conecte-se conosco

Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: Modal ferroviário, intermodalidade, biodiesel, safra e entrevistas são destaques

Publicado

A segunda edição do Momento Agrícola deste mês de abril traz uma série de abordagens relevantes para o agronegócio. No primeiro bloco, os destaques são a logística de transportes, o biodiesel e informações sobre a safra de grãos 2020/2021.

Nos blocos seguintes, três entrevistas exploram temas referentes a contratos de arrendamento, relações exteriores envolvendo o Agro e o mercado do milho.

De autoria do produtor rural, agrônomo e consultor Ricardo Arioli, o programa é veiculado aos sábados pela Rede de Rádios do Agro e repercutido em forma de notícias e com o link do Soundcloud pelo Enfoque Business, também aos finais de semana.

Intermodalidade

A viabilização do corredor ferroviário Leste-Oeste pelo Governo Federal é um assunto dos mais importantes no conteúdo do Momento Agrícola deste sábado.

Depois do leilão da concessão de parte da Ferrovia de Integração Oeste Leste (Fiol, EF-334), entre o porto de Ilhéus e Caetité, na Bahia, o governo, através do Ministério da Infraestrutura, projeta a interligação desta linha com a Ferrovia de Integração do Centro-Oeste, cortando o Brasil de ponta a ponta, no sentido longitudinal.

Projeção do Corredor Ferroviário Leste-Oeste: Expectativa de novos tempos para a economia brasileira.

O tema é muito bem abordado por Ricardo Arioli logo no início do primeiro bloco desta edição do Momento Agrícola. O produtor e apresentador do programa destaca que a intermodalidade representará um grande avanço do Brasil em termos de competitividade, projetando uma nova condição do país perante o mercado global.

Leia mais:  Momento Agrícola destaca os 40 anos de etanol no Brasil, integração lavoura-pecuária e o Sínodo da Amazônia

Biodiesel

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) suspendeu nessa semana a etapa 3A do 79º Leilão de Biodiesel, que visa abastecer o mercado em maio e junho. A suspensão atendeu a uma solicitação do Ministério de Minas e Energia.

Questionada, a ANP afirmou que a medida foi tomada “cautelarmente”.

No momento da suspensão, na última terça-feira (06), os preços do biocombustível já apontavam para 7,5 reais por litro, quase 3 vezes o valor do diesel fóssil nas refinarias da Petrobras, segundo informou à Reuters a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom).

No leilão anterior, o preço médio do biodiesel fechou em 4,708 reais/litro, sem considerar a margem da adquirente. Questionada, a ANP afirmou que a medida foi tomada “cautelarmente”.

O Momento Agrícola traz uma análise pontual sobre esse tema, destacando a importância socioeconômica da cadeia do biodiesel.

Outras

Outras abordagens desta edição do Momento Agrícola incluem uma pesquisa da Universidade de Lincoln, no estado do Nebraska (EUA), que concluiu que a mistura de 30% de etanol na gasolina é perfeitamente segura mesmo para os carros sem a tecnologia do motor flex.

Leia mais:  Momento Agrícola: Multa bilionária e insatisfação deixam Aprosoja-MT em risco; Ex-presidentes notificam diretoria

Ricardo Arioli traz esta abordagem para a realidade de Mato Grosso, que considera deter um verdadeiro “pré-sal” em termos de biocombustíveis, com sua grande produção de milho, soja e cana-de-açúcar.

Outro assunto relevante do Momento Agrícola, ainda no primeiro bloco do programa, é o 7º levantamento da safra de grãos 2020/2021, publicado esta semana pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Sobre o levantamento, Ricardo Arioli destaca os novos recordes da produção de grãos brasileira.

Também são destaques as entrevistas que o Momento Agrícola traz nos 2º, 3º e 4º blocos. Os temas abordados são ‘Os Perigos nos Contratos Rurais – Arrendamento’, com Albenir Querubini; ‘A Diplomacia do Agro’, com Ministro Alexandre Ghisleni, do Itamaraty; e ‘O Mercado do Milho’, com Paulo Molinari, da Safras e Mercado.

Para ouvir o Momento Agrícola na íntegra, clique abaixo:

publicidade

Agronegócio & Produção

Unificação: Município poderá ganhar núcleo de assistência e fomento à atividade rural

Publicado

A unificação da assistência técnica para as pequenas propriedades poderá ser uma novidade em Tangará da Serra ainda nesse ano. A informação é do secretário municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Rogério Rio, que articula a criação de um núcleo ou comitê de assistência técnica e fomento à atividade rural no município.

Rio informa que ao menos cinco órgãos e instituições deverão compor o núcleo/comitê, sendo eles a própria Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), a Empaer, o Senar-MT, a Unemat e o Sindicato Rural de Tangará da Serra. Também há conversações com o Indea e o Sindicato dos Trabalhadores Rurais. “A ideia é mapear a atividade rural, a produção do município, e distribuir tarefas”, explica.

Rogério Rio: “Nosso objetivo é fazer a assistência chegar na ponta, lá na propriedade, junto ao produtor”.

Conforme o secretário, a assistência técnica nas pequenas propriedades e na agricultura familiar precisa ser mais efetiva e harmonizada. “Nosso objetivo é fazer a assistência chegar na ponta, lá na propriedade, junto ao produtor”, observa.

Rogério Rio cita como exemplo a produção leiteira, uma atividade que resulta em renda mensal importante ao pequeno produtor e que, por isso, ajuda a fixar o homem no campo. Assim, uma assistência técnica e uma logística de comercialização adequadas podem resultar num incremento significativo na produtividade e na rentabilidade. “Muito leite sai de Tangará da Serra e vai para Arenápolis, Barra do Bugres e Curvelândia, enquanto o laticínio daqui do município tem que comprar leite lá fora”.

Leia mais:  Momento Agrícola: Multa bilionária e insatisfação deixam Aprosoja-MT em risco; Ex-presidentes notificam diretoria

Os cursos de qualificação do Senar também são mencionados pelo secretário. De ótima qualidade, os cursos oferecidos pelo órgão podem atender os pequenos de uma forma mais abrangente, em espacial os produtores assentados no Antônio Conselheiro e outros assentamentos.

As conversações em torno da unificação deverão resultar na formalização do núcleo ou comitê neste segundo semestre. “A unificação é uma ideia que vem sendo fomentada a mais tempo e que agora começa a tomar forma”, concluiu Rogério Rio.

(Foto cabeçalho: Empaer)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana