conecte-se conosco

Setor Público & Agentes

Governo anuncia nova prorrogação do prazo do IPVA para os últimos três meses do ano

Publicado

O governo estadual adiou novamente o prazo para pagamento do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), relativo ao exercício de 2020. O anúncio foi feito ontem (terça, 02) pelo governador de Mato Grosso, Mauro Mendes.

A prorrogação tem o objetivo de amenizar os efeitos financeiros da pandemia do novo coronavírus para os contribuintes mato-grossenses. Assim, o IPVA que deveria ser pago nos meses de junho, julho e agosto, terá o prazo postergado para os três últimos meses do ano, outubro, novembro e dezembro de 2020.

Segundo Mendes, o Estado está combatendo a pandemia e criando condições para que a economia estadual volte a funcionar. O decreto com detalhes está publicado em edição extra do Diário Oficial de ontem (02.06). “A Assembleia fez uma reivindicação ao Governo do Estado. Analisamos os números dos últimos dias e estamos anunciando hoje, formalmente, que nós estaremos prorrogando para outubro, novembro e dezembro o pagamento do IPVA de todos que ainda tem esse débito com o Estado de Mato Grosso”, afirmou o governador.

Com a nova medida, os veículos com placa final 4 e 5 que teriam que pagar no mês de maio, poderão pagar no mês de outubro; placa final 6 e 7 que pagariam em junho, passam a ter o prazo até novembro; já as placas 8, 9 e 0 do mês de julho, passam a ter o prazo estendido até dezembro de 2020.

Leia mais:  Vender e comprar imóveis de programas habitacionais são práticas ilegais, avisa SEPLAN

(Redação EB com Secom-MT)

publicidade

Cidades & Geral

Município setorizará sistema de abastecimento para controle de perdas de água tratada

Publicado

O Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto – Samae – anunciou esta semana a contratação de empresa especializada para realização de estudos e elaboração de projetos para setorização do sistema de abastecimento e distribuição de água em Tangará da Serra.

O contrato 022/2020, assinado entre o Samae e a empresa Asolo Engenharia e Consultoria, foi firmado no último dia 06. A empresa foi a vencedora da Tomada de Preços 003/2020, de 30 de setembro.

Diretores do Samae, Marcel Berteges, e da Asolo, André Pavarin, assinaram o contrato no último dia 06.

O objetivo é dar início à implantação dos sistemas de macromedição e micromedição em reservatórios e na rede de distribuição para controle e combate às perdas de água tratada, que há décadas causam prejuízos no sistema de abastecimento da cidade e de localidades do interior. “Tangará da Serra é o segundo município do estado a realizar este projeto de controle de perdas”, informa o diretor do Samae, Marcel Berteges. O primeiro município foi Lucas do Rio Verde.

Macromedição e micromedição

Com custo de R$ 45 mil, o trabalho consistirá na caracterização e diagnóstico do sistema existente no município para melhorias e adequações das unidades operacionais de reservação e distribuição de água.

Leia mais:  Dia do Servidor: Órgãos públicos não abrem na próxima segunda-feira

A macromedição e micromedição visam informar o volume de água tratada disponível para distribuição possibilitando à autarquia a obtenção de informações precisas. A partir daí, é possível mensurar as perdas e adotar medidas de contenção e proceder nos reparos necessários.

Além da setorização, o sistema inclui o georreferenciamento da rede de distribuição e das unidades de reservação. Estas medidas, porém, são consideradas prioridades de curto prazo (de 04 a 08 anos) para execução pelo SAMAE.

Prioridade

A macromedição das saídas dos reservatórios e o controle de perdas de água tratada estão entre as prioridades imediatas (até 03 anos) que constam no Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) de Tangará da Serra.

Concluído e entregue no último mês de maio, O PMSB representa o planejamento do município na área de saneamento básico para os próximos 20 anos. Foi contratado pelo Samae e desenvolvido por uma equipe de especialistas da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e Fundação Uniselva.

Perdas

As perdas de água potável em Tangará da Serra são um problema antigo, desde que a rede começou a ser implantada na cidade, ao final da década de 70. Estas perdas chegam a 30% e se dão por vários motivos, como vazamentos, erros de leitura de hidrômetros, ligações clandestinas e fraudes.

Leia mais:  SAMAE promove 2º Fórum de Saneamento de 06 a 08 de novembro

Perda de água potável é um problema recorrente (e antigo) em todo o país. Segundo estudos realizados por especialistas, o Brasil contabiliza cerca de R$ 10 bilhões/ano em prejuízos com perdas de água. Em média, o país registra perdas de 38,5% da água potável produzida pelos sistemas de tratamento nos 5.570 municípios brasileiros.

Em municípios como Cuiabá e Várzea Grande, por exemplo, as perdas chegam a 70% da água tratada. Em Rondonópolis, terceiro município do estado, as perdas chegam a 45%.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana