conecte-se conosco


Cidades & Geral

Serra de Deciolândia: Chuvas voltam a causar erosões em talude; Governo estuda solução

Publicado

A instabilidade dos taludes do trecho da MT-480 na Serra de Deciolândia, entre Tangará da Serra e Diamantino, segue causando preocupação aos usuários e, também, às autoridades. O problema é recorrente, verificado desde 2019 e ainda não foi solucionado.

Há alguns dias, os vereadores Eduardo Sanches (PSL) e Sebastian Ramos (PTB), de Tangará da Serra, estiveram no local em vistoria e constataram a continuidade do problema.

(*) Assista vídeo com imagens do local, ao final do texto

Os problemas verificados há dois anos e, também, ano passado – quando ocorreu um rompimento que resultou na interdição da pista – ainda não foram solucionados pelo governo do Estado. “Não conseguiu ter avanço e efetividade na resolução do problema lá. A última informação que tive era que estava no setor de contratos para realizar a definição da empresa que ia fazer o projeto”, disse o vereador Eduardo Sanches, que é engenheiro civil.

Chuvas representam risco de rompimento do talude na serra. (Fotos: e imagens Eduardo Sanches/Sebastian Ramos)

A situação, porém, já vem recebendo atenção. O representante da Associação de Produtores da MT-480, Edilson Sampaio, está em Cuiabá buscando providências urgentes junto ao governo estadual para os reparos. “Já temos informações e estamos em Cuiabá tratando desse assunto”, confirmou Sampaio, em contato com o Enfoque Business. Informações sobre as ações do governo deverão ser divulgadas ainda hoje.

Leia mais:  Crédito de R$ 200 mil para serviços cartorários viabilizará escrituração de área do aeroporto

Chuvas preocupam

Segundo informações apuradas pelo Enfoque Business, o perigo reside principalmente no período chuvoso, em casos de precipitações pluviométricas volumosas, o que é normal na região nos meses de dezembro a março.  Segundo o engenheiro civil Sílvio Tupinambá, especialista em logística, o talude na Serra de Deciolândia é uma estrutura natural que recebeu curvas de nível durante as obras. “Para que a estrutura tenha estabilidade é preciso um sistema eficiente de drenagem e, também, vegetação, através de hidrossemeadura”, disse em contato com a redação.

Tupinambá observa que o solo no local é basicamente arenito, de baixa capacidade de absorção, o que permite que a água de precipitações adquira velocidade, resultando em significativas erosões.

Assista vídeo a seguir:

publicidade

Cidades & Geral

Feira do Centro oferece duas atrações típicas do Brasil e valiosas para a saúde e a culinária

Publicado

Domingo, como reza a tradição, é dia de Feira em Tangará da Serra. E dois produtos muito atrativos na Feira do Produtor do Centro são as castanhas de caju e do Pará. As duas são alimentos saudáveis e compõem receitas extraordinárias, como nos links ao final do texto.

A castanha-do-pará é rica em proteínas, fibras, selênio, magnésio, fósforo, zinco e vitaminas do complexo B e vitamina E. Também fornece antioxidantes ao organismo, promovendo a diminuição do colesterol total. Melhora o sistema imunológico e ajuda a prevenir alguns tipos de câncer, como de mama, próstata e cólon.

Contribui para a saúde do cérebro e mantém o cabelo e as unhas saudáveis. Reduz a pressão alta, ajuda a regular a tireoide e é excelente fonte de energia.

Já a castanha-de-caju vem do fruto do cajueiro e é rica em antioxidantes, gorduras boas e minerais. Ajuda a prevenir o desenvolvimento de doenças do coração e anemia, além de melhorar a saúde da pele, unhas e cabelo. Segundo especialistas, consumir cerca de 30 gramas de castanha de caju por dia é uma alternativa para complementar os nutrientes consumidos diariamente.

Leia mais:  Feira do Centro oferece duas atrações típicas do Brasil e valiosas para a saúde e a culinária

Castanhas nos boxes

A castanha-do-pará oferecida na Feira do Centro é proveniente da região de Juína e de outras cidades e localidades da região norte do estado. Já a castanha de caju vem, principalmente, da região Nordeste do Brasil.

São comercializadas em vários boxes do setor de hortifruti, em especial nos boxes 16-C, de Elieder Santos; 21-A, de Francisco da Silva; 23-A, de Eliane Resende; e 42-A, de Elton Pereira.

Veja, a seguir, receitas com as duas castanhas:

https://www.receiteria.com.br/receitas-com-castanha-do-para/

https://www.receiteria.com.br/receitas-com-castanha-de-caju/

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana