conecte-se conosco


Cidades & Geral

Tangará da Serra: Orçamento para 2022 será de R$ 451,9 mi; Valor é 19,5% maior que 2021

Publicado

O município de Tangará da Serra terá um orçamento de R$ 451 para o ano de 2022. O montante está expresso no projeto de 127/2021, de autoria do Executivo, que estima a receita e a despesa da municipalidade para o ano que vem e será votado pela Câmara Municipal na tarde de hoje (terça, 30), em sessão extraordinária convocada logo após a ordinária.

A peça orçamentária aponta para uma receita corrente de R$ 396.998.522,53. Este valor corresponde à arrecadação propriamente dita do município, que inclui, entre outras receitas, os impostos e taxas, além dos repasses do ICMS e do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Sobre este montante, considera-se as deduções das receitas advindas de contribuições, compensações e deduções de remuneração de renda fixa – RPPS e a dedução do FUNDEB para se chegar a uma Receita Corrente Líquida (RCL) de R$ 354.773.482,14.

As despesas do município previstas para 2021 estão divididas entre Administração Direta (R$ 357.628.054,95), Administração Indireta – Samae (R$ 61.011.908,47) e Serraprev (R$ 33.358.559,11).

Leia mais:  Dal Bosco confirma hospital regional em Tangará e defende reativação em Barra do Bugres

Já à Câmara Municipal ficará destinado, a título de duodécimo, um orçamento de R$ 11.213.637,80, que corresponde a 6% sobre as receitas tributárias e das transferências da União e do Estado ao município.

Comparativo

O orçamento do município para 2022 será 19,51% superior ao deste ano, quando a peça orçamentária conta com um montante de R$ 378.208.542,38. O incremento pode ser explicado pela recuperação gradual da economia local em relação à pandemia do novo coronavírus.

O ano de 2022 contará com uma receita corrente praticamente 12% maior que a deste ano (R$ 396,8 milhões ante R$ 354,8 milhões). Já a receita corrente líquida (RCL) do ano que vem, que prevê as deduções já citadas, será 10,2% superior à do ano anterior (R$ 354,8 milhões ante R$ 321,7 milhões).

Já o Samae – Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto – contará com um orçamento de R$ 61,011 milhões para 2022, o que corresponde a um incremente de 17,5% sobre o orçamento da autarquia deste ano, que é de R$ 51,899 milhões.

Leia mais:  Tangará da Serra celebra 45 anos de emancipação com visita do governador Mauro Mendes

Os maiores

Pelo PL 127/2021, os cinco maiores orçamentos são, pela ordem: Secretaria Municipal de Educação (SEMEC): R$ 115,166 milhões; Secretaria Municipal de Saúde: R$ 105,124 milhões; Samae: R$ 61,011 milhões; Secretaria Municipal de Infraestrutura: R$ 52,198 milhões, e Serraprev: R$ 33.358 milhões.

publicidade

Cidades & Geral

Dia de Feira: Rica em água e complexo B, melancia é boa pedida para qualquer hora

Publicado

Quarta-feira, como de costume, é dia de feira em Tangará da Serra. A Feira do Produtor do Centro começa a atender a partir das 06h00, oferecendo o melhor da agricultura familiar.

No setor de hortifrutis, a Feira oferece grande variedade e fartura, com qualidade reconhecida e preços populares.

Nesta época do ano, a melancia é um dos destaques na Feira do Centro. Fruta rasteira em razão do seu peso e tamanho, a melancia é originária da África e é da mesma família do pepino, da abóbora e do melão.

Além do alto teor de água, a melancia contém açúcar, vitaminas do complexo B e sais minerais.

A polpa vermelha, doce, com alto de teor de água, é uma divertida e aprazível alternativa alimentar, ao natural ou na forma de suco, para qualquer hora do dia. Vai bem no café da manhã, no almoço, no lanche da tarde, ou à noite. “Difícil encontrar alguém que não goste de melancia”, observa o presidente da Associação dos Feirantes, Valdeci Ferraz Aquino.

Leia mais:  Dal Bosco confirma hospital regional em Tangará e defende reativação em Barra do Bugres

Além do alto teor de água, a melancia contém açúcar, vitaminas do complexo B e sais minerais, como cálcio, fósforo e ferro.

Quem vende?

É fácil encontrar a melancia na Feira do Centro. No interior do maior mercado público de Mato Grosso, com uma rápida olhada é possível detectar a presença do grande fruto.

No box 59-C, do Roberto, a fruta ofertada é produzida na região do Joaquim do Boche. Já no box 53-C, Luiz Carlos oferece frutos que vem do Rio grande do Sul. Nos boxes 19 e 20-C, Leonilda oferece melancia vinda de São Paulo, Goiás e Tocantins, enquanto Dª Zeti, que é da região do Vale do Sol, comercializa o alimento no box 30-A.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana