conecte-se conosco

Setor Público & Agentes

Presidente da MT Par enaltece obras na MT-240: “É um sonho se tornando realidade”

Publicado

A pavimentação da MT-240 está prestes a sair do papel. Os trabalhos topográficos para a pavimentação da rodovia começaram nesta segunda-feira (12), a partir do entroncamento da MT-240 com a MT-358, no município de Tangará da Serra.

Ao todo serão pavimentos 37 km ao custo de R$ 18,5 milhões, ligando o município de Santo Afonso a Tangará da Serra, cidade polo da região centro-sul. A obra foi licitada em janeiro deste ano e teve como vencedora do certame a empresa Centro Leste.

Wener Santos, presidente da MT PAR.

A previsão é que o parque de máquinas da obra seja instalado já na próxima semana, na região do “Bar do Bigode”. “O importante é que a obra começou. Desde 2007 participo dessa luta quando fundamos a Associação de Produtores. Agora graças a articulação do Wener Santos e o Cidinho que uniu forças essa obra está acontecendo”, destacou o coordenador das Associações de Produtores, Edilson Mota Sampaio.

A viabilidade do empreendimento só foi possível graças à parceria entre o Governo do Estado, prefeituras e produtores. “Muitas pessoas estavam descrentes, mas graças ao trabalho sério do governador Mauro Mendes e do vice Otaviano Pivetta, em parceria com os municípios e produtores, a MT-240 é um sonho que está se tornando realidade”, disse o presidente do MT PAR, Wener Santos.

Leia mais:  SANEAMENTO: Adução do Sepotuba, tratamento de esgoto e microdrenagem são prioridades imediatas

Para o governador Mauro Mendes a parceria com os municípios é fundamental para que o governo avance com mais obras por todo o estado. “Esse modelo de convênio traz economicidade e aumenta a nossa capacidade de investimento. Os contratos que nós estamos licitando estão com valores muito mais baixos do que aqueles que eram licitados em administrações anteriores. É dinheiro público sendo bem aplicado e isso rende, dá resultado”, disse.

(Assessoria MT Par)

publicidade

Setor Público & Agentes

Senador quer saída da Odebrecht do quadro da Rota do Oeste para garantia do ‘plano de cura’

Publicado

Em reunião com a diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o senador Carlos Fávaro (PSD-MT) defendeu a exclusão da Odebrecht do controle acionário da Rota do Oeste, empresa concessionária responsável pela BR-163. No encontro, realizado nesta terça-feira (11), o parlamentar recebeu informações sobre o “plano de cura” do contrato, que estabeleceu novos prazos para a conclusão das obras da rodovia, que já deveriam estar prontas.

Fávaro destacou que a manutenção da Odebrecht no quadro societário da Rota do Oeste pode impedir a realização de operações de crédito e inviabilizar o repasse de recursos para que as diversas obras de infraestrutura previstas no contrato de concessão enfim saiam do papel. “Fiz esta recomendação porque entendo ser necessário sangue novo neste contrato, já que o ‘plano de cura’ vai salvar o contrato. Não podemos correr o risco de ter uma empresa velha, contaminada no mercado, que atrapalhe a concessão de créditos e de novo a rodovia passe a não ter obras”.

Fávaro: Não podemos correr o risco de ter uma empresa velha, contaminada no mercado, que atrapalhe a concessão de créditos e de novo a rodovia passe a não ter obras”.

O senador explicou que, em paralelo com o chamado “plano de cura”, tramita um processo de caducidade, ou seja, o rompimento do contrato por não cumprimento das cláusulas previstas. “Neste momento, tudo indica que será possível salvar o contrato, mas se este salvamento não ocorrer, poderemos seguir com a caducidade”. Para o parlamentar, não há nenhuma outra possibilidade que não assegure a realização das obras, seja com o contrato de concessão vigente, ou com um novo acordo.

Leia mais:  Governador diz que crescimento de MT é freado pela burocracia e logística deficiente

A ANTT se manifestou de forma favorável ao plano apresentado pela Rota do Oeste, prevê a troca do controle acionário e entrada de novo investidor para continuidade das obras, com investimentos da ordem de R$ 3,2 bilhões nos próximos cinco anos. “Espero que tudo isso se concretize de forma rápida, porque enquanto isso não ocorre, perdemos amigos, familiares, trabalhadores, vítimas da ausência das obras, necessárias para darmos segurança a todos”.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana