conecte-se conosco


Cidades & Geral

Turbidez e falta de água geram reclamação generalizada; Samae aponta reflexo de trabalho de manutenção

Publicado

A turbidez e a falta de água nas torneiras em praticamente todo o perímetro urbano de Tangará da Serra provocaram reclamação geral da população desde meados da semana passada. Filtros entupidos nas residências, caixas d’água vazias, água turva e – pior – desabastecimento são assuntos que ainda dominam, ainda neste final de semana, as redes sociais e os noticiários locais.

Faltou água no Hospital Municipal, em estabelecimentos comerciais e nas residências. Muitos comerciantes precisaram adquirir água em cargas de caminhões pipas para manter seus estabelecimentos em funcionamento.

Manutenção

Questionado pelo Enfoque Business, o diretor do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE), Marcel Berteges, apontou um serviço de manutenção realizado na ETA Queima Pé (foto principal da matéria, no cabeçalho) como a origem da turbidez e do desabastecimento. “Foi reflexo da manutenção de quinta-feira (08)”, confirmou, detalhando que a intervenção consistiu no reparo de danos numa comporta de água, que quebrou na semana passada. O dispositivo, segundo Marcel, interfere diretamente na passagem de água dos decantadores para os filtros. “Também procedemos numa operação de limpeza dos filtros com material filtrante”, completou.

Leia mais:  Suspenso pela Justiça, projeto do Sistema Sepotuba terá definição em audiência no dia 16

(Ouça áudio com o diretor do Samae, Marcel Berteges)

Desabastecimento

O diretor da autarquia acrescentou que a manutenção perdurou por toda a quinta-feira, com o tratamento de água sendo retomado à noite. “Contudo, na sexta-feira, o calor intenso levou a um aumento do consumo”, disse, referindo-se à turbidez e ao desabastecimento.

Foto internauta: Água que chegou na última sexta-feira, em residência na Cidade Alta.

Berteges esclareceu, também, que a zona urbana soma mais de 400 quilômetros de rede de água e que o procedimento de manutenção fez com que toda a rede ficasse vazia. “Leva tempo para recompor, e o alto consumo em razão do calor torna este enchimento ainda mais lento”, observou.

O diretor explicou, ainda, que as regiões mais baixas da cidade são abastecidas antes, enquanto as mais altas sofrem uma demora maior. “O restabelecimento iniciou já na sexta-feira, mas ainda sem a pressurização desejada. O reenchimento da rede é um processo lento, em especial nas áreas mais altas”, disse.

Turbidez

Foto Internauta

A turbidez é um dos parâmetros de qualidade para avaliação das características físicas da água bruta e da água tratada. O valor máximo permitido para água tratada é de 1 NTU (unidade nefelométrica de turbidez) na saída das estações de tratamento de água e 5 NTU em qualquer ponto da rede de distribuição.

Leia mais:  Município recupera convênio que permitirá dobrar cobertura do sistema de esgoto na área urbana

No caso de Tangará da Serra, segundo Marcel, já no sábado (10) a água tratada na ETA apresentava parâmetros de normalidade abaixo de 2. “Chegando transparente, nos padrões, saindo da ETA para distribuição”, finalizou o diretor da autarquia.

(Na foto ao lado, internauta compara filtro novo com outro filtro sujo pela água turva)

publicidade

Cidades & Geral

Barra do Bugres: Maternidade tem recursos de R$ 500 mil, com obras previstas para março

Publicado

As obras da maternidade pública de Barra do Bugres deverão iniciar no mês de março. Ao menos é esta a expectativa após o anúncio de uma verba do Estado, no valor de R$ 500 mil, que será assegurada através de emenda parlamentar.

A emenda parlamentar foi anunciada pelo deputado estadual Paulo Araújo (PP) durante reunião no auditório da Câmara Municipal com a prefeita de Barra do Bugres, Maria Azenilda Pereira (MDB), vereadores e secretários. Também participaram da reunião o presidente do Conselho Municipal de Saúde, Marcos Aurélio da Silva, e o presidente da Associação Comercial e Industrial de Barra do Bugres (ACIBB), Iandro Almicci.

A pauta da reunião foi a construção da maternidade de Barra do Bugres. O município, que não conta com nenhum hospital público ou privado, se obriga a encaminhar gestantes para partos em maternidade no município vizinho de Arenápolis, o que significa, também, aumento de custos.

Segundo o presidente do Conselho Municipal de Saúde, Marcos Aurélio da Silva, o projeto da obra já está em análise para que as obras tenham início o mais rápido possível, já que se trata de uma demanda urgente do município.

Leia mais:  Tangará teve 600 queimadas urbanas em dois anos; Estado antecipa período proibitivo

Segundo informações do município, em se confirmando o depósito dos recursos prometidos pelo deputado, as obras terão início já em março próximo.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana