conecte-se conosco


Agronegócio & Produção

Frango nosso de cada dia: Sem hormônios, mas com pesquisa, nutrição, manejo e sanidade

Publicado

Uma polêmica se instalou em Tangará da Serra num aplicativo de rede social na última quinta-feira (09) sobre a qualidade dos frangos criados em granjas. Há quem diga que esses frangos que embasam a grande cadeia da avicultura apresentam crescimento em função do uso de hormônios.

Vale salientar que a avicultura é uma das principais atividades econômicas de Tangará da Serra, gerando empregos e renda no campo com os mais de 200 aviários e também na cidade, através de um frigorífico que hoje abate cerca de 120 mil frangos/dia, abastecendo o mercado interno e exportando cortes de alta qualidade.

A avicultura é uma das principais atividades econômicas de Tangará da Serra, gerando empregos e renda no campo e na cidade.

O nascedouro da polêmica foi um vídeo postado (ver a seguir) numa rede social em que frangos recebem uma injeção que seria de um coquetel de esteroides sintéticos, antibióticos e hormônios. Na realidade, a aplicação se trata de uma vacina em aves de postura.

Representantes do setor reagiram à postagem (ver na sequência), que reproduziu um comentário altamente negativo, onde consta que a carne de frango seria, inclusive, cancerígena.

A seguir, também constam pesquisa publicada pela Universidade Paulista (UNIP) e artigo publicado em site especializado.

Comentário negativo

“Três doses de esteróides sintéticos, antibióticos e hormônios do crescimento são bombeadas para cada galinha por dia durante 30 dias, apenas para engordá-las.  Posteriormente, as aves devem ser vendidas entre o período de 30 a 40 dias, o que, por sua vez, morre por terem sido bombardeadas pela mistura venenosa acima. Quando esses frangos são consumidos, as conseqüências para os consumidores são não apenas alarmantes, mas desastrosas. Os proprietários de galinheiros, suas famílias e trabalhadores nunca consomem esses pássaros, pois estão plenamente conscientes disso. Em palavras simples e simples, esses pássaros são cancerígenos. Todos os oncologistas estão cientes da situação. Você sabia que um em cada quatro seres humanos tem câncer? Para confirmar, verifique com o seu.”

Pesquisa de universidade

Publicação da Universidade Paulista (UNIP, www.unip.br) em conclusão de trabalho de pesquisa do curso de Nutrição no ano de 2015 sobre carne de frango:

“A carne de frango é considerada saudável, com alto teor de nutrientes e com o custo dos mais acessíveis entre as proteínas animais, constituindo uma opção interessante ao consumidor. A produção da carne de frango, em geral, é realizada sob a coordenação de agroindústrias que possuem equipes de elevada formação técnica, cujo objetivo é produzir o alimento de forma segura e dentro dos padrões estabelecidos pela lei. No Brasil é legalmente proibida a utilização de substâncias hormonais com a finalidade de estimular o crescimento e a eficiência alimentar de aves. Por meio de revisão bibliográfica foi possível constatar que a utilização exógena de substâncias hormonais em aves sequer possibilitaria a obtenção de vantagens zootécnicas e que, dependendo da substância, sua aplicação prática não seria viável. Finalmente, evidenciou-se que o rápido desenvolvimento das aves deve-se, principalmente, à evolução genética das linhagens, cuja expressão é viabilizada pelos avanços dos fatores ambientais nas áreas de nutrição, sanidade, ambiência e instalações.”

Fatores da alta produtividade

Leia mais:  Momento Agrícola: Questões de carbono nos EUA e na UE, tributos e diálogos são destaques

No site www.comprerural.com há um artigo que põe por terra a argumentação de leigos sobre a ocorrência de efeitos danosos da carne de frango sobre a saúde humana:

“A IN nº 17 de 2004 do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, proíbe a administração, por qualquer meio, na alimentação e produção de aves, de substâncias com efeitos tireostáticos, androgênicos, estrogênicos ou gestagênicos, bem como de substâncias ß-agonistas, com a finalidade de estimular o crescimento e a eficiência alimentar (…)
Vários são os fatores responsáveis pelo aumento de produtividade na avicultura de corte: melhorias na infraestrutura, ambiência, nutrição, melhoramento genético, sanidade e entendimento das relações destes conhecimentos através do manejo da produção destes animais. O ponto chave para o sucesso da avicultura está numa pirâmide chamada nutrição, genética e manejo a nutrição destes animais é feita com excelência. (…) Setenta por cento do gasto de uma empresa avícola está na nutrição das aves e não na folha de pagamento dos funcionários, água, luz, etc. Investe-se rigorosamente em um alimento que vá atender a demanda nutricional das aves. Um nutricionista balanceia a necessidade de proteínas, lipídios, carboidratos, minerais e vitaminas em cada fase de vida do frango. Outra questão é a GENÉTICA. (…) O melhoramento genético feito durante décadas é um dos grandes responsáveis pelo maior ganho de peso em pouco tempo. (…) O terceiro e último fato é o MANEJO (AMBIÊNCIA). Aqui é simples. Não adianta você ter boa genética e dieta, se os animais vivem estressados, ou seja, para que o desempenho seja máximo, proporcione as aves o maior conforto possível.”

Palavra de produtor

Leia mais:  Momento Agrícola: Questões de carbono nos EUA e na UE, tributos e diálogos são destaques

Um produtor rural de Tangará da Serra opinou a respeito do assunto na mesma rede social em que foi publicado o comentário contrário à carne de frango.

“(…) não posso deixar este importante assunto sem o devido esclarecimento. Pois a Avicultura, para Tangará da Serra, é por demais importante. (…) Realmente os frangos não recebem hormônios, mas receberam, sim, sobre a sua cadeia de produção, muito tempo e muito dinheiro investidos em pesquisa genética, onde mentes cientistas, brilhantes, se debruçaram num esforço imenso para melhorar a produtividade desses fantásticos animais. Colocando assim, em nossas mesas, essa carne saborosíssima, de excelente qualidade, num tempo incrivelmente curto, e a um custo incrivelmente baixo. Acessível a todas as classes sociais do nosso amado Brasil. (…) Em minha propriedade rural, pude vivenciar por diversas vezes o crescimento de pintinhos de granja, juntamente com pintinhos caipiras, tratados com a mesma ração, isenta de hormônios, produzida por nós mesmos na propriedade, composta de milho moído, farelo de soja e um núcleo mineral. E os pintinhos, da mesma idade, aos 30 dias, os de granja (com o melhoramento genético que citei acima) com 1 kg e os caipiras com 300 gramas. Vejam do que foi capaz a pesquisa científica…”

Outro produtor rural também se manifestou a respeito:

“(…) Sou avicultor e produtor e ovos. Essa história de hormônios em produção de frangos e ovos ‘são tudo fakes’. Esse vídeo que vocês viram nada mais é do que um processo de vacinação das aves de postura e matrizeiro, só pra entender as aves de postura iniciam sua produção de ovos com 120 dias em média, e nesse período são administradas várias vacinas pra evitar algumas doenças que possam prejudicar sua sanidade. Não existe nada de hormônios (…), as rações são basicamente compostas de milho, farelo de soja, farinha de carne ou fosfato, e premix vitamínico e mineral, e tudo dentro das normas do Ministério (Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Portanto podem consumir sem restrição essas proteínas e, digamos de passagem, são das melhores e mais baratas do mundo.”

Importante fonte de proteínas, o ovo é mais um produto importante da grande cadeia da avicultura.

publicidade

Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: Questões de carbono nos EUA e na UE, tributos e diálogos são destaques

Publicado

A decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos que limita o poder da Agência de Proteção Ambiental daquele país, a divergência na União Europeia sobre carros a combustão, entrevistas e outros assuntos relevantes para o Agro são os destaques da primeira edição do Momento Agrícola deste mês de julho.

De autoria do produtor rural, agrônomo e consultor Ricardo Arioli, o programa é veiculado aos sábados pela rede de rádios do Agro e repercutido em forma de notícias e com podcast Soundcloud pelo Enfoque Business, também aos finais de semana.

Menos poder

A   primeira edição do Momento Agrícola neste segundo semestre do ano traz à baila uma decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos que limita o poder da Agência de Proteção Ambiental americana (EPA, na sigla em inglês) de regular as emissões de carbono das usinas de energia termelétricas do país.

Por seis votos a três, a corte definiu, em sua sessão na última quinta-feira (30), que nenhuma agência federal americana deve ter escopo de ação que não seja o explicitamente concedido por lei aprovada no Congresso. A decisão foi relacionada ao caso Virgínia Ocidental contra EPA.

Leia mais:  Momento Agrícola: Questões de carbono nos EUA e na UE, tributos e diálogos são destaques

Para o ministro-chefe da Corte, John Roberts, “limitar as emissões de dióxido de carbono em um nível que forçará uma transição energética é uma solução sensata, mas uma decisão de tal magnitude cabe ao Congresso”, escreveu, na decisão, que é considerada uma grande derrota para o presidente Joe Biden, que tentava retomar a agenda climática que havia sido suspensa durante o governo de Donald Trump.

UE e a Combustão

Ricardo Arioli comenta, também, sobre uma divergência na Comunidade Europeia envolvendo a redução de gases de efeito estufa.

A Alemanha discordou da aprovação, pela União Europeia, do projeto de proibir a venda de motores a combustão a partir de 2035 nos países do bloco.

O ministro das Finanças da Alemanha, Christian Lindner, afirmou durante em recente conferência (21 de junho) “que continuaria a haver nichos para motores a combustão” e que a proibição “estava errada”, daí a discordância do governo alemão.

Numa análise bastante sensata, os alemães entendem que acelerar a transição para carros elétricos pode criar problemas e obstáculos como montar uma rede de recarga rápida e ultrarrápida o mais pulverizada possível, levando à ampliação da demanda por metais para as baterias de íons de lítio e à oscilação (para cima) do preço das próprias baterias.

Leia mais:  Momento Agrícola: Questões de carbono nos EUA e na UE, tributos e diálogos são destaques

Outras

O Momento Agrícola traz considerações sobre questões estratégicas no Brasil, como a necessidade de importação de óleo diesel pelo País em razão de sua insuficiência nos processos de refino de petróleo. Há, neste particular, a possibilidade de importação direta de diesel por grandes produtores, o que resultaria em menor carga tributária, já que a operação aconteceria em drawback.

Ainda sobre combustíveis, Ricardo Arioli comenta sobre o ICMS dos combustíveis, que tem rendido muita polêmica entre os governadores dos estados.

Nos blocos seguintes, Arioli traz diálogos sobre “O Plano Safra 22-23”, com Antônio da Luz, da Farsul; “O Baixo Carbono da nossa Agropecuária”, com Roberto Giolo, da Embrapa; e “Nosso Agro e a Política”, com Anderson Galvão.

Para ouvir na íntegra o Momento Agrícola deste sábado, clique no podcast abaixo:

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana