conecte-se conosco

Agronegócio & Produção

Relator avalia que, apesar dos vetos, lei que cria Fiagro será nova revolução no agronegócio

Publicado

Sancionada pela Presidência da República semana passada, a lei que institui os Fundos de Investimentos das Cadeias Agroindustriais (Fiagro) marca uma nova revolução no financiamento da agropecuária brasileira.

A avaliação foi feita pelo senador Carlos Fávaro (PSD-MT), relator da matéria no Senado. O parlamentar pondera, no entanto, que os vetos a trechos do texto tiram a competitividade do fundo e precisam ser revistos no Congresso Nacional.

No total, quatro pontos da lei foram suprimidos atendendo recomendação do Ministério da Economia. Em linhas gerais, eles isentavam a cobrança do imposto de renda dos investidores. Para Fávaro, embora o posicionamento da equipe econômica seja compreensível, os ganhos possíveis com o Fiagro retirarão despesas do Governo Federal com o financiamento dos recursos emprestados como Plano Safra.

Para Fávaro, a nova alternativa junta investidores que hoje contam com baixa remuneração em outras opções e produtores rurais que pagam alta taxa de juros.

“Temos que partir do princípio que o Fiagro tem como uma de suas finalidades tirar do Governo Federal o subsídio que é dado todos os anos para financiar a agropecuária. Hoje há um déficit fiscal com este financiamento e os fundos, sendo viáveis e competitivos, vão compensar esta perda”, ressalta o parlamentar.

Leia mais:  Cobrança do Fethab passa a ser sobre grãos aptos à comercialização, não mais sobre tonelada bruta

Fávaro pontua ainda que os vetos tiram sim a competitividade do Fiagro em relação a outras alternativas para os investidores. “Por isso defendo que haja um debate no Congresso Nacional para demonstrar ao governo que a alternativa copia os fundos imobiliários, que deram tão certo no Brasil, e vai tirar gradativamente das costas do governo a subvenção necessária atualmente”.

Para o senador, a nova alternativa junta investidores que hoje contam com baixa remuneração em outras opções e produtores rurais que pagam alta taxa de juros. “Hoje, a poupança paga cerca de 1,5% ao ano aos poupadores. Já as taxas cobradas no custeio por meio do Plano Safra chegam a 7%. Se o fundo pagar ao investidor 3,5% ao ano ele passa a ganhar mais que o dobro da poupança e o produtor passa a pagar metade do que paga em juros. O Fiagro vai dar rentabilidade para as duas pontas. Todo mundo ganha”.

A nova lei permite aos investidores o aporte de recursos no setor por meio de ativos do agronegócio. Os Fiagros serão geridos por instituições do mercado financeiro, que farão a captação destes investidores. Estimativas do mercado financeiro apontam que os Fiagros deverão receber aporte de R$ 1 bilhão apenas nos primeiros meses, beneficiando pequenos e médios produtores, que pagam taxas de juros altas no financiamento de suas atividades.

Leia mais:  Momento Agrícola: Petróleo a preços negativos e o etanol, variedades de alto rendimento e cuidados com a “RJ” são destaques

(Assessoria)

publicidade

Agronegócio & Produção

Unificação: Município poderá ganhar núcleo de assistência e fomento à atividade rural

Publicado

A unificação da assistência técnica para as pequenas propriedades poderá ser uma novidade em Tangará da Serra ainda nesse ano. A informação é do secretário municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Rogério Rio, que articula a criação de um núcleo ou comitê de assistência técnica e fomento à atividade rural no município.

Rio informa que ao menos cinco órgãos e instituições deverão compor o núcleo/comitê, sendo eles a própria Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), a Empaer, o Senar-MT, a Unemat e o Sindicato Rural de Tangará da Serra. Também há conversações com o Indea e o Sindicato dos Trabalhadores Rurais. “A ideia é mapear a atividade rural, a produção do município, e distribuir tarefas”, explica.

Rogério Rio: “Nosso objetivo é fazer a assistência chegar na ponta, lá na propriedade, junto ao produtor”.

Conforme o secretário, a assistência técnica nas pequenas propriedades e na agricultura familiar precisa ser mais efetiva e harmonizada. “Nosso objetivo é fazer a assistência chegar na ponta, lá na propriedade, junto ao produtor”, observa.

Rogério Rio cita como exemplo a produção leiteira, uma atividade que resulta em renda mensal importante ao pequeno produtor e que, por isso, ajuda a fixar o homem no campo. Assim, uma assistência técnica e uma logística de comercialização adequadas podem resultar num incremento significativo na produtividade e na rentabilidade. “Muito leite sai de Tangará da Serra e vai para Arenápolis, Barra do Bugres e Curvelândia, enquanto o laticínio daqui do município tem que comprar leite lá fora”.

Leia mais:  Ao adquirir Terra Santa, SLC Agrícola assume o posto de maior produtor de soja do Brasil

Os cursos de qualificação do Senar também são mencionados pelo secretário. De ótima qualidade, os cursos oferecidos pelo órgão podem atender os pequenos de uma forma mais abrangente, em espacial os produtores assentados no Antônio Conselheiro e outros assentamentos.

As conversações em torno da unificação deverão resultar na formalização do núcleo ou comitê neste segundo semestre. “A unificação é uma ideia que vem sendo fomentada a mais tempo e que agora começa a tomar forma”, concluiu Rogério Rio.

(Foto cabeçalho: Empaer)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana