conecte-se conosco


Economia & Mercado

Intenção de Consumo das Famílias sobe 1,8% em agosto

Publicado

O índice que mede a Intenção do Consumo das Famílias (ICF) teve alta de 1,8% em agosto, após cinco meses seguidos de quedas. A pesquisa foi divulgada hoje (27) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que analisou 18 mil questionários aplicados em todas as unidades da federação.

O crescimento em comparação a julho interrompeu a tendência de queda iniciada em março e aproximou o indicador do patamar de dezembro do ano passado. Em relação a agosto de 2018, houve alta de 6,8%.

Presidente da CNC, José Roberto Tadros, avalia que há um maior otimismo das famílias na programação dos seus gastos.

Segundo a confederação, o avanço do ICF está ligado às variações positivas nos subíndices de Perspectivas de Consumo, que subiu 4%, e de Momento para Aquisição de Bens Duráveis, com alta de 2,4%.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, avalia que há um maior otimismo das famílias na programação dos seus gastos, o que tem relação com uma possível melhora no nível de endividamento e a possibilidade dos saques nas contas do FGTS e PIS/Pasep.

Leia mais:  Estado estima 230 mil empregos diretos e indiretos durante construção de ferrovia

Apesar da melhora, o ICF de agosto permaneceu em 91,4 pontos, abaixo do patamar de 100 pontos, o que indica um cenário de insatisfação. A última vez que ICF esteve acima dos 100 pontos foi em abril de 2015.

A insatisfação das famílias com o consumo se dá principalmente no Momento para Duráveis (62,6 pontos) e no Nível de Consumo Atual (71,9 pontos). Mais alta, a Perspectiva de Consumo também permaneceu abaixo dos 100 pontos, com 91.

Os indicadores ligados à renda e ao emprego, entretanto, apresentam resultados acima dos 100 pontos, com 108,8 e 116,1, respectivamente, o que indica um quadro de mais otimismo, segundo a CNC. A estabilidade de preços e a melhora gradual do mercado de trabalho foram as causas apontadas.

(Fonte: Agência Brasil)

publicidade

Economia & Mercado

Segundo Fecomércio, décimo terceiro injetará R$ 2 bilhões na economia de Mato Grosso

Publicado

Um volume de recursos significativo – cerca de R$ 2 bilhões – circulará pela economia mato-grossense por conta do 13º salário. É o que prevê a Federação do Comércio, Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso (Fecomércio-MT).

A entidade tem uma projeção positiva para este ano e destaca que o avanço da vacinação proporcionou a retomada da economia, quadro que permite uma estimativa de que mais de R$ 2 bilhões serão injetados na economia de Mato Grosso com o pagamento do décimo terceiro.

Estudo

Um estudo prévio da Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá identificou que ao receber a primeira parcela do décimo terceiro as pessoas vão priorizar o pagamento das dívidas, outros vão preferir pagar conta e economizar o dinheiro extra.

Pagar dívidas – 32,2%; Fazer novas compras – 23,8%; Economizar 21,7%

“Quem tiver dívida, o ideal é renegociar e pagar esses valores. As pessoas pagando suas dívidas diminuirá a inadimplência e os juros do crédito também devem cair, uma vez que a inadimplência é um dos principais fatores que elevam a taxa de juros”, disse o economista Emanuel Dalbian.

Leia mais:  PIX: Banco Central confirma novas regras para maior segurança a partir de 29 de novembro

O levantamento da CDL mostra ainda que a última parcela do décimo terceiro, que costuma sair perto do Natal, será usada pela maioria dos entrevistados para comprar presentes. Mas, é preciso ficar atento com as tentações.

Segundo o economista, a dica é fazer cálculos e ficar de olho nos juros cobrados pelo cartão de crédito.

(Com informações de G1)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana