conecte-se conosco

Defesa & Segurança Pública

Segurança no Campo: Com apoio de Aprosoja e Sindicato Rural, Polícia Militar lança operação

Publicado

Com o objetivo de combater ações de grupos de criminosos e oferecer suporte ao setor produtivo neste início da safra 2020/2021, a Polícia Militar, em parceria com a Aprosoja e o Sindicato Rural de Tangará da Serra, lançou a Operação Segurança no Campo na manhã desta terça-feira (13.10).

O lançamento aconteceu no Parque de Exposições e contou com as presenças do comando local da Polícia Militar (Tenente Coronel PM Cleverson Leite de Almeida, do Comando Regional 7, e Ten Cel PM Vanílson da Silva Moraes, do 19º Batalhão PM), de representantes da diretoria do Sindicato Rural de Tangará da Serra e do Núcleo Aprosoja em Tangará da Serra.

A Operação Segurança no Campo consiste no reforço da presença da Polícia Militar na zona rural, com operações estratégicas para o monitoramento das estradas do interior e das propriedades rurais, que já neste início de safra movimentam grande número de funcionários, volume expressivos de mercadorias, como defensivos, máquinas, equipamentos, veículos e cargas diversas. Esta movimentação chama atenção de criminosos.

“Precisamos nos fortalecer e nada melhor do que nós estarmos aqui para mostrar aos produtores rurais e a sociedade que somos os maiores interessados que isso dê certo. Temos um longo caminho a percorrer mas sabemos que se fizermos a nossa parte os problemas podem ser amenizados”, declarou a diretora do Sindicato Rural, Eloiza Zuconelli.

Troca de informações entre a PM e produtores e orientações integram as ações da operação.

As ações contarão com sistemas de monitoramento de imagens e comunicação direta entre os produtores e a Polícia Militar. “Nosso objetivo é dar segurança ao setor, reprimir ações criminosas e marcar forte presença no interior do município”, disse o Tenente Coronel PM Leite, titular do Comando Regional 7 da PM, que inclui outros sete municípios da região: Barra do Bugres, Brasnorte, Campo Novo do Parecis, Denise, Nova Olímpia, Porto Estrela e Sapezal, que também serão servidos com a operação. “Essa integração entre o Sindicato Rural, a Aprosoja e as forças de segurança é para que as nossas ações possam ser desenvolvidas com maior tranquilidade, sendo elas preventivas, e para que nos passem todas as informações e anormalidades, para que junto com a nossa agência regional de inteligência possamos melhorar o nosso planejamento e empregar o efetivo de forma condizente e de forma inteligente, ativando a nossa ostensividade e prevenção até o dia 31 de dezembro”, completou o comandante.

Ten. Cel PM Leite: Objetivo é marcar forte presença no campo e oferecer segurança ao setor.

Para a delegada coordenadora do Núcleo da Aprosoja em Tangará da Serra, Patrícia Pasa, as ações da Polícia Militar com a Operação Segurança no Campo são saudadas pela classe produtora, que ao longo dos anos tem sofrido com ação de criminosos armados.

Leia mais:  Segurança no Campo: Em três anos, PM registrou 24 ocorrências de ações criminosas em propriedades rurais

Nestes crimes, os bandidos submetem produtores e funcionários a atos de violência e prejuízos com o roubo produtos agrícolas, veículos, equipamentos e outros itens, incluindo armas utilizadas nas propriedades. “Vamos contribuir com a agilidade da informação para a Polícia Militar, criando uma planilha com os pontos de coordenadas das propriedades rurais. Essas informações ficarão sob sigilo e responsabilidade dos representantes do Núcleo da Aprosoja. Se acontecer alguma ocorrência, vamos repassar os dados para que a Polícia consiga ter agilidade na operação. A Polícia Militar sempre nos deu uma boa resposta e a presença dos policiais nos dá uma maior sensação de segurança”, disse.

Patrícia Pasa, da Aprosoja: “Vamos contribuir com a agilidade da informação para a Polícia Militar”.

A Operação Segurança no Campo já iniciou na prática e, a partir de hoje, contará com ações preventivas e estratégias, como barreiras móveis e outras medidas em pontos específicos, orientações aos produtores e seus funcionários nas propriedades, além de vigilância, monitoramento com drones e troca de informações.

(Contribuiu: Gabriela Gonçalves – Assessoria SRTS)

Leia mais:  Mato Grosso registra redução nos índices de roubo e furto de defensivos agrícolas e de cargas

publicidade

Defesa & Segurança Pública

Mato Grosso registra redução nos índices de roubo e furto de defensivos agrícolas e de cargas

Publicado

O período de janeiro a setembro de 2020, Mato Grosso registrou redução nos índices de roubo e furto de cargas e defensivos agrícolas em Mato Grosso. A incidência de roubo de defensivos reduziu 28%.

Foram registrados 31 roubos em 2020, enquanto no mesmo período do ano passado foram 43. Também houve uma redução de 23% nos furtos de defensivos agrícolas, sendo 34 casos este ano, dez a menos que no mesmo período de 2019, que registrou 44.

Entre os locais de registro das ocorrências de roubo e furto estão as propriedades rurais (62%), vias públicas (13%), postos de gasolina (3%), residência particular (3%), indústria (2%), restaurantes (2), vias férreas (2%) e outros (16%).

Nesses nove meses também houve redução de 21% nos índices de roubo de carga no estado. Foram registrados 70 roubos, 19 a menos que no mesmo período de 2019, em que foram registrados 89 casos. Os números de furtos de cargas reduziram 19% em 2020, com 55 registros, 13 a menos que no mesmo período do ano passado, com 68.

Entre os principais produtos alvos de roubos e furtos de cargas estão grãos (61%), adubos/agrotóxicos (12%), carne bovina (4%), produtos alimentícios (4%), combustíveis (2%), bebidas (2%), madeira (1%), produtos diversos (5%) e não informados (9%).

Os dados são da Superintendência do Observatório de Segurança Pública, vinculada à Adjunta de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT).

Operação Salutem

A Sesp-MT, por meio da Secretaria Adjunta de Integração Operacional (SAIOP), deflagra, de acordo com a necessidade de cada região, a Operação Integrada Salutem. A ação conta com a Polícia Militar (PM-MT), Polícia Judiciária Civil (PJC-MT), Corpo de Bombeiros Militar (CBM-MT), Sistema Penitenciário, Guarda Municipal, Polícia Rodoviária Federal (PRF), Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) e Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea).

Leia mais:  Segurança no Campo: Em três anos, PM registrou 24 ocorrências de ações criminosas em propriedades rurais

O foco da operação é a redução dos indicadores criminais nas Regiões Integradas de Segurança Pública (RISP’S), buscando prevenção e repressão imediata aos crimes de roubos e furtos de veículos, cargas e defensivos agrícolas, adulterações de sinais de identificação veicular, tráfico de entorpecentes, transporte irregular de cargas, porte ilegal de arma de fogo, descumprimento de medidas sanitárias, Lei Seca, vistoria em estabelecimentos comerciais e barreira policial em áreas rurais.

Para o secretário adjunto de Integração Operacional, Victor Paulo Fortes, fica claro que todas as ações da Segurança Pública contribuem para a redução.

“As ações sistemáticas que já vêm ocorrendo no Estado, agregadas ao monitoramento da Inteligência e operações integradas nas regionais com maior incidência, contribuem para a queda desses índices. Na nossa análise, as operações de desmantelamento da maior quadrilha de roubo e furto de defensivo agrícola do estado, no final de 2019 e início de 2020, também foram fundamentais”, ressalta.

Patrulhamento Rural

A Operação Patrulhamento Rural, da Polícia Militar, com apoio da SAIOP, quando integrada com outras forças locais, e que tem sido intensificada em todas as RISP’s. O patrulhamento possui bons resultados nas regiões mais impactadas pelos crimes de roubo e furto de defensivos e carga no estado.

Leia mais:  Mato Grosso registra redução nos índices de roubo e furto de defensivos agrícolas e de cargas

O subchefe do Estado Maior e diretor operacional da PM-MT, coronel PM Wankley Rodrigues destaca que a Patrulha Rural é uma prioridade do Comando Geral, juntamente com os Comandos Regionais.

“Mato Grosso é rico no agronegócio, principalmente nas grandes plantações. Nós temos também uma grande pecuária em todo o estado de Mato Grosso, então esse trabalho é voltando para atender todas essas comunidades. Os policiais já estão treinados para essa atividade. Agora estamos em início de plantio, existe uma recomendação para que as áreas mais afetadas por essas ocorrências sejam priorizadas”.

Fim da Linha

A Polícia Judiciária Civil, por meio da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), deflagrou, em dezembro de 2019, a operação “Fim da Linha”, dando cumprimento a 16 ordens judiciais contra a principal organização criminosa especializada em roubos de defensivos agrícolas. Os mandados foram cumpridos em seis municípios de Mato Grosso, contemplando as RISP’s mais impactadas nos crimes que ameaçam as propriedades rurais.

Na avaliação do delegado Frederico Murta, responsável pelo caso, a prisão da organização criminosa, a identificação e a prisão dos receptadores fizeram com que todo o ciclo de reinserção das mercadorias roubadas fosse quebrado. “Além dos roubos e furtos, a receptação e comercialização dessas mercadorias é o que aquece esse mercado. O grupo identificado vinha atuando há um bom tempo, com estrutura de pessoal, logística e armamento pesado. Foram realizadas grandes apreensões de mercadorias roubadas e armas de fogo”.

(Ascom/PJC)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana