conecte-se conosco

Agronegócio & Produção

Relator avalia que, apesar dos vetos, lei que cria Fiagro será nova revolução no agronegócio

Publicado

Sancionada pela Presidência da República semana passada, a lei que institui os Fundos de Investimentos das Cadeias Agroindustriais (Fiagro) marca uma nova revolução no financiamento da agropecuária brasileira.

A avaliação foi feita pelo senador Carlos Fávaro (PSD-MT), relator da matéria no Senado. O parlamentar pondera, no entanto, que os vetos a trechos do texto tiram a competitividade do fundo e precisam ser revistos no Congresso Nacional.

No total, quatro pontos da lei foram suprimidos atendendo recomendação do Ministério da Economia. Em linhas gerais, eles isentavam a cobrança do imposto de renda dos investidores. Para Fávaro, embora o posicionamento da equipe econômica seja compreensível, os ganhos possíveis com o Fiagro retirarão despesas do Governo Federal com o financiamento dos recursos emprestados como Plano Safra.

Para Fávaro, a nova alternativa junta investidores que hoje contam com baixa remuneração em outras opções e produtores rurais que pagam alta taxa de juros.

“Temos que partir do princípio que o Fiagro tem como uma de suas finalidades tirar do Governo Federal o subsídio que é dado todos os anos para financiar a agropecuária. Hoje há um déficit fiscal com este financiamento e os fundos, sendo viáveis e competitivos, vão compensar esta perda”, ressalta o parlamentar.

Leia mais:  MT, Brasil, EUA e UE: Momento Agrícola relembra principais fatos do Agro em 2019

Fávaro pontua ainda que os vetos tiram sim a competitividade do Fiagro em relação a outras alternativas para os investidores. “Por isso defendo que haja um debate no Congresso Nacional para demonstrar ao governo que a alternativa copia os fundos imobiliários, que deram tão certo no Brasil, e vai tirar gradativamente das costas do governo a subvenção necessária atualmente”.

Para o senador, a nova alternativa junta investidores que hoje contam com baixa remuneração em outras opções e produtores rurais que pagam alta taxa de juros. “Hoje, a poupança paga cerca de 1,5% ao ano aos poupadores. Já as taxas cobradas no custeio por meio do Plano Safra chegam a 7%. Se o fundo pagar ao investidor 3,5% ao ano ele passa a ganhar mais que o dobro da poupança e o produtor passa a pagar metade do que paga em juros. O Fiagro vai dar rentabilidade para as duas pontas. Todo mundo ganha”.

A nova lei permite aos investidores o aporte de recursos no setor por meio de ativos do agronegócio. Os Fiagros serão geridos por instituições do mercado financeiro, que farão a captação destes investidores. Estimativas do mercado financeiro apontam que os Fiagros deverão receber aporte de R$ 1 bilhão apenas nos primeiros meses, beneficiando pequenos e médios produtores, que pagam taxas de juros altas no financiamento de suas atividades.

Leia mais:  Os protestos de produtores na Europa, o balizador da soja e o gergelim são destaque no Momento Agrícola

(Assessoria)

publicidade

Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: Cigarrinha do milho, bureau verde e zoneamento estão entre os destaques

Publicado

A terceira edição do Momento Agrícola neste mês de abril mantém a tradição de trazer aos internautas informações relevantes sobre o agronegócio.

O programa é de autoria do produtor rural, agrônomo e consultor Ricardo Arioli, e é veiculado aos sábados pela Rede de Rádios do Agro e repercutido pelo Enfoque Business em forma de notícia e com o link do Soundcloud (ao final do texto).

A Cigarrinha e o Proagro

Logo na primeira abordagem, o Momento Agrícola discorre sobre uma boa notícia que chegou aos produtores de milho esta semana.

Cigarrinha provoca perdas significativas em lavouras de milho.

O Banco Central do Brasil comunicou na semana que passou (terça, 13) que o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) cobrirá as perdas decorrentes da cigarrinha (Dalbulus maidis) na lavoura de milho.

Segundo o documento, a cobertura ocorrerá porque “não se dispõe, atualmente, de método difundido de combate, controle ou profilaxia, que seja técnica e economicamente exequível”.

A nota, assinada pelo chefe do Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações do Crédito Rural e do Proagro (Derop), Claudio Filgueiras Pacheco Moreira, também recomenda aos agentes do programa a revisão de eventuais indeferimentos de pedidos de cobertura de operações enquadradas a partir de 1º de julho de 2020.

Leia mais:  Revista destaca produtores do MT como preservadores; Fazenda em Campo Novo é modelo

Bureau Verde

Outra atração entre os assuntos do Momento Agrícola também envolve o Banco Central, que espera colocar em operação a partir de julho o “bureau verde” do crédito rural.

 

O novo sistema do BC, que permitirá às instituições financeiras verificar critérios socioambientais para a concessão de financiamentos para agricultores e pecuaristas, fará a integração de sete bases de dados do governo para checar, online e em tempo real, se a área a ser financiada está em dia com as obrigações legais e se atende aos requisitos de sustentabilidade.

ZSEE/MT

O Momento Agrícola deste final semana também discorre sobre a revisão do Zoneamento Socioeconômico Ecológico do Estado de Mato Grosso, cuja aprovação se encontra estagnada desde 2011.

Para isso, o governo do Estado, através da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag-MT) já promove a Consulta Pública do Zoneamento Socioeconômico Ecológico do Estado de Mato Grosso (ZSEE/MT) 2021.

Este mecanismo de gestão ambiental consiste na delimitação de zonas ambientais e atribuição de usos e atividades de acordo com as potencialidades e restrições de cada uma delas, tendo por objetivo repensar a ocupação do território mato- grossense, a apropriação de seus recursos naturais e o modelo de desenvolvimento.

Leia mais:  MT, Brasil, EUA e UE: Momento Agrícola relembra principais fatos do Agro em 2019

Outras

Ricardo Arioli abriu espaço no Momento Agrícola para lembrar que a prorrogação do prazo para entrega de declaração do imposto de renda (31 de maio para pessoa física e 30 de julho para jurídica) reforça a oportunidade de destinar parte do imposto a pagar a entidades assistenciais, como, por exemplo, a casa da criança e asilos de idosos.

“Nessa pandemia, há muitas pessoas desassistidas e precisando de ajuda aumentou. Vamos fazer nossa parte. É simples e o contador orienta sobre como fazer”, disse Arioli.

A soja de baixo carbono também é um dos destaques das abordagens do primeiro bloco do Momento Agrícola. Nos blocos seguintes, o programa traz outras abordagens sobre temas relevantes, como ‘O FIAgro, uma nova forma para financiar o Agro’; ‘O CRA Garantido da Cotrijal’, outra novidade para financiamento do Agro’, além de uma mensagem: “Invista no Agro você também”.

Para ouvir o Momento Agrícola na íntegra, clique abaixo:

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana