:  Porto de Cáceres: Reativação impulsionará economia regional

Sequência

Com a abertura dos envelopes com as documentações técnicas, a comissão terá um prazo para fazer as devidas análises das informações apresentadas. “Vamos analisar essa documentação de habilitação e vamos publicar o resultado. Aí abriremos prazo para as empresas recorrerem, se assim quiserem. Mais cinco dias de contrarrazões e, após isso, a comissão decide novamente se mantém a decisão ou se a reforma. Passada toda essa etapa, o processo será homologado e adjudicado. Finalizando, fazemos a assinatura dos contratos”, explicou o presidente da Comissão Especial de Licitação, Rogério Magalhães.

A previsão é de que apenas um lote licitado seja declarado fracassado, de acordo com o coordenador de Transporte Intermunicipal da Sinfra, Maurício Lobo. “Essa foi uma ação que esta gestão conseguiu realizar e isso tem sido histórico. Mais de 20 anos e já estamos no caminho final. Finalizando essa licitação dos oito mercados licitados e 13 lotes, vamos conseguir entregar 12 lotes, restando um fracassado. Porém, logo que terminar esta, já iniciará uma nova licitação e creio que ano que vem teremos 100% do mercado operando”, disse.

Segundo a Sinfra, a licitação manterá a redução nos valores das tarifas pagas pelos usuários, ocorrida em 2019 com as contratações emergenciais, que passarão a contar ainda com uma melhor estrutura rodoviária, além de assegurar investimentos no sistema de transporte e aumento no recolhimento de impostos ao Governo do Estado.

Já o Estado deverá recolher de outorga um montante de R$ 159 milhões, além dos R$ 568 milhões de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ao longo dos 20 anos de concessão. Em 2021, por exemplo, a previsão é de que o montante recolhido seja de R$ 28 milhões somente de ICMS.

Leia mais:  Financiamento Habitacional: Caixa deverá prorrogar prazo de carência para pagamento

Veja como está a disputa pelos Mercados Intermunicipais de Transporte:

Mercado 01 – Região Metropolitana de Cuiabá

Lote I – Categoria Básica – Consórcio Metropolitano de Transportes

Lote II – Categoria Diferenciada – Exclusivetour (Marianny Transportes Rodoviarios Eireli)

Mercado 02 – Rondonópolis

Lote I – Categoria Básica – Pevidor Turismo Eireli

Lote II – Categoria Diferenciada – Viação Novo Horizonte

Mercado 03 – Barra do Garças

Lote I – Categoria Básica – Viação Araés Ltda

Lote II – Categoria Diferenciada – Rio Novo Transporte e Turismo Ltda

Mercado 04 – São Félix do Araguaia

Lote I – Categoria Básica – Viação Araés Ltda

Lote II – Categoria Diferenciada – Expresso Satélite Norte

Mercado 05 – Cáceres

Lote I – Categoria Básica – Não Houve Empresa Classificada

Lote II – Categoria Diferenciada – Viação Juína Ltda

Mercado 06 – Tangará da Serra

Lote I – Categoria Básica – Viação Juína Ltda

Lote II – Categoria Diferenciada – Expresso Satélite Norte

Mercado 07 – Alta Floresta

Lote I – Categoria Básica – Aries Transportes Ltda

Lote II – Categoria Diferenciada – Viação Novo Horizonte

Mercado 08 – Sinop

Lote I – Categoria Básica – Aries Transportes Ltda / Expresso Bom Sucesso (sub judice)

Lote II – Categoria Diferenciada – AM Transportes e Turismo Ltda

publicidade

Cidades & Geral

Workshop Live apresenta estudos dos impactos de hidrelétricas na Bacia do Alto Paraguai; Com opinião

Publicado

Acontece hoje o “Workshop Live: Resultados dos Estudos sobre Impactos das Hidrelétricas previstas para a Bacia do Alto Paraguai”. O evento será totalmente on-line entre hoje (terça, 27) e a próxima quinta-feira (29), com transmissão de lives pelo Youtube a partir das 14hs, até às 17hs. (Imagem ao final da matéria)

As Universidades públicas de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul – UFMT, UNEMAT, UEMS e  UFMS – estão organizando conjuntamente o evento on-line, com o apoio da Embrapa Pantanal, UEM, UFRGS e UnB. O conteúdo estará disponível nos canais do Laboratório de Ictiologia – UFMS e Peld Pantanal Darp.

É livre a participação dos interessados no tema, assim como acadêmicos de graduação e pós-graduação, docentes, pesquisadores e profissionais que atuam ou tenham afinidade com a área ambiental. As inscrições podem ser feitas pelo link https://forms.gle/YaZBqz2Q1JWwZK599.

O objetivo do evento é apresentar os resultados do Projeto Estudos de Avaliação dos Efeitos da Implantação de Empreendimentos Hidrelétricos na Região Hidrográfica do Paraguai e para Suporte a Elaboração do Plano de Recursos Hídricos.

Esse estudo foi financiado pela Agência Nacional de Águas – ANA, executado pela Fundação Eliseu Alves – FEA e várias instituições parceiras.

Diversos cientistas renomados apresentarão temas relacionados a Hidrologia, Qualidade de Água, Hidrossedimentologia, Ictiofauna e pesca, Conectividade fluvial, Mecanismos de transposição e Socioeconomia, concluindo com a Análise Integrada e Zoneamento.

Leia mais:  Sem chuvas, semana será de muito calor e umidade crítica; Na zona rural, queimadas e alimentação de animais preocupam

Detalhes dos relatórios técnicos dos estudos realizados estão disponíveis no site da Agência Nacional de Águas.

OPINIÃO: Estudos evidenciam forças contrárias ao desenvolvimento

A opinião do site ENFOQUE BUSINESS é que fica evidente o posicionamento contrário destes estudos em relação ao desenvolvimento da região de Tangará da Serra, do estado de Mato Grosso e do Brasil.

Os empreendimentos hidrelétricos, apesar da sua importância estratégica para o país, sofrem fiscalizações acima de qualquer padrão de rigor e são alvos de ataques de ambientalistas e outros grupos distintos.

Na realidade, os empreendimentos de geração de energia da matriz hidráulica sofrem grande pressão para que sejam inviabilizados, assim como ocorre com a logística de transportes, onde as ferrovias e as hidrovias também são alvos de ataques e de todo tipo de interferência para que não sejam realizados.

Estas interferências e dificuldades impostas a estes empreendimentos fundamentais ao desenvolvimento do país podem ser fortes indicativos de que há forças contrárias ao melhor desenvolvimento do Brasil, à melhor competividade das produções agropecuárias, industriais e de comércio e serviços e, também, às melhores condições para atração de investimentos privados.

Leia mais:  Audiências debaterão concessões de 512 km de estradas, incluindo Jangada-Itanorte e MT-480

Ou seja, os agentes fiscalizadores, em todas as suas esferas, adoram posturas de adversidade aos empreendimentos, e não de orientação para que sejam executados da melhor forma. Coma complemento a estas posturas de adversidades, as ações de ativistas ligados a diversos grupos segmentados promovem verdadeiras cruzadas contra os empreendedores, promovendo manifestações, ameaças de sabotagens e impedindo (com badernas) a realização de audiências.

Os exemplos são as dificuldades de implantação de empreendimentos de geração de energia na região de Tangará da Serra (município de alto potencial de geração de energia), as dificuldades que já estão sendo impostas para a instalação da ferrovia ‘Ferrogrão’ (EF-170) e as dificuldades e interferências que certamente virão quando a hidrovia Paraguai-Paraná (HPP) estiver a ponto de entrar em operação.

É esperar para ver o direcionamento dos trabalhos do workshop que acontecerá a partir das 14hs. O cidadão de bem, aquele que quer ver o país alcançar seu melhor desenvolvimento, com emprego e renda para grandes massas de trabalhadores e famílias, deve assistir e participar e conhecer o real direcionamento dos estudos que serão apresentados.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana