conecte-se conosco


Setor Público & Agentes

Saneamento Básico: Apresentação final do PMSB está agendada para dia 30

Publicado

A apresentação final dos estudos do Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) de Tangará da Serra deverá ocorrer no próximo dia 30, em formato similar à Conferência Pública da última sexta-feira (13), no Centro Cultural, quando foram apresentados o prognóstico e diagnóstico dos estudos. No entanto, apesar da data já agendada, a apresentação poderá ser suspensa por precaução, considerando a crise do coronavírus.

O evento público de sexta contou com as presenças do prefeito de Tangará da Serra, Fábio Martins Junqueira; do diretor do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE), Wesley Lopes Torres; e do coordenador dos estudos, professor Aldecy de Almeida Santos, da Universidade Federal de Mato Grosso, além de representantes da Unemat e Câmara Municipal.

Na conferência de sexta-feira, os estudos foram apresentados pelo professor Aldecy. Segundo ele, a infraestrutura de abastecimento do município é de “ótima qualidade”, mas em razão do crescimento populacional e da estrutura urbana a ampliação do sistema de captação de água é a principal demanda, com a solução principal sendo a captação e adução de água do rio Sepotuba para abastecimento público.

Na Conferência Pública da última sexta-feira (13), no Centro Cultural, foram apresentados o prognóstico e diagnóstico dos estudos.

Os procedimentos para viabilização do novo sistema de captação já foram iniciados pelo município e a licitação das obras deverá ocorrer após aprovação de projeto de suplementação orçamentária pela Câmara Municipal.

Outra prioridade é a macromedição da saída de água dos reservatórios do município para fins de controle e combate às perdas, que chegam a 30% do total de água tratada, índice considerado alto e que corresponde a uma das principais deficiências do sistema de abastecimento.

Esgoto

Quanto ao tratamento de esgoto, o prognóstico do PMSB indica a necessidade de retomada de obras de ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) e da rede coletora. Atualmente, o município conta com um índice de 32% de cobertura da área urbana.

Segundo Wesley Lopes Torres, o município já assinou contrato com a CEF para investimento na ordem de R$ 25 milhões para ampliação na rede coletora e estações elevatórias, o que deverá proporcionar um salto do índice de cobertura para 92% da área urbana.

Drenagem

A manutenção preventiva e corretiva do sistema de microdrenagem urbana e a adequação de estradas vicinais e vias urbanas também estão entre as prioridades de curto prazo definidas no PMSB.

Segundo o professor Aldecy de Almeida Santos, as áreas urbana e rural de Tangará da Serra possuem cerca de 20 microbacias que favorecem a recepção das águas pluviais escoadas. No caso da área urbana, há boa estrutura de drenagem, mas com limitações importantes. “O sistema dispõe de galerias, mas elas contém muitos resíduos, o que indica necessidade de manutenção”, disse.

Resíduos

A gestão dos resíduos sólidos é um dos quatro eixos do PMSB, ao lado do abastecimento de água, tratamento de esgoto e drenagem de águas pluviais. O município conta com sistema eficiente de coleta de lixo domiciliar, além da coleta seletiva. O aterro sanitário local é considerado modelo no estado.

Professor Aldecy de Almeida Santos, da UFMT, apresentou os estudos.

Das 79 toneladas produzidas diariamente pelos tangaraenses, nada menos que 41 toneladas são de lixo orgânico, o que significa mais da metade – 51,9% – do volume gerado. “Destas 41 toneladas, 90% pode ser destinado a compostagem”, disse o professor e pesquisador da UFMT Aldecy de Almeida Santos, coordenador dos estudos. Ou seja, praticamente 37 toneladas – 46,8% do volume total – poderiam virar adubo de excelente qualidade.

Para Aldecy, a proporção de lixo orgânico em relação ao total de resíduos que todos os dias são produzidos em Tangará da Serra tem vários significados. “Pode gerar emprego e renda, mas as vantagens vão além”, disse, em conversa com o Enfoque Business, enumerando alguns tópicos.

publicidade

Setor Público & Agentes

Marcia Kiss assume pasta de Assistência Social em Tangará; Ana Lúcia alega surpresa

Publicado

O prefeito de Tangará da Serra, Vander Masson, apresentou e empossou na manhã desta segunda-feira, dia 08, a nova secretária municipal de Assistência Social.

A professora Marcia Regina Kiss Siqueira de Castro Cardoso foi empossada em ato ocorrido no Gabinete de Políticas Públicas para Mulheres (GPM), da Prefeitura Municipal.

Ela assume no lugar de Ana Lúcia Adorno de Souza, que ocupou o cargo entre janeiro e outubro de 2021. “Quero agradecer a Ana Lúcia pelo trabalho, empenho e esforço que dedicou à Secretaria ao longo desses 10 meses, deu o seu melhor e somos muito gratos a ela por isso”, disse o Prefeito Vander.

Márcia Kiss assumiu a pasta na manhã desta segunda-feira.

Marcia Kiss, como é mais conhecida no meio social, é casada com Arnaldo, mãe de 2 filhos: Matheus e Ana Clara. Nasceu em São Paulo/SP no dia 25/10/1972 e foi criada no Paraná.

Formada em Ciências Exatas e Pedagogia. É residente em Tangará da Serra desde março de 1995. Durante esses 26 anos em Tangará da Serra, trabalhou em várias escolas, dentre elas o Centro Municipal de Ensino Silvio Paternez, a Escola Acalanto, a Escola Objetiva, o Colégio Ideal, o Centro Infantil Caracol Kids e a Avance Colégio e Cursos, nas quais atuou como professora, no setor financeiro, como coordenadora pedagógica e como diretora.

Já foi Conselheira Tutelar e Coordenadora do CRAS (Centro de Referência em Assistência Social), na Vila Esmeralda.

Em 2016 e em 2020, Marcia Kiss foi candidata a vereadora em Tangará da Serra.

Ao ser empossada, Marcia assegurou que irá conduzir a Secretaria com dedicação. “Agradeço a oportunidade dada a mim pelo prefeito Vander Masson. Buscarei conduzir a Secretaria com sabedoria, com união e empenho de todos os servidores para conduzir a pasta”, disse, destacando que as ações serão com planejamento e atuando ao lado das demais secretarias.

Surpresa

Ana Lúcia Adorno atuou pela pasta desde janeiro, no início da atual gestão.

Comunicada de sua exoneração na última sexta-feira (05), Ana Lúcia Adorno de Souza, disse estar surpresa com a decisão do Executivo. Em entrevista veiculada pela rádio Serra FM nesta manhã de segunda-feira, Ana Lúcia relatou que, ao ser informada que deixaria a pasta de Assistência Social, ouviu o gabinete do Executivo que sua atuação não estava afinada com a gestão e que seu desempenho não foi o esperado pelo prefeito Vander Masson.

Ela disse, porém, que fez o possível para atender as expectativas da administração municipal e que, apesar das limitações estruturais e orçamentárias que enfrentou, buscou desempenhar suas funções da melhor maneira possível. Ana Lúcia agradeceu a oportunidade de compor a gestão municipal e disse torcer pelo êxito dos projetos em andamento na pasta.

(Redação EB, com Assessoria)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana