conecte-se conosco

Setor Público & Agentes

Saneamento Básico: Apresentação final do PMSB está agendada para dia 30

Publicado

A apresentação final dos estudos do Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) de Tangará da Serra deverá ocorrer no próximo dia 30, em formato similar à Conferência Pública da última sexta-feira (13), no Centro Cultural, quando foram apresentados o prognóstico e diagnóstico dos estudos. No entanto, apesar da data já agendada, a apresentação poderá ser suspensa por precaução, considerando a crise do coronavírus.

O evento público de sexta contou com as presenças do prefeito de Tangará da Serra, Fábio Martins Junqueira; do diretor do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE), Wesley Lopes Torres; e do coordenador dos estudos, professor Aldecy de Almeida Santos, da Universidade Federal de Mato Grosso, além de representantes da Unemat e Câmara Municipal.

Na conferência de sexta-feira, os estudos foram apresentados pelo professor Aldecy. Segundo ele, a infraestrutura de abastecimento do município é de “ótima qualidade”, mas em razão do crescimento populacional e da estrutura urbana a ampliação do sistema de captação de água é a principal demanda, com a solução principal sendo a captação e adução de água do rio Sepotuba para abastecimento público.

Na Conferência Pública da última sexta-feira (13), no Centro Cultural, foram apresentados o prognóstico e diagnóstico dos estudos.

Os procedimentos para viabilização do novo sistema de captação já foram iniciados pelo município e a licitação das obras deverá ocorrer após aprovação de projeto de suplementação orçamentária pela Câmara Municipal.

Leia mais:  Tangará da Serra: Município anuncia certames licitatórios para diversas áreas

Outra prioridade é a macromedição da saída de água dos reservatórios do município para fins de controle e combate às perdas, que chegam a 30% do total de água tratada, índice considerado alto e que corresponde a uma das principais deficiências do sistema de abastecimento.

Esgoto

Quanto ao tratamento de esgoto, o prognóstico do PMSB indica a necessidade de retomada de obras de ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) e da rede coletora. Atualmente, o município conta com um índice de 32% de cobertura da área urbana.

Segundo Wesley Lopes Torres, o município já assinou contrato com a CEF para investimento na ordem de R$ 25 milhões para ampliação na rede coletora e estações elevatórias, o que deverá proporcionar um salto do índice de cobertura para 92% da área urbana.

Drenagem

A manutenção preventiva e corretiva do sistema de microdrenagem urbana e a adequação de estradas vicinais e vias urbanas também estão entre as prioridades de curto prazo definidas no PMSB.

Segundo o professor Aldecy de Almeida Santos, as áreas urbana e rural de Tangará da Serra possuem cerca de 20 microbacias que favorecem a recepção das águas pluviais escoadas. No caso da área urbana, há boa estrutura de drenagem, mas com limitações importantes. “O sistema dispõe de galerias, mas elas contém muitos resíduos, o que indica necessidade de manutenção”, disse.

Leia mais:  Água: Município deverá bancar captação no Sepotuba com financiamento

Resíduos

A gestão dos resíduos sólidos é um dos quatro eixos do PMSB, ao lado do abastecimento de água, tratamento de esgoto e drenagem de águas pluviais. O município conta com sistema eficiente de coleta de lixo domiciliar, além da coleta seletiva. O aterro sanitário local é considerado modelo no estado.

Professor Aldecy de Almeida Santos, da UFMT, apresentou os estudos.

Das 79 toneladas produzidas diariamente pelos tangaraenses, nada menos que 41 toneladas são de lixo orgânico, o que significa mais da metade – 51,9% – do volume gerado. “Destas 41 toneladas, 90% pode ser destinado a compostagem”, disse o professor e pesquisador da UFMT Aldecy de Almeida Santos, coordenador dos estudos. Ou seja, praticamente 37 toneladas – 46,8% do volume total – poderiam virar adubo de excelente qualidade.

Para Aldecy, a proporção de lixo orgânico em relação ao total de resíduos que todos os dias são produzidos em Tangará da Serra tem vários significados. “Pode gerar emprego e renda, mas as vantagens vão além”, disse, em conversa com o Enfoque Business, enumerando alguns tópicos.

publicidade

Cidades & Geral

Município setorizará sistema de abastecimento para controle de perdas de água tratada

Publicado

O Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto – Samae – anunciou esta semana a contratação de empresa especializada para realização de estudos e elaboração de projetos para setorização do sistema de abastecimento e distribuição de água em Tangará da Serra.

O contrato 022/2020, assinado entre o Samae e a empresa Asolo Engenharia e Consultoria, foi firmado no último dia 06. A empresa foi a vencedora da Tomada de Preços 003/2020, de 30 de setembro.

Diretores do Samae, Marcel Berteges, e da Asolo, André Pavarin, assinaram o contrato no último dia 06.

O objetivo é dar início à implantação dos sistemas de macromedição e micromedição em reservatórios e na rede de distribuição para controle e combate às perdas de água tratada, que há décadas causam prejuízos no sistema de abastecimento da cidade e de localidades do interior. “Tangará da Serra é o segundo município do estado a realizar este projeto de controle de perdas”, informa o diretor do Samae, Marcel Berteges. O primeiro município foi Lucas do Rio Verde.

Macromedição e micromedição

Com custo de R$ 45 mil, o trabalho consistirá na caracterização e diagnóstico do sistema existente no município para melhorias e adequações das unidades operacionais de reservação e distribuição de água.

Leia mais:  Fisco estadual realiza operação de combate a fraudes em comércios varejistas

A macromedição e micromedição visam informar o volume de água tratada disponível para distribuição possibilitando à autarquia a obtenção de informações precisas. A partir daí, é possível mensurar as perdas e adotar medidas de contenção e proceder nos reparos necessários.

Além da setorização, o sistema inclui o georreferenciamento da rede de distribuição e das unidades de reservação. Estas medidas, porém, são consideradas prioridades de curto prazo (de 04 a 08 anos) para execução pelo SAMAE.

Prioridade

A macromedição das saídas dos reservatórios e o controle de perdas de água tratada estão entre as prioridades imediatas (até 03 anos) que constam no Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) de Tangará da Serra.

Concluído e entregue no último mês de maio, O PMSB representa o planejamento do município na área de saneamento básico para os próximos 20 anos. Foi contratado pelo Samae e desenvolvido por uma equipe de especialistas da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e Fundação Uniselva.

Perdas

As perdas de água potável em Tangará da Serra são um problema antigo, desde que a rede começou a ser implantada na cidade, ao final da década de 70. Estas perdas chegam a 30% e se dão por vários motivos, como vazamentos, erros de leitura de hidrômetros, ligações clandestinas e fraudes.

Leia mais:  Iluminação Pública: Extensão na Lions Internacional beneficiará empresas e trabalhadores

Perda de água potável é um problema recorrente (e antigo) em todo o país. Segundo estudos realizados por especialistas, o Brasil contabiliza cerca de R$ 10 bilhões/ano em prejuízos com perdas de água. Em média, o país registra perdas de 38,5% da água potável produzida pelos sistemas de tratamento nos 5.570 municípios brasileiros.

Em municípios como Cuiabá e Várzea Grande, por exemplo, as perdas chegam a 70% da água tratada. Em Rondonópolis, terceiro município do estado, as perdas chegam a 45%.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana