conecte-se conosco


Economia & Mercado

Tangará da Serra: Variação orçamentária sugere PIB próximo de R$ 4,5 bi em 2020

Publicado

A variação do orçamento do município de Tangará da Serra nos últimos 10 anos poderá significar um Produto Interno Bruto global próximo a R$ 4,5 bilhões em 2020.

A projeção é do portal Enfoque Business e está embasada nos números dos orçamentos do município de 2010 até o valor indicado no projeto de LEI 107/2019, que estima a receita e a despesa do município para 2020, e pelas aferições do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Se confirmado, o número representará uma progressão do PIB de 49,3% desde a medição de 2016, publicada pelo IBGE ano passado.

Segundo a projeção, as variações do PIB e do orçamento municipal mostram semelhanças em suas proporções ao longo da década, à exceção do ano de 2016, quando o PIB oscilou de forma positiva mais acentuadamente que a variação orçamentária. (Veja tabela e gráficos elaborados pelo Enfoque Business)

Demonstrativo gráfico orçamento-PIB

Em 2010, a Lei Orçamentária Anual (LOA) previa uma receita na ordem de R$ 131 milhões, enquanto o PIB calculado pelo IBGE era de R$ 1,464 bilhão. A variação do PIB daquele ano para 2016 – ano da última mensuração pelo IBGE – seguiu uma média de 12,58%, ao passo que a variação do orçamento do município mostra, no mesmo período, um crescimento médio anual de 12,18%. Estendendo a variação orçamentária até 2019 (cujos números são consolidados) e aplicando a variável média anual de 11,78%, o PIB de Tangará chegaria a R$ 4,434 bilhões no ano que vem.

Leia mais:  Copom deve cortar Selic em 0,75 p.p. nesta quarta, mas comunicado pode ser influenciado por dados econômicos recentes

Como o PIB do município foi mensurado pelo IBGE até 2016, o Enfoque Business projetou o PIB entre 2017 a 2020 considerando a média de crescimento orçamentário verificada até o ano que vem. As linhas das variáveis do orçamento e do PIB são semelhantes, conforme mostrado na tabela e nos gráficos elaborados pelo portal.

Demonstrativo gráfico variações orçamento e PIB.

 

publicidade

Economia & Mercado

Segundo Fecomércio, décimo terceiro injetará R$ 2 bilhões na economia de Mato Grosso

Publicado

Um volume de recursos significativo – cerca de R$ 2 bilhões – circulará pela economia mato-grossense por conta do 13º salário. É o que prevê a Federação do Comércio, Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso (Fecomércio-MT).

A entidade tem uma projeção positiva para este ano e destaca que o avanço da vacinação proporcionou a retomada da economia, quadro que permite uma estimativa de que mais de R$ 2 bilhões serão injetados na economia de Mato Grosso com o pagamento do décimo terceiro.

Estudo

Um estudo prévio da Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá identificou que ao receber a primeira parcela do décimo terceiro as pessoas vão priorizar o pagamento das dívidas, outros vão preferir pagar conta e economizar o dinheiro extra.

Pagar dívidas – 32,2%; Fazer novas compras – 23,8%; Economizar 21,7%

“Quem tiver dívida, o ideal é renegociar e pagar esses valores. As pessoas pagando suas dívidas diminuirá a inadimplência e os juros do crédito também devem cair, uma vez que a inadimplência é um dos principais fatores que elevam a taxa de juros”, disse o economista Emanuel Dalbian.

Leia mais:  Conta de luz: Bandeira tarifária de escassez hídrica aumenta cobrança extra para R$ 14,20

O levantamento da CDL mostra ainda que a última parcela do décimo terceiro, que costuma sair perto do Natal, será usada pela maioria dos entrevistados para comprar presentes. Mas, é preciso ficar atento com as tentações.

Segundo o economista, a dica é fazer cálculos e ficar de olho nos juros cobrados pelo cartão de crédito.

(Com informações de G1)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana