conecte-se conosco

Infraestrutura & Logística

SAC anuncia recursos de R$ 9,5 milhões para aeroporto de Tangará da Serra

Publicado

O secretário nacional de Aviação Civil Ronei Glanzmann anunciou esta semana recursos de R$ 9,5 milhões para as obras do aeroporto de Tangará da Serra. A confirmação aconteceu na terça-feira passada (03), durante reunião da Secretaria Nacional de Aviação Civil (SAC) com a Frente Parlamentar de Infraestrutura e Logística (FRENLOG), em Brasília.

Glanzmann considerou que, além de Tangará da Serra, outros terminais de Mato Grosso terão investimentos “vultosos”, como o de Barra do Garças, que receberá R$ 37 milhões em um convênio que será assinado no próximo dia 20. Já Tangará da Serra receberá R$ 9,5 milhões e Cáceres R$ 9 milhões, assim que os projetos junto às prefeituras destes municípios forem aprovados.

Glanzmann: Investimentos “vultosos” em aeroportos regionais.

Além disso, os terminais de Matupá, São Félix do Araguaia e Juína contarão com recursos que somam R$ 30 milhões. “Cada cidade tem seu momento próprio, mas todas elas receberão valores semelhantes. Aprovaremos esses projetos, assim como estamos fazendo com Tangará da Serra e Barra do Garças”, explicou Glanzmann.

Leia mais:  Logística: Governo quer dobrar participação do modo ferroviário em oito anos, com inclusão de investimentos privados

A notícia da aprovação do projeto do aeroporto de Tangará da Serra foi antecipada na última sexta-feira pelo deputado federal Neri Geller, que esteve em visita ao município para contatos políticos. Ele informou, na oportunidade, que em Brasília há gestões relacionadas à logística da região que incluem o aeroporto regional de Tangará da Serra. “Está bem encaminhado (o aeroporto) junto à SAC. O aeroporto vai mudar o perfil da economia do município”, disse, na ocasião.

O município adquiriu recentemente área de 28 hectares para ampliação do sítio aeroportuário e há ordem de serviço emitida pela Secretaria Municipal de Infraestrutura (SINFRA) para construção de mureta para cerca operacional, uma exigência da ANAC.

publicidade

Infraestrutura & Logística

Investimentos de R$ 8,4 bi: Análise do TCU é último passo para edital das obras da Ferrogrão

Publicado

Já está com o Tribunal de Contas da União (TCU) o projeto de concessão da Ferrogrão, nova ferrovia que ligará Sinop, no norte de Mato Grosso (MT), a Itaituba/Meritituba, no Pará (PA). O documento foi protocolado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), na última sexta-feira (10). Cabe ao TCU, agora, a análise da documentação para a publicação do edital de licitação ainda este ano.

O plano, acompanhado dos estudos técnicos e das minutas de edital e de contrato foi assinado pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, após liberação da diretoria da ANTT, na terça-feira (7). São esperados investimentos de R$ 8,4 bilhões no projeto de concessão.

“Hoje, mais de 70% da safra matro-grossense é escoada pelos portos de Santos, no estado de São Paulo, e de Paranaguá, no Paraná, a mais de 2 mil quilômetros da origem. Esse cenário mostra a relevância do projeto dentro do sistema logístico de cargas do país, sendo um diferencial para a sua atratividade junto a potenciais investidores”, disse o ministro, Tarcísio Freitas.

Ferrogrão irá consolidar o novo corredor ferroviário de exportação do Brasil pelo Arco Norte, ligando Sinop (MT) ao Porto de Miritituba (PA).

De acordo com o ministério, a Ferrogrão será uma das vias mais importantes do país e um dos ativos mais aguardados pelos investidores. Com 933 quilômetros (km) de extensão, a ferrovia terá papel logístico fundamental para o escoamento da produção de milho, soja e farelo de soja do estado de Mato Grosso, prevendo-se também o transporte de óleo de soja, fertilizantes, açúcar, etanol e derivados do petróleo.

Leia mais:  RUMO quer estender ferrovia até Lucas, compondo maior entroncamento ferroviário

A implementação da Ferrogrão irá consolidar o novo corredor ferroviário de exportação do Brasil pelo Arco Norte, ligando Sinop (MT) ao Porto de Itaituba (PA). Estão previstos, também, o ramal de Santarenzinho, entre Itaituba e Santarenzinho, no município de Rurópolis (PA), com 32 km, e o ramal de Itapacurá, com 11 km.

“O projeto faz frente à expansão da fronteira agrícola brasileira e à demanda por uma infraestrutura integrada de transportes de carga. O empreendimento aliviará as condições de tráfego na BR-163/PA, diminuindo o fluxo de caminhões pesados e os custos com a conservação e a manutenção”, segundo o ministério.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana