conecte-se conosco


Saúde Pública

COVID-19: Cinco estados concentram 70% dos infectados e 81% dos óbitos; Centro-Oeste tem menor incidência

Publicado

Dos números correspondentes à incidência do coronavírus (COVID-19) no Brasil, cinco estados concentram a grande maioria dos infectados e dos óbitos ocasionados pela doença. Sozinhas, estas unidades da federação respondem por 25.561 casos de infecção confirmados e 1.920 mortes do total de 36.599 infectados e dos 2.347 óbitos no país informados na última sexta-feira (18) pelo Ministério da Saúde.

Os estados são, pela ordem, São Paulo (13.894 infectados e 991 óbitos), Rio de Janeiro (4.543 e 387), Ceará (3.034 e 176), Pernambuco (2.193 e 205) e Amazonas (1.897 e 161). Estes cinco estados concentram nada menos que 69,9% dos casos positivos de COVID-19 e por 81,8% das mortes ocasionadas pela moléstia.

(*) Veja quadro a seguir e gráfico mais adiante

Nestas unidades da federação, os números predominantes estão nas capitais por serem estas as referências econômicas e pela condição logística, ocasionando grande circulação de pessoas. As condições economicamente relevantes proporcionam maior circulação com chegadas e saídas de passageiros em aeroportos e terminais rodoviários e nos transportes de cargas. As grandes cidades junto ao litoral – casos de Rio de Janeiro, Fortaleza (CE) e Recife (PE) – também proporcionam grande movimentações decorrentes do turismo e das atividades portuárias.

Capital pernambucana, Recife é uma das cidades litorâneas com maior incidência da COVID-19.

Quanto a São Paulo (capital, na foto no cabeçalho), a condição de maior metrópole brasileira e o fato de convergir para si grande parte da atividade econômica nacional já explicam o alto número de incidência de COVID-19.

(*) Veja gráfico a seguir

Manaus, por sua vez, é o principal centro urbano e econômico da região Norte do Brasil. Exerce significativa influência como metrópole regional, influenciando mais de 4,75 milhões de pessoas nos estados do Amazonas e Roraima, sendo a terceira maior rede urbana em área do Brasil, onde polariza cerca de 19% do território nacional.

Regiões

Cuiabá é uma das capitais com menor incidência no país.

Considerando as regiões do país, os números são obviamente influenciados pelos estados e capitais que concentram os principais números do novo coronavírus no Brasil.

O Sudeste lidera nos números da pandemia, com quase 56% dos infectados e mais de 61% dos óbitos registrados no país. Em seguida vem o Nordeste, com respectivos percentuais de 23,24% e 22,71%. As demais regiões se apresentam com os seguintes percentuais: Norte (9,33% dos infectados e 9,2% das mortes no país), Sul (7,48% e 4,3%) e Centro-Oeste (4,02% e 2,22%).

(*) Veja quadro a seguir e gráfico ao final do texto

O Centro-Oeste é a região com a menor incidência da pandemia, com 1.472 casos de infecção e 52 mortes. Nesta região, o Distrito Federal e o estado de Goiás contam com as maiores concentrações de infectados e os maiores registros de óbitos. As duas unidades da federação somam 1.140 casos confirmados (762 no DF e 378 em GO) e 42 óbitos (24 e 18).

Mato Grosso e Mato Grosso do Sul contam com as menores incidências, somando 332 (171 e 161) infectados e 10 mortes (05 cada). Esta menor incidência no Brasil pode ser explicada pela menor densidade demográfica, pelo clima de temperaturas mais elevadas, pelo distanciamento geográfico e, também, pelo relativo isolamento logístico.

publicidade

Saúde Pública

Com URA desativada, atendimentos Covid serão nas USFs; Pacientes de UTI serão removidos

Publicado

Os pacientes com sintomas de Covid-19 em Tangará da Serra deverão procurar as unidades de saúde da família (USFs, foto topo) para atendimento, e não mais a Unidade Respiratória Ambulatorial (URA), que funcionava no Hospital Municipal Arlete Daisy Cichetti de Brito e agora está desativada.

A medida, anunciada no início da semana pela Secretaria Municipal de Saúde, atende a portaria assinada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que revoga decreto que estava em vigor desde fevereiro de 2020. Assim, fica declarado o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) motivada pela pandemia da Covid-19 no Brasil.

Com a desativação da URA, atendimento no Hospital Municipal volta à normalidade de antes da pandemia.

Contudo, os serviços de atendimento de casos relacionados à Covid-19 não deixarão de ocorrer. “A partir de agora os atendimentos passam a ser descentralizados, com os casos leves atendidos nas USFs e os casos mais graves na Unidade de Pronto Atendimento (UPA)”, informou à imprensa local a secretária municipal de Saúde, Gicelly Zanata.

Ainda segundo a secretária, nos casos que exigirem internação do paciente em UTI, estes serão removidos para as unidades ainda mantidas pelo Estado, na região metropolitana de Cuiabá.

A desativação das unidades exclusivas para atendimentos de casos de Covid-19 ocorre em todo o país, conforme determina a mesma portaria do Ministério da Saúde. A decisão leva em consideração, também, o número de atendimentos, que hoje é de apenas 1 a 2 casos diários, em média.

Com a desativação da URA, o atendimento no Hospital Municipal volta à normalidade de antes da pandemia. “Essa entrada do Hospital Municipal volta a ser fluxo para a entrada e saída de acompanhantes, visitas dos pacientes, marcar exames para aqueles que não estão na UPA, o eletivo”, acrescenta Gicelly Zanata.

A secretária observa, ainda, que a partir de agora outras áreas serão priorizadas. “Agora nosso foco é instalar o Centro Cirúrgico e UTI, para que nosso hospital comece a fazer cirurgias, sem precisar levar pacientes para outras cidades”, conclui.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana