conecte-se conosco

Cidades & Geral

Eleições 2020: Violência digital já marca o pleito eleitoral antes mesmo de definição de candidaturas

Publicado

Ofensa à honra, dano moral, calúnia, injúria, difamação, homofobia, racismo, pedofilia, misoginia, pornografia, cyberbullying… Estes e outros crimes tem sido praticados todos os dias e em alta frequência no ambiente da rede mundial de computadores, em especial nas redes sociais.

A tecnologia que representa desenvolvimento e facilita a vida de milhões de pessoas, tem sido também uma ferramenta utilizada por criminosos e pessoas mal intencionadas e de personalidade duvidosa.

Neste contexto, os crimes digitais já se configuram como uma grande ameaça para a lisura das próximas eleições. Em Tangará da Serra, as adversidades políticas escaparam do campo das ideias, migraram para o terreiro da imoralidade e já povoam a esfera policial na forma de boletins de ocorrência. Tudo isso antes mesmo de serem definidas as candidaturas majoritários e proporcionais.

A legislação falha e permissiva no mundo digital, a intolerância crescente e a sensação de impunidade dos agressores abre espaço para a ocorrência cada vez maior de crimes de ódio e abuso na internet. Sob máscaras e disfarces de perfis falsos que, erradamente, dão sensação de segurança, os agressores praticam toda sorte de violação no ambiente “online” e, muitas vezes, ficam incólumes no domínio físico.

Leia mais:  Placas com padrão do Mercosul entram em vigor em todo o país

Nas últimas semanas, ao menos quatro ocorrências de violência digital foram registradas na Delegacia de Polícia Judiciária Civil de Tangará da Serra. Entre elas se inclui um caso de pesada difamação contra a honra de um jornalista e sua esposa, através de um blog, com compartilhamentos do material em redes sociais, em grupos de aplicativos como o Facebook, Instagram e WhatsApp.

Também sofreram com calúnias e difamações um ex-secretário municipal, vereadores, empresários e uma apresentadora de TV. Em todos os casos, as ações dos agressores tiveram como pano de fundo as motivações políticas. Obviamente, os casos já estão sob investigação da Polícia Judiciária Civil e terão sérios desdobramentos na esfera judicial.

Estes casos de violência digital já projetam o que poderá vir a acontecer quando as campanhas eleitorais estiverem em curso, por ocasião do próximo pleito que escolherá os novos gestores e vereadores do município. Pelo conteúdo das agressões e pelo perfil demonstrado pelos agressores e seus ‘colaboradores’, é difícil imaginar a magnitude da violência digital que será perpetrada no período eleitoral.

Leia mais:  Mato Grosso poderá ter chuvas de até 60 milímetros esta semana; Temperaturas deverão se manter estáveis

Frequência

Além de prejuízos financeiros, os crimes cibernéticos produzem, através da violência digital, sensação de vulnerabilidade e impossibilidade de defesa entre as vítimas atingidas.

Diariamente, são registrados cerca de 400 crimes cibernéticos em todo o país. O levantamento mais recente, feito em 2018 pela associação SaferNet Brasil, em parceria com o Ministério Público Federal (MPF), contabilizou 133.732 queixas de delitos virtuais, como pornografia infantil, conteúdos de apologia e incitação à violência e crimes contra a vida, calúnias, difamações, violência contra mulheres ou misoginia e outros.

Para fazer frente à crescente complexidade das investigações de crimes praticados por meios eletrônicos, a Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso conta com a Gerência de Combate a Crimes de Alta Tecnologia (GECAT).

A GECAT é um departamento ligado à Coordenadoria de Inteligência Tecnológica, da Diretoria de Inteligência, que atua nas investigações complexas que envolvem o uso da tecnologia de ponta ou a utilização de recursos tecnológicos, mais especificadamente, a internet. São os chamados popularmente “crimes virtuais” que, na verdade, são bem reais.

publicidade

Cidades & Geral

Executivo autoriza reabertura do Camelódromo e bebidas alcoólicas poderão ser vendidas sem consumo no local

Publicado

O Executivo Municipal anunciou agora, no início da tarde, a autorização para reabertura do Camelódromo em Tangará da Serra, assim como a permissão para venda de bebidas alcoólicas, porém sem estarem geladas e não podendo serem consumidas no local. (Veja pronunciamento do prefeito Fábio Martins Junqueira no link ao final da matéria)

As flexibilizações constam no Decreto 307, com data desta terça-feira (14) e se somam às já anunciadas permissões de retomada das atividades em academias e cultos e missas presenciais em igrejas.

Veja decreto no link abaixo:

https://www.tangaradaserra.mt.gov.br/fotos_downloads/38703.pdf

O decreto flexibiliza setores comerciais mediante a adoção obrigatória de medidas de segurança, fundamentais no combate ao novo coronavírus, estabelecendo dessa forma, nesses estabelecimentos, planos de contingenciamento para o seu devido funcionamento, a fim de evitar contágio por COVID-19.

A proibição de consumo de bebidas alcoólicas em restaurantes, lanchonetes e bares, porém, perdura, mas a comercialização fica autorizada no âmbito municipal, em supermercados ou distribuidoras, desde que não seja consumida no local e nem vendida gelada.

Leia mais:  Em Tangará da Serra, quarentena geral termina domingo; Feiras passam a ser ‘Mercados Públicos’

Atividades em ginásios, estádios e academias ao ar livre, assim como circulação de pessoas em parques – como o Borque Municipal – também seguem vedadas.

O Prefeito Fábio Junqueira anunciou a flexibilização de setores comerciais, permitindo a reabertura do camelô e de…

Posted by Prefeitura Municipal de Tangará da Serra on Tuesday, July 14, 2020

 

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana