conecte-se conosco


Agronegócio & Produção

Momento Agrícola aborda MP do Agro, etanol na China, gás e ureia da Bolívia e outras notícias

Publicado

O Momento Agrícola deste final de semana, o engenheiro agrônomo, consultor e comunicador Ricardo Arioli Silva traz um programa recheado de notícias sobre o Agro.

A Medida Provisória (MP) 897, que cria o Fundo de Aval Fraterno (FAF), foi publicada na quarta-feira (2) no Diário Oficial da União. A medida, que precisa ser aprovada pelo Congresso, foi assinada pelo presidente Jair Bolsonaro em solenidade no Palácio do Planalto na última terça-feira (1°) com a participação da ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

(*) Ao final do texto, link para ouvir na íntegra o Momento Agrícola deste final de semana.

Ricardo Arioli produz e apresenta o Momento Agrícola

A MP 897 visa aprimorar o crédito rural, ampliando o acesso ao financiamento, expandindo os recursos e reduzindo taxas de juros. A medida abre um leque de opções ao produtor rural, com possibilidade de busca de créditos na iniciativa privada a juros mais competitivos, em contraposição aos créditos oficias, hoje mais escassos e caros.

Além do FAF, a MP também trata do patrimônio de afetação de propriedades rurais, da Cédula Imobiliária Rural (CIR), de títulos de crédito do agronegócio e de subvenção econômica para empresas cerealistas em operações de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da equalização de taxas de juros para instituições financeiras privadas.

MP foi assinada pelo presidente Jair Bolsonaro em solenidade no Palácio do Planalto na última terça-feira (1°) com a participação da ministra Tereza Cristina (MAPA).

Etanol na China

Leia mais:  Para ouvir: Ricardo Arioli estreia no Enfoque Business com “Momento Agrícola”

O governo chinês anunciou que a partir do ano que vem a gasolina usada naquele país terá a mistura de 10% de etanol, como medida de redução da poluição. O anúncio representa uma ótima oportunidade de novos negócios para o setor sucroalcooleiro do Brasil.

Os primeiros contratos de exportação de etanol para a China foram assinados semana passada pelo governo de São Paulo, que enviará o produto a refinarias chinesas.

Anúncio do governo chinês representa uma ótima oportunidade de novos negócios para o setor sucroalcooleiro do Brasil.

Segundo Ricardo Arioli, o Brasil terá de ampliar muito a sua produção de etanol para fazer frente à demanda chinesa. “Nossa produção de etanol é de 33 bilhões de litros, o que atende apenas a demanda interna. Então, para exportarmos muito etanol precisaremos de mais investimentos em produção. Será que as usinas de etanol de milho poderão ser uma resposta?”, considera o apresentador, no primeiro bloco do Momento Agrícola.

Negócios com a Bolívia

Outra abordagem de Ricardo Arioli está relacionada aos negócios de Mato Grosso com a Bolívia, como o contrato de fornecimento de gás natural assinado entre o governador Mauro Mendes e o governo boliviano. Uma das nuances entre o contrato atual e os anteriores é a inclusão de bolivianos como sócios da MT Gás, o que poderá garantir uma constância no fornecimento do produto pelo país vizinho. Os contratos anteriores não previam esta cláusula, o que motivava o governo boliviano a ‘fechar a torneira’ do gás natural sob qualquer pretexto.

Porto de Cáceres será importante entreposto para negócios com países vizinhos.

O governo de Mato Grosso também definiu detalhes sobre a aquisição de ureia agrícola da Bolívia, cujas primeiras cargas já chegam via rodoviária, passando pelo posto alfandegário instalado em Cáceres. Por sinal, em breve o porto de Cáceres será entreposto fundamental neste sistema. Produzida com gás natural, a ureia agrícola boliviana tem custo consideravelmente inferior em comparação ao produto que vem do mercado nacional.

Leia mais:  Momento Agrícola: Alta da Selic, cenário econômico, ferrovia e entrevistas são os destaques

Outras

A Associação de Produtores de Feijão, Trigo e Irrigantes de Mato Grosso (APROFIR) promove reunião na próxima terça-feira (08), em Cuiabá. O objetivo é discutir estratégias para o fortalecimento da cadeia de feijão, trigo e irrigantes no estado. A reunião contará com presenças do Ministério Público, Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), produtores e entidades afins.

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR-MT) organiza neste mês de outubro uma agenda com oito dias de campo. Um dos segmentos beneficiados com a agenda será o setor leiteiro. Arioli lembra que, hoje, Mato Grosso possui a nona maior produção leiteira do país (2,2% do total), com produção embasada nas pequenas propriedades familiares.

Finalizando o programa, Arioli veicula entrevistas e considerações sobre a Reunião Conjunta das Comissões de Pecuária e Grãos da CNA, em Cuiabá, realizada semana passada.

(*) Ouça a íntegra do Momento Agrícola deste final de semana clicando abaixo.

publicidade

Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: Percentual do biodiesel, inovação com ‘lignina’ e entrevistas são destaques

Publicado

A manutenção do percentual de 10% de biodiesel sobre o diesel, uma inovação que vem da bioeconomia florestal e entrevistas são os destaques da edição do Momento Agrícola neste primeiro sábado do último mês do ano de 2021.

De autoria do produtor rural, agrônomo e consultor Ricardo Arioli, o programa é veiculado aos sábados pela Rede de Rádios do Agro e repercutido em forma de notícias e com o link do Soundcloud pelo Enfoque Business, também aos finais de semana.

% Biodiesel

Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) decidiu ontem (29/11) pela manutenção do teor de 10% de biodiesel no diesel para todo o ano de 2022. A medida, segundo o Ministério de Minas e Energia (MME), tem como objetivo conciliar medidas para a contenção do preço do diesel com a manutenção da Política Nacional de Biocombustíveis.

Houve, porém, um impasse quando da tomada da decisão, que deveria ter saído semana passada. Enquanto a equipe econômica defendia a manutenção da mistura em 10% para evitar o encarecimento do combustível, técnicos do Ministério de Minas e Energia opinavam pela adoção do novo percentual, de 13%.

No entanto, a soja – matéria prima que responde por 70% da composição do biodiesel – está em alta no cenário internacional em razão do aumento da demanda global, além, é claro, da desvalorização do real frente ao dólar. Ou seja, em tese, quanto o maior o percentual de biodiesel adicionado, mais caro será o litro de diesel para o consumidor final.

Leia mais:  Momento Agrícola: Drama da pecuária argentina, padrão chinês para soja e entrevistas são destaques

Outra visão

O agronegócio, porém, tem uma interpretação diferente e as lideranças dos produtores pretendem conversar com o presidente Jair Bolsonaro para ampliar o percentual de mistura de biodiesel no diesel.

Setor produtivo entende que produção de biodiesel no Brasil a partir da soja reflete positivamente na economia.

Ricardo Arioli destaca que, ao contrário do que é apregoado pelo CNPE, os preços do diesel não caíram nas bombas por força da valorização do barril de petróleo no mercado internacional. Ele destaca que a produção de biodiesel no Brasil resulta em ganhos indiretos para toda a economia nacional, já que agrega valor a uma matéria prima que é exportada, gera empregos e renda, faz crescer a arrecadação dos estados via ICMS, aumenta a oferta de farelo de soja (utilizado na ração animal), além de apresentar ganhos ambientais em razão da menor emissão de gases de efeito estufa.

Arioli discorre sobre o assunto com muita propriedade, logo no primeiro bloco do Momento Agrícola.

Inovação e revolução

A lignina representa entre 20% e 30% da árvore e é um subproduto da produção da fibra de celulose.

Ainda em seu primeiro bloco, o Momento Agrícola destaca uma inovação que revolucionará um importante segmento industrial. A finlandesa Stora Enso, uma grande empresa que tem se concentrado em desenvolver a promissora bioeconomia florestal, recebeu o prêmio Metsä360 e 30.000 euros financiados pela Fundação Marjatta e Eino Kolli por seu desenvolvimento inovador de ‘Lignode ‘, um material de origem biológica que está revolucionando a fabricação de baterias.

Leia mais:  Momento Agrícola: Relações sino-brasileiras, balança comercial, combustíveis e entrevistas são destaques

O grafite sintético, um material fóssil não renovável comumente empregado na produção de baterias, pode ser substituído por lignina, de acordo com a Stora Enso.

A lignina representa entre 20% e 30% da árvore e é um subproduto da produção da fibra de celulose. É uma das maiores fontes renováveis de carbono do mundo, é rastreável e milhões de toneladas são produzidas na Europa. A Stora Enso é a maior produtora de lignina kraft da Europa, com capacidade de produção de 50.000 toneladas por ano.

O carbono à base de lignina pode ser usado em baterias, normalmente aquelas usadas em produtos eletrônicos de consumo e na indústria automotiva, e em sistemas de armazenamento de energia em grande escala.

Outros

Além de outras notícias comentadas, o Momento Agrícola traz em seus blocos de entrevistas abordagens sobre “As Certificações da SLC Agrícola”, com Álvaro Dilli; “A Qualidade na Semente de Soja”, com José França Neto, da Embrapa; e “De Olho no Material Escolar”, com Helen Jacintho.

Para ouvir o Momento Agrícola na íntegra, clique abaixo.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana