conecte-se conosco


Agronegócio & Produção

Novos princípios de adubação em culturas com microrganismos ‘on farm’ serão diferenciais, diz pesquisador

Publicado

A agricultura está mudando. Os sistemas orgânicos ou convencionais que utilizam microrganismos produzidos na fazenda – os chamados ‘on farm’ – estão revolucionando a forma de pensar de produtores e técnicos. E também rendendo ‘frutos’ em contas bancárias.

Quando uma adubação é estudada, planejada e bem feita, os resultados podem ser fabulosos e render colheitas extras e de qualidade.

Formado pela Universidade Federal de Santa Maria-RS, o engenheiro agrônomo Carlos Alberto Scapini (CREA-MT 5996/D) é um pesquisador que atua também como consultor junto a produtores, sendo um reconhecido especialista e pioneiro nos novos princípios de recomendação de adubação em plantas que utilizam microrganismos produzidos na fazenda.

Ele concedeu entrevista exclusiva ao Enfoque Business sobre o tema.

Carlos Alberto Scapini: “Devemos dar à Biota um ambiente adequado para sobreviver e, assim, nos auxiliar na produção”.

EB: De que forma o senhor vê a necessidade de se promover mudanças na recomendação de adubação?

Scapini: Os Multiplicados são utilizados de uma forma que atende as doses necessárias, no “time” certo da cultura e da praga. Os custos e a eficiência são muito importantes no uso de agrotóxicos para o controle de pragas e doenças. Entretanto, para o controle biológico, a eficácia depende de uma estratégia mais elaborada, que deve seguir os 5 princípios básicos do manejo: 1) Concordar que temos uma diversidade de problemas no ambiente produtivo. 2) Concordar que não há produtos milagrosos e sim que devemos lançar mão de uma diversidade de soluções dentro do sistema. 3) Antecipação do uso dos biológicos. 4) continuidade no uso. 5) Custo baixo.

EB: Como o senhor chegou a esta conclusão?

Leia mais:  Momento Agrícola: Impasse entre Brasil e EUA, biocombustíveis, agricultura digital são destaques da semana

Scapini: O uso destas bactérias produzidas na fazenda, usadas adequadamente no solo ou na planta, estão alterando a fertilidade química, física e biológica dos solos, promovendo uma melhor permeabilidade, solubilizando nutrientes, controlando pragas e doenças e fortalecendo as plantas. O método de “tabelinha”, nas recomendações de adubação, precisa ser melhor avaliados, pois quando o produtor melhora a sua Biota, promove alterações significativas na dinâmica dos nutrientes do solo. Como exemplo, podemos citar  o estímulo na produção de raízes pelo uso de Promotores de crescimento. Isso faz aumentar o volume de solo explorado, consequentemente melhora a disponibilidade de certos nutriente, principalmente fósforo, Cálcio, Magnésio,  e alguns microelementos.

      e-mail: [email protected]

   

É sabido que certos microrganismos produzem Sideróforos (*) que disponibilizam o Fósforo que está ligado ao Ferro. Trata-se de uma gama enorme de bactérias do bem, fixam nitrogênio, aumentam a quantidade de carbono nas plantas, aumentam as reservas de açúcares e promovem uma melhoria geral no sistema solo/planta. Em plantas perenes, como a goiabeira e a macieira, mas principalmente na videira, são responsáveis pela diminuição do período de descanso e pela manutenção da produtividade e da qualidade da fruta.

(*) Sideróforo é um composto orgânico que atua na captação de ferro pelos organismos como bactérias. De maneira geral, os sideróforos são moléculas orgânicas de, relativamente, baixo peso molecular e que formam ligações estáveis com o ferro do solo, solubilizando-o e transportando-o.

EB: Qual a diferença entre os sistemas de cultivo?

Scapini: O sistema tradicional trabalha em solos mais desequilibrados. O produtor muito pouco se preocupa com a fertilidade biológica. Neste caso, utiliza-se de minerais para resolver desequilíbrios fisiológicos oriundos das interações genético/edafo/climáticas. No sistema com o uso de microrganismos, as plantas sofrem menor stress e, consequentemente, sofrem menores distúrbios fisiológicos. A atuação do complexo de microrganismos sobre os patógenos e sobre as plantas promove maior resistência aos fatores externos.

EB: Por que a adubação deve seguir novos princípios?

Leia mais:  Momento Agrícola: Dicamba, crédito rural, comércio exterior e curso com sorteio de bolsa são os destaques

Scapini: Muito simples, Com o uso de fixadores de nitrogênio, solubilizadores de fósforo, um maior volume de solo explorado, melhoria da fertilidade biológica e, consequentemente, maior eficiência na absorção de nutrientes, é notório que as adubações atuais, que possuem baixa eficiência, devem ser revistas.

EB: O que acontece dentro do solo que faz ocorrer estas mudanças?  

Scapini: O solo, além de químico e físico, também é biológico. Em se tratando de “Biota” (vida do solo) os seres vivos estão constantemente se comunicando, para atrair, inibir, fugir, com a simples finalidade de sobrevivência. É isso que devemos dar a eles, um ambiente adequado para sobreviver e, assim, nos auxiliar na produção. A introdução de bactérias e fungos no solo não acrescenta elementos minerais mas aumenta sua disponibilidade. As células e esporos, aplicados, ampliam sua capacidade de competir com os patógenos. Seus metabólitos, produzidos nos biorreatores “on farm”, são responsáveis por uma boa parte dos estímulos vegetais e redução de danos por pragas e doenças. Portanto, o uso de biológicos no sistema produtivo, é primordial para mitigar os danos causados por uma agricultura que insiste em desequilibrar este sistema tão delicado.

Assista, na sequência, aos vídeos explicativos de Carlos Alberto Scapini.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicidade

Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: Negócios, ILP, ferrovias, Selic e entrevistas são os destaques da edição

Publicado

A compra de 30% da Sinagro pela Bunge, a ampliação da área de integração lavoura-pecuária em Mato Grosso, os pedidos de trechos para ferrovias no Brasil e entrevistas compõem a pauta do Momento Agrícola deste sábado (22).

De autoria do produtor rural, agrônomo e consultor Ricardo Arioli, o programa é veiculado aos sábados pela rede de rádios do Agro e repercutido em forma de notícias e com o link do Soundcloud pelo Enfoque Business, também aos finais de semana.

Negócio

Ricardo Arioli abre a edição deste sábado comentando um negócio entre grandes gigantes.

Bunge, UPL e demais acionistas da Sinagro anunciaram nessa semana acordo pelo qual a Bunge adquirirá participação de 33% na empresa. A Sinagro é uma grande revendedora de grãos e produtos agrícolas, com relevante atuação na região do Cerrado. O negócio está sujeito à aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

A Sinagro foi uma das primeiras empresas a aderir à Parceria Sustentável da Bunge, iniciativa pioneira lançada em 2021, pela qual a Bunge auxilia os revendedores de grãos a implantarem sistemas de avaliação socioambiental de fornecedores, incluindo monitoramento por satélite, em escala de fazenda. Os participantes do programa podem adotar serviços de imagens geoespaciais independentes ou utilizar a estrutura da Bunge sem custos.

Leia mais:  Momento Agrícola: Impasse entre Brasil e EUA, biocombustíveis, agricultura digital são destaques da semana

ILP

Em Mato Grosso, áreas com ILP cresceram mais que o dobro em seis anos.

O Momento Agrícola também traz em sua pauta uma tendência nas áreas produtivas do estado. Levantamento feito pela Embrapa mostra que as áreas com integração lavoura-pecuária (ILP) em Mato Grosso foram ampliadas de 1,1 milhão de hectares em 2013 para 2,6 milhões de hectares em 2019.

Os dados foram obtidos pela Embrapa a partir de imagens de satélite analisadas por programas de inteligência artificial. Segundo os pesquisadores, a área é equivalente a 5% do total destinado à produção agropecuária no território mato-grossense e concentra-se nas regiões próximas às unidades de referência tecnológica (URT) da Empresa.

Trilhos

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, publicou em sua conta no Twitter que o novo marco ferroviário já originou 76 pedidos de trechos ferroviários no país. O governo já autorizou 21 ferrovias, nove das quais já em fase de assinatura de contrato. Outras 12 apenas aguardam trâmites burocráticos, sendo uma delas no trecho de 508 quilômetros entre Água Boa e Lucas do Rio Verde, onde a Rumo Logística investe R$ 1,9 bilhão de reais.

Leia mais:  Nuvem de gafanhotos: governo federal declara emergência fitossanitária pelo prazo de um ano

Para o citado trecho, a Rumo trabalha na aquisição de 45 locomotivas e 2.142 vagões para transportar grãos, farelo, açúcar e fertilizantes. O planejamento da Rumo inclui outro trecho ferroviário, entre Rondonópolis e Lucas do Rio Verde.

Outras

Outras abordagens do Momento Agrícola deste sábado incluem o aumento da Selic previsto já na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (COPOM). A tendência é de um aumento de 1,25%, elevando a taxa básica de juros dos atuais 9,25% para 10,5%.

Nos outros três blocos do programa, Ricardo Arioli traz mais notícias comentadas e

Entrevistas sobre “Nova Prorrogação do CAR e PRA”, com Albenir Querubini, e “A Conectividade 5G no Agro”, com Normando Corral.

Para ouvir o Momento Agrícola na íntegra, clique abaixo:

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana