conecte-se conosco


Cidades & Geral

Tangará teve 600 queimadas urbanas em dois anos; Estado antecipa período proibitivo

Publicado

O Corpo de Bombeiros se prepara em todo o estado de Mato Grosso para um período de estiagem severa, tanto que foi decretada (Decreto Estadual 938/2021) a antecipação do período proibitivo de queimadas em zona rural já a partir do dia 1º de junho, próxima terça-feira.

Em Tangará da Serra, as lições das estiagens de 2019 e 2020 não foram esquecidas. Nos últimos dois anos, segundo dados da 3ª Companhia Independente de Bombeiros Militar, foram registradas 600 queimadas urbanas e graves ocorrências de incêndios florestais que renderam prejuízos ambientais e materiais para muitas propriedades. “Tivemos 270 queimadas urbanas somente entre julho e outubro do ano passado”, informa o Tenente Adair Cevada de Moraes, da 3º Companhia Independente de Bombeiros Militar.

Tenente Cevada: “Tivemos 270 queimadas urbanas somente entre julho e outubro do ano passado”.

Segundo o tenente do Corpo de Bombeiros, o cidadão precisa ter a consciência de que na limpeza de quintais a queimada deve ser uma prática descartada. “Esta é uma das nossas grandes preocupações na cidade. Ano passado tivemos muitos problemas no perímetro urbano”, observa.

Leia mais:  Agência Fazendária de Tangará da Serra está com atendimento presencial suspenso

Nas estradas, os motoristas devem evitar jogar bitucas de cigarro pela janela. Estas são as grandes causadoras de incêndios graves às margens das rodovias, que com o vento podem se alastrar para zonas de matas, pastagens, lavouras e sedes de propriedades.

Já na zona rural, Tenente Cevada avalia como altamente positivo o preparo nas propriedades rurais. Com designação de equipes/brigadas de incêndio para o enfrentamento do período de estiagem. Ele ressalta a importância de aparatos de combate a incêndios nos sítios e fazendas. “Bombas costais, abafadores e, principalmente os aceiros nas divisas de propriedades e pastagens são importantes”, destaca.

Ele também considera que, conforme as condições de cada propriedade, a disponibilização de tratores para reabastecimento de bombas e até caminhões com motobombas acopladas e canhões de água são importantes. “As propriedades precisam estar preparadas, com suas equipes treinadas. Quando há princípio de fogo, a brigada de incêndio faz o primeiro enfrentamento, enquanto o Corpo de Bombeiros é acionado pelo 193”, finalizou.

Proibitivo antecipado

Margens de rodovias são locais com muitas ocorrências de queimadas.

O governo estadual decretou semana passada emergência ambiental entre os meses de maio e novembro, e adianta o período proibitivo de queimadas na zona rural em todo o território mato-grossense. O decreto nº 938/2021 foi publicado no Diário Oficial no último dia 19,  quarta-feira da semana passada.

Leia mais:  Sindjor-MT critica recomendação do Ministério Púbico para barrar vacinação de jornalistas

A medida é preventiva, em razão da alta probabilidade de ocorrência de incêndios florestais diante dos baixos índices de chuvas. Com o decreto, fica proibida qualquer atividade de limpeza de pastagem com o uso do fogo nas áreas rurais entre os dias 1º de julho a 30 de outubro de 2021. Na zona urbana, vale lembrar, as queimadas são proibidas o ano todo.

publicidade

Cidades & Geral

Dia de Feira: Rica em água e complexo B, melancia é boa pedida para qualquer hora

Publicado

Quarta-feira, como de costume, é dia de feira em Tangará da Serra. A Feira do Produtor do Centro começa a atender a partir das 06h00, oferecendo o melhor da agricultura familiar.

No setor de hortifrutis, a Feira oferece grande variedade e fartura, com qualidade reconhecida e preços populares.

Nesta época do ano, a melancia é um dos destaques na Feira do Centro. Fruta rasteira em razão do seu peso e tamanho, a melancia é originária da África e é da mesma família do pepino, da abóbora e do melão.

Além do alto teor de água, a melancia contém açúcar, vitaminas do complexo B e sais minerais.

A polpa vermelha, doce, com alto de teor de água, é uma divertida e aprazível alternativa alimentar, ao natural ou na forma de suco, para qualquer hora do dia. Vai bem no café da manhã, no almoço, no lanche da tarde, ou à noite. “Difícil encontrar alguém que não goste de melancia”, observa o presidente da Associação dos Feirantes, Valdeci Ferraz Aquino.

Leia mais:  Município recebe primeiras cargas de tubulação para sistema de captação no Sepotuba

Além do alto teor de água, a melancia contém açúcar, vitaminas do complexo B e sais minerais, como cálcio, fósforo e ferro.

Quem vende?

É fácil encontrar a melancia na Feira do Centro. No interior do maior mercado público de Mato Grosso, com uma rápida olhada é possível detectar a presença do grande fruto.

No box 59-C, do Roberto, a fruta ofertada é produzida na região do Joaquim do Boche. Já no box 53-C, Luiz Carlos oferece frutos que vem do Rio grande do Sul. Nos boxes 19 e 20-C, Leonilda oferece melancia vinda de São Paulo, Goiás e Tocantins, enquanto Dª Zeti, que é da região do Vale do Sol, comercializa o alimento no box 30-A.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana