conecte-se conosco


Infraestrutura & Logística

Suspensão de liminar restaura processos para reativação das navegações na hidrovia Paraguai/Paraná

Publicado

O processo de licenciamento ambiental para reativação das navegações através da hidrovia Paraguai-Paraná, saindo do porto de Cáceres, assim como os licenciamentos para operação dos terminais portuário de Paratudal e Barranco Vermelho, todos no Rio Paraguai, estão autorizados pela justiça. A revogação da liminar ocorreu na noite de ontem (27/04), em Brasília.

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região, suspendeu a liminar, em trâmite pela Justiça Federal, em Cáceres, que impedia o governo do Estado, por meio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) – além dos interessados Associação Pró-Hidrovia do Rio Paraguai (APH); Companhia de Investimento do Centro Oeste e GPG Serviços Portuários Ltda. – de emitir licenciamentos ambientais para operacionalidade da referida hidrovia.

A liminar que suspendia todos os procedimentos operacionais pelo porto de Cáceres e os terminais portuários de Paratudal e Barranco Vermelho, foi interposta pelo Ministério Público Federal (MPF) e acatada pela Justiça Federal, em dezembro do ano passado.  O MPF argumentou que não havia o licenciamento da hidrovia e nem a Avaliação Integrada do Tramo Norte do Rio Paraguai pelo Ibama.

Na decisão, o desembargador Francisco de Assis Betti salienta que “a urgência na concessão do efeito suspensivo está presente, eis que as graves lesões ao Estado de Mato Grosso são atuais e potencialmente irreversíveis, em caso de perda de investimentos e estímulos para o desenvolvimento da região, bem como em razão da indiscutível paralisia da atividade licenciadora do Estado de Mato Grosso. Diante disso, defiro a suspensão postulada na petição inicial”.

Estudioso no assunto, o engenheiro Adilson Reis, responsável técnico por parte  dos projetos  dos terminais portuários da APH, Barranco Vermelho e Paratudal, a revogação da liminar corrige um grande equívoco, considerando que os empreendedores cumpriram e/ou estão cumprindo rigorosamente os Termos de Referência com relação à implantação e operação de Terminais Portuários, em conformidade com as Normas Legais, inclusive e principalmente da Autoridade Marítima constitucional, a Marinha do Brasil.

Adílson Reis, da ARO: “Revogação da liminar corrige um grande equívoco”.

Diz que, o Ministério da Infraestrutura (MINFRA) através do DNIT/Antaq consolidou no Estudo de Viabilidade Técnica Econômica e Ambiental (EVTEA), vasto material que potencializa a atividade, desde que cumpridas também as normativas de dragagem periódica e sinalização, estas licenciadas pelo IBAMA.

Leia mais:  Porto de Cáceres: Reativação impulsionará economia regional

Em síntese, conclui, essa histórica navegação conta hoje com amplo material técnico e aparato tecnológico que à medida que o nível da água permita, agregue mais valor à economia mato-grossense, lembrando que essa é uma via de mão dupla. Este também se tornou ponto focal do chamado Projeto Agenda Regional Oeste (ARO), movimento apartidário que acompanha e cobra agilidade em obras de infraestrutura e logística na macrorregião oeste-sudoeste de Mato Grosso.

Entenda o caso 

Em dezembro do ano passado, a Justiça Federal, em Mato Grosso, a pedido do Ministério Público Federal (MPF) suspendeu os procedimentos. A decisão judicial impôs a necessidade de licenciamento da hidrovia do Tramo Norte do Rio Paraguai pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), assim como da Avaliação Ambiental Integrada.

Os pedidos realizados pelo Ministério Público Federal (MPF) estão inseridos no bojo da Ação Civil Pública (ACP) ajuizada em dezembro do ano passado em desfavor do Ibama, do estado de Mato Grosso – representado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema/MT) -, GPG Serviços Portuários, Companhia de Investimentos do Centro Oeste e da Associação Pro Hidrovia do Rio Paraguai (APH).

Leia mais:  Com parceria de Itaipu, obras da nova Ponte de Integração Brasil – Paraguai chegam a 50%

A ACP é resultado de Procedimento Administrativo por meio do qual o MPF constatou que não havia o licenciamento da hidrovia e nem a Avaliação Integrada do Tramo Norte do Rio Paraguai pelo Ibama.

Vistoria da ARO no Porto de Cáceres: Terminal portuário está pronto para operar.

Além disso, o MPF ressaltou que há impedimento jurídico para que a Secretaria de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema/MT) expeça licenças ambientais para Terminais Portuários ou Portos no Tramo Norte do Rio Paraguai, o que anula os procedimentos de licenciamento ambiental e a licença já expedida ou aquelas que foram expedidas durante o trâmite do processo.

Outro ponto também debatido na ACP é que, além de não ter nenhum documento do Ibama autorizando a hidrovia no Tramo Norte do Rio Paraguai, há estudos que apontam não ser possível a navegação industrial no trecho de 680 quilômetros do rio, entre Cáceres (MT) e Corumbá (MS), por causa das características ambientais encontradas nessa parte do Rio Paraguai.

“Sucede, todavia, que a mencionada Licença de Operação 18/1998 emitida pelo Ibama é apenas para dragagem e não se confunde com o licenciamento da hidrovia do Tramo Norte do Rio Paraguai do Ibama e com uma Avaliação Ambiental Integrada do Ibama (…)”, consta de trecho da ACP.

Além disso, é preciso relembrar que a competência de licenciamento de hidrovia do Ibama decorre do fato de que o Tramo Norte do Rio Paraguai (entre Cáceres/MT e Corumbá/MS) alcança dois estados, tornando-se uma hidrovia federal e, conforme o Decreto 8.437/2015, da Presidência da República, o licenciamento ambiental de empreendimentos e atividades será de competência da União, por meio do órgão federal ambiental competente.

(Por: Sinézio Alcântara/Expressão Notícias; Fotos: EB)

publicidade

Infraestrutura & Logística

MT-240: rescisão com empreiteira é publicada pelo governo no diário oficial do estado

Publicado

O governo estadual – através da Secretaria de Estado de infraestrutura (SINFRA-MT) – formalizou o rompimento do contrato com a Construtora Centro Leste S/A, que era responsável pelas obras de pavimentação da rodovia MT-240, entre Tangará da Serra e Santo Afonso.

O rompimento foi oficializado na edição de ontem (quinta, 20), com publicação do extrato de rescisão unilateral do contrato 023/2021/06/01/SINFRA no Diário Oficial do Estado (imagem acima).

Segundo Edilson Sampaio, que coordena as obras pela Associação dos Produtores da MT-240, o contrato foi rescindido por problemas técnicos na execução dos trabalhos. “Houve duas notificações para que a empresa regularizasse suas operações, mas o governo e a associação optaram pela substituição. Temos uma responsabilidade muito grande com os produtores e os cidadãos que vivem naquela região”, esclareceu.

Anseio antigo

Sampaio destaca que a pavimentação da MT-240 é um anseio antigo dos municípios de Tangará da Serra e Santo Afonso. “A produção agropecuária daquela região tem apresentado índice elevado de crescimento. São mais de 15 mil hectares cultivados de soja e milho, mais a pecuária de corte, e a tendência é de um crescimento ainda maior… Então, a responsabilidade é muito grande e por isso foi tomada esta providência”, disse.

Edílson: “A responsabilidade é muito grande e por isso foi tomada esta providência”.

Edilson citou, ainda, que a região também conta com o assentamento Nossa Senhora Aparecida, que reúne cerca de 70 famílias de pequenos agricultores que produzem hortifrutigranjeiros, lavoura branca, além de frangos, leite e pequenos animais.

Leia mais:  Ferrovias: MT aposta na Ferronorte, Fico e Ferrogrão para baratear frete e impulsionar desenvolvimento

Consórcio

A rescisão do contrato com a Centro Leste, na prática, já ocorreu em dezembro. Com isto, a SINFRA-MT prepara a documentação do consórcio ENPA/LCM, que deverá assumir nos próximos dias as obras de pavimentação da MT-240. A nova empresa é a terceira colocada no certame licitatório realizado pelo Estado para execução dos trabalhos.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana