conecte-se conosco

Economia & Mercado

PIX: Banco Central confirma novas regras para maior segurança a partir de 29 de novembro

Publicado

O Pix vai sofrer uma série de mudanças nos próximos meses, e isso já foi confirmado pelo Banco Central, mais precisamente no dia 27 de agosto. Contudo, não é somente o Pix que vai passar por mudanças, mas também outros meios de pagamentos como TED, cartões de débito e as transferências intrabancárias.

Pagamento via Pix

O Pix é uma opção de pagamento instantâneo desenvolvido pelo Banco Central. Antes de sua liberação o Pix era motivo de receio por grande parte dos clientes de bancos, contudo, devido a sua facilidade e praticidade rapidamente entrou no gosto dos brasileiros para a realização de pagamentos bancários.

Assim o Pix se tornou uma opção a mais para quem costumava utilizar TED e DOC. O motivo principal para o Pix ter caído no gosto do público está em sua praticidade em realizar transações em menos de 10 segundos, usando apenas o aplicativo de celular, bem como seu funcionamento 24 horas por dia, 7 dias por semana, mesmo em feriados nacionais.

O Pix pode ser usado nas seguintes transações:

– Entre pessoas (transações P2P);

– Entre pessoas e estabelecimentos comerciais (transações P2B);

– Entre estabelecimentos (transações B2B);

– Para pagamentos de taxas e impostos (transações P2G e B2G).

Em outros termos, com o Pix o usuário consegue pagar suas compras em um supermercado em tempo real, além de fazer transferências instantâneas para quem quiser.

Novas mudanças a caminho

O Banco Central também anunciou dois novos produtos que envolvem a modalidade de pagamentos, sendo o Pix Saque e o Pix Troco, em que os dois novos produtos devem ser implementados no dia 29 de novembro.

Leia mais:  Alimentos seguirão mais caros no trimestre; Carnes, arroz, feijão e óleo têm maiores altas

Ademais, dentre as novas mudanças que devem ser implementadas nas próximas semanas e meses teremos:

– Limite máximo de R$ 1 mil para operações financeiras entre pessoas físicas das 20h às 6h;

– Usuários que queiram realizar transferência acima de R$ 1 mil devem realizar o pedido no canal digital do banco, onde o prazo mínimo será de 24h e o máximo de 48h para concessão do aumento;

– Usuários poderão deixar um teto menor para transações financeiras que ocorram no período da noite;

– Para transações acima de R$ 1 mil no período da noite será necessário cadastrar as contas específicas;

– Novo prazo mínimo de 24h para realização do cadastro prévio de contas em canais digitais;

– Os usuários poderão ter operações retidas por 30 minutos durante o dia e 1 hora à noite para análise de riscos.

Demais mudanças

Antes de adentramos as demais mudanças, vamos fixar alguns termos mais técnicos que são extremamente importantes, que vão te ajudar a entender melhor o funcionamento do Pix.

O ‘DICT’ – Diretório de Contas Transacionais — é o local onde as chaves Pix ficam armazenadas. Através do DICT, as instituições financeiras e de pagamento conseguem encontrar os dados sobre cada conta para prosseguir com a transferência.

Os ‘PSPs’ – Provedores de Serviço de Pagamento — são os responsáveis por disponibilizar o serviço de pagamento instantâneo às pessoas físicas e jurídicas.

Já o ‘SPI’ – Sistema de Pagamentos Instantâneos — é definido pelo Banco Central como uma infraestrutura centralizada de liquidação bruta em tempo real de pagamentos instantâneos. A princípio parece um conceito difícil, mas há explicações mais detalhadas no próximo tópico.

Leia mais:  Tangará da Serra: Variação orçamentária sugere PIB próximo de R$ 4,5 bi em 2020

As demais mudanças que vão ocorrer com o sistema de operações bancárias PIX:

– Controle de contas suspeitas: O mecanismo atual que é opcional e permite a marcação de contas suspeitas de DICT será obrigatório. Assim as contas com indícios de utilização para fraudes por meio do Pix serão registradas.

– Consultas para a prevenção de fraudes: O DICT terá permissão para alimentar o sistema de prevenção de fraudes.

– Contas de aluguel laranjas: Exige que os participantes do Pix assumam controle adicional sobre as transações que envolvem contas marcadas no DICT, incluindo a recusa em processá-las, desencorajando o uso de contas de aluguel ou laranjas.

– Controle maior sobre fraudes: Exige que as instituições regulamentadas (como bancos) exerçam controle adicional sobre a fraude, relatem ao comitê de auditoria e ao conselho de administração ou, na sua ausência, relatem ao comitê executivo e forneçam essas informações ao Banco Central.

– Informações compartilhadas: Exigir que as empresas de pagamento eletrônico compartilhem informações sobre transações suspeitas de participação em atividades criminosas com órgãos de segurança pública.

– Histórico de comportamento e crédito: Será obrigatório o histórico comportamental bem como de crédito para que assim as empresas possam antecipar recebíveis de cartões que possuam pagamentos no mesmo dia, reduzindo a ocorrência de fraude.

(Fonte: Jornal Contábil, com informações de Banco Central, Economia UOL e Gerencianet)

publicidade

Economia & Mercado

Estado estima 230 mil empregos diretos e indiretos durante construção de ferrovia

Publicado

Além de auxiliar no escoamento de grãos e fortalecer a logística do agronegócio em Mato Grosso, a construção da 1ª Ferrovia Estadual será responsável pela geração de mais de 230 mil empregos diretos e indiretos. O investimento estimado para implantação da ferrovia é de R$ 11,2 bilhões, com recursos 100% privados. O Estado terá o papel de fiscalizar toda a condução do projeto realizado por meio de concessão.

A assinatura do contrato do Governo do Estado com a empresa Rumo S/A foi realizada nesta segunda-feira (20.09), em Cuiabá, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde. O início da construção do modal está previsto para o segundo semestre de 2022. A construção da ferrovia prevê 730 quilômetros de linha férrea que vão interligar os municípios de Rondonópolis a Cuiabá, além de Rondonópolis com Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, e que vão se conectar à malha ferroviária nacional, em direção ao Porto de Santos (SP).

“A Rumo já está com os estudos que há alguns anos ela vem trabalhando e sempre teve muito interesse neste traçado, apostou nisso e, com o chamamento aportou toda a ambientação necessária. A partir do licenciamento ambiental, a empresa tem até seis meses para começar essa obra, que segundo a metodologia do BNDES o impacto de investimento na geração de empregos é de 230 mil empregos criados de forma direta e indireta, envolvendo obras que vão desde obras civil em campo, engenharia, planejamento, indústria, fabrica de trilhos, de trem, de carro, fazendo com que uma cadeia de empregabilidade enorme seja ativada”, afirmou o governador Mauro Mendes.

Leia mais:  Folha de Pagamento: Câmara aprova concessão de crédito para de pequenas e médias empresas

A previsão é de que o trecho entre Rondonópolis e Cuiabá esteja concluído e em funcionamento no ano de 2025; enquanto a operação no trecho Cuiabá a Lucas do Rio Verde deverá começar em 2028. Os estudos de impacto ambiental também foram essenciais para que projeto pudesse ser realizado.

“O Estado de Mato Grosso é o maior produtor brasileiro de commodities agrícolas e fazemos isso, preservando 62% do território. Não existe no Brasil território que produza tantos alimentos, preservando o meio ambiente, além de ser uma região que pode dobrar a produção nos próximos 10 anos – chegando a 30 milhões de toneladas. Vamos fazer com produtividade, eficiência, biotecnologia, convertendo áreas degradadas de pastagem. Se nós não tivéssemos essa possibilidade de escoamento via ferrovia de grandes volumes e grandes distâncias, íamos entupir os portos brasileiros, além de gerar prejuízos ambientais. Estamos seguros que a ferrovia terá um impacto muito positivo para Mato Grosso e para o Brasil”, concluiu o governador.

Para o vice-prefeito de Nova Mutum, Alcindo Uggeri, a geração de empregos será importante para o desenvolvimento econômico na região.

“Esse evento consolida o nosso desenvolvimento e seremos o celeiro do mundo”, ressaltou Alcindo.

O presidente da Rumo S/A, João Alberto Fernandez de Abreu destacou as possibilidades de complementação de carga. A Rumo S/A terá direito a explorar o serviço pelos próximos 45 anos.

Leia mais:  Petrobras anuncia aumento de 5% para gasolina e 4% para diesel a partir desta terça-feira

“Com relação a toda movimentação de carga a exportação de grãos sai de Mato Grosso em direção ao Porto de Santos. O Brasil é o maior importador de fertilizantes do mundo e metade desse volume vem para essa região do país, além disso, toda a produção de etanol de milho que desce em direção ao centro do consumidor, principalmente em São Paulo, volta com diesel e gasolina – produtos que são fundamentais e que são consumidos aqui na região. Então, à medida que o Estado exporta frango congelado, carne congelada, entre outros produtos, você tem essa conexão que passa a existir com a cidade de Cuiabá e com o principal centro industrial do país que é o Estado de São Paulo, esse mercado interno passa também a ser fomentado”, disse o presidente.

Conforme estudos da Rumo, 26 municípios serão impactos positivamente com os trilhos da ferrovia. Entre eles Sinop, Vera, Nova Ubiratã, Sorriso, Santa Rita do Trivelato, Paranatinga, Diamantino, Nobres, Rosário Oeste, Chapada dos Guimarães, Várzea Grande, Santo Antônio do Leverger, Jaciara, São Pedro da Cipa, Juscimeira, Pedra Preta, São José do Povo, Poxoréu, Primavera do Leste, Campo Verde, Planalto da Serra, Nova Brasilândia, Cuiabá, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum e Rondonópolis.

(Ascom Sinfra-MT)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana