conecte-se conosco

Infraestrutura & Logística

MT-339: Associação de Produtores projeta chegada da pavimentação à curva da Calcário até o final de 2021

Publicado

Os primeiros oito quilômetros da rodovia estadual MT-339, em Tangará da Serra, deverão estar com o pavimento asfáltico apto a receber tráfego regular de veículos ainda este ano. É o que informa o gerente operacional das obras, Edilson Sampaio, que atua pela Associação dos Produtores da MT-339, entidade responsável pela execução dos trabalhos em convênio com o governo do Estado.

Segundo ele, os trabalhos no trecho de oito quilômetros consistem em duas frentes, através da empreiteira Guaxe Construção e Terraplenagem. Desse trajeto, 2,7 quilômetros já foram realizados em anos anteriores, mas exige um trabalho de revitalização, com tapa-buracos, impermeabilização e aplicação de micropavimento. “Aquele trecho ficará como novo”, completa Edilson.

A outra frente consiste num trecho de pouco mais de cinco quilômetros que está recebendo base e sub-base, com imprimação, aplicação de material impermeabilizante e, por fim, a capa asfáltica do tipo TSD (tratamento superficial duplo). “Queremos deixar este trecho pronto para tráfego até o final de dezembro”, disse, observando que o tempo seco tem permitido a intensificação dos trabalhos.

Já o engenheiro civil da Associação de Produtores da MT-339, Marcelo Albuquerque Bastos, informou que o estágio atual das obras no trecho da segunda frente consiste na base da estrada que irá receber a capa asfáltica. “Temos a estrutura de área, composta pela terraplanagem e duas camadas granulares que são a sub-base e a base com solo laterítico para estabilização”, explicou.

Curva da Calcário

Uma das frentes consiste num trecho de pouco mais de cinco quilômetros que está recebendo terraplanagem, base e sub-base.

Após a conclusão do primeiro trecho de oito quilômetros, as obras deverão ser retomadas após o período chuvoso, a partir de abril do ano que vem. “Vamos até a curva da Calcário, em mais oito quilômetros, aproximadamente, com a conclusão prevista para junho/julho”, projetou Edílson Sampaio.

Leia mais:  Através de parceria, Estado retoma obras de pavimentação da MT-339, com 20 quilômetros até curva da Calcário

Ainda em 2021 está prevista a pavimentação de mais um trecho MT-339, da curva da Calcário até o rio Tarumã.

O trajeto restante da MT-339, que vai até a localidade de Panorama, no entroncamento com a MT-170, em Salto do Céu, dependerá de deliberações da Associação de Produtores junto ao governo do Estado.

Parceria

A retomada das obras se deu em razão da recuperação de um termo de colaboração firmado junto à Associação de Produtores Rurais da MT-480/MT-339, por meio do Programa de Parcerias Socais, ainda no ano de 2014, representando investimentos de R$ 19 milhões.

O atual trecho em obras da MT-339, de 17 quilômetros, vai permitir a interligação desde a MT-358, em direção ao Assentamento Antônio Conselheiro, em Tangará da Serra.

Para Edilson Sampaio, a retomada da obra honra um compromisso firmado pelo governador Mauro Mendes. “É um convênio antigo, de 2014. Infelizmente no governo anterior esse processo ficou travado. (…) Resgatamos esse convênio em parceria com a associação e estamos retomando a etapa deste ano”, disse.

A MT-339, vale lembrar, tem uma extensão de 122 quilômetros e liga Tangará da Serra à localidade de Panorama, já na região oeste do estado, no município de Rio Branco.

Ainda segundo Edilson, a rodovia permite o acesso ao Assentamento Antônio Conselheiro, que possui mais de 1,5 mil famílias, além de beneficiar o acesso a empresas importantes da região, como uma grande indústria de calcário instalada nas proximidades.  “É uma obra desejada por todos os moradores e os produtores, ligando a região oeste até Tangará da Serra, que é um polo consolidado de saúde, educação e prestação de serviços. E essa rodovia tem um cunho comercial muito grande nesse sentido”, completou.

Leia mais:  Rumo Logística confirma investimentos em ferrovia no MT com trajeto entre Cuiabá e Lucas do Rio Verde

Logística

O engenheiro civil e especialista em logística Sílvio Tupinambá integra o Projeto Agenda Cáceres, uma iniciativa apartidária que busca junto às autoridades o reconhecimento da importância do sistema intermodal composto pelas rodovias MT-339 e MT-343 e pelos terminais portuários de Cáceres, no rio Paraguai.

Edílson, Tupinambá e Albuquerque vistoriaram o andamento das obras da MT-339 na manhã de quinta-feira (05.10).

Tupinambá esteve na MT-339 acompanhando as obras de andamento e demonstrou otimismo com o prosseguimento dos trabalhos até Panorama. “É um sonho que estamos vendo se realizar, aos poucos. A região precisa desta rodovia pavimentada para potencializar o seu desenvolvimento”, observou.

Tupinambá destaca que a MT-339 é de grande importância para as regiões Oeste e Sudoeste de Mato Grosso. Une as regiões Oeste (Polo Cáceres, população de 267 mil habitantes; 183,5 mil eleitores; PIB Global de R$ 5,8 bilhões e PIB Per Capita médio de R$ 21,7 mil) e Sudoeste (Polo Tangará da Serra e sua área de influência econômica, somando uma população de 406 mil habitantes; 261,6 mil eleitores; PIB Global de R$ 18 bilhões e PIB Per Capita médio de R$ 44,5 mil). Os dados têm como fonte o IBGE e o TRE-MT.

“Uma vez pavimentada, a MT-339 representará um salto de qualidade na logística de transporte da região com a ligação com a hidrovia do rio Paraguai”, considera o integrante da Agenda Cáceres, prevendo um grande fluxo de escoamento de grãos e outras commodities vindas principalmente de Tangará da Serra (Chapadão do Rio Verde), do Chapadão dos Parecis e da região de Deciolândia.

Ainda segundo Silvio Tupinambá, a nova ligação fomentará a produção de carne e derivados, fortalecendo a pecuária e ampliando o canal de exportação para os países vizinhos do Mercosul, onde há um mercado de 60 milhões de pessoas.

publicidade

Infraestrutura & Logística

Estradas: Único interessado, Consórcio Via Brasil administrará trecho Itanorte-Jangada por 30 anos

Publicado

O Consórcio Via Brasil MT-246 foi o vencedor do leilão de concessão do trecho de rodovias Itanorte-Jangada (Lote 2), realizada na tarde desta quinta-feira (26), na B3, a bolsa de valores oficial do Brasil, em São Paulo.

A concessão, válida por 30 anos, terá tarifa de R$ 7,90 por praça de pedágio, que são quatro entre Itanorte e Jangada, abrangendo as rodovias MTs 358 (Itanorte-Tangará-Assari), MT-343 (Assari-Barra do Bugres) e 246 (Barra do Bugres-Jangada). O Consórcio Via Brasil foi o único na disputa por este lote e assumirá o trecho após o término das obras de restauração do pavimento, com assinatura de contrato de concessão junto ao governo do Estado, no valor de R$ 3,103 bilhões para investimentos no período de vigência.

O leilão de concessão de rodovias à iniciativa privada foi promovido pelo governo do Estado de Mato Grosso e teve três lotes de rodovias estaduais, totalizando 512,2 quilômetros.  Este foi o segundo maior leilão de rodovias do Brasil, perdendo somente para o Governo de São Paulo, que concedeu 1.273 quilômetros de malha rodoviária.

Além do Lote 2 – com 233,2 quilômetros, das rodovias MT-246, MT-343, MT-358 e MT-480, nos trechos de Jangada a Itanorte – foram leiloados outros dois lotes de estradas estaduais: Lote 1, com 138,4 quilômetros da MT-220, no trecho entre Tabaporã e Sinop, e o Lote 3, com 140,6 quilômetros da MT-130, entre Primavera do Leste e Paranatinga.

Leia mais:  Governo confirma licitação da MT-240 e restauração da MT-358, mas segue com indefinição sobre a MT-339

As concessões têm prazo de 30 anos e o critério de julgamento das vencedoras durante o leilão foi o de menor valor da tarifa de pedágio, tendo como critério de desempate o maior valor de outorga, cujo valor mínimo estabelecido em edital era de R$ 50 mil.

Consórcio assumirá trecho Itanorte-Jangada após conclusão das obras de restauração do trajeto de 233 quilômetros.

O Lote 1, entre Tabaporã e Sinop, teve como vencedor o Consórcio Via Norte Sul, que ofertou o menor valor de tarifa, de R$ 8,25.  Este consórcio disputou o lote com o consórcio Via Brasil MT-220, que perdeu por ofertar uma tarifa de R$ 8,30. O valor do contrato soma R$ 1,173 bilhão.

Já o Lote 3, entre Primavera do Leste e Paranatinga, foi o único lote em que houve disputa entre os consórcios participantes, Via Brasil MT-130 e Primavera MT-130. Ambos ofereceram o mesmo valor de tarifa, de R$ 7,90, e o desempate foi realizado com a oferta de maior valor de outorga pelos consórcios.

O consórcio Via Brasil MT-130 ofereceu R$ 50 mil de outorga; já o consórcio Primavera MT-130 ofertou R$ 1 milhão, sendo considerado o vencedor deste lote. Com a maior oferta da outorga, o ágio sobre a outorga mínima estabelecido em edital foi de 1.900%. O valor desse contrato é de R$ 1,719 bilhão.

Leia mais:  Rumo Logística confirma investimentos em ferrovia no MT com trajeto entre Cuiabá e Lucas do Rio Verde

Ao todo, os contratos somam quase R$ 6 bilhões, com uma taxa de retorno de 9,2%. Os investimentos previstos para serem aplicados na melhoria dos três lotes das rodovias ao longo do prazo de concessão são da ordem de R$ 3,341 bilhões.

O resultado final do leilão dos três lotes foi homologado com a batida do martelo realizada pelo governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, pelo secretário-chefe da Casa Civil Mauro Carvalho e pelo secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira.

O representante do consórcio Via Brasil MT-246, Mário Marcondes, avaliou o leilão como positivo e um sucesso, apesar de o consórcio ter concorrido na disputa dos três lotes, mas ter vencido somente o Lote 2. O consórcio Via Brasil já é o responsável por duas concessões em Mato Grosso, das MT-320 e MT-208, em Alta Floresta, e da MT-100, em Alto Taquari.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana