conecte-se conosco


Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: Fome de gigante, a carne nos EUA e marketing vegano são destaques

Publicado

O acúmulo de grande parte das reservas mundiais de milho, arroz e trigo pela China, a reação do governo americano contra os altos preços da carne nos EUA, as ações marketeiras contra a pecuária e as tradicionais entrevistas são os grandes destaques na segunda edição do Momento Agrícola deste ano de 2022.

De autoria do produtor rural, agrônomo e consultor Ricardo Arioli, o programa é veiculado aos sábados pela rede de rádios do Agro e repercutido em forma de notícias e com o link do Soundcloud pelo Enfoque Business, também aos finais de semana.

Gigante com fome

A China vai controlar 69% das reservas de milho de todo o mundo já no primeiro semestre de 2022, além de 60% das reservas de arroz e 51% do trigo. As projeções são do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), segundo o qual esse acúmulo aumentou em cerca de 20 pontos percentuais nos últimos 10 anos.

Alegando segurança alimentar, China provocou inflação mundial nos alimentos.

“Do ponto de vista chinês, isso se chama ‘segurança alimentar’, Para os países que precisam importar alimentos, esta é uma concorrência preocupante, mas para países exportadores – como o Brasil e os Estados Unidos – é uma boa notícia, pois trata-se de um mercado firme, que gera competição mundial e melhores preços para os nossos produtos”, observa Ricardo Arioli.

Leia mais:  Momento Agrícola: Questões de carbono nos EUA e na UE, tributos e diálogos são destaques

Interpretações à parte, a realidade é que o resultado desse acúmulo de reservas veio em forma de inflação: segundo os dados da Agência para a Alimentação e Agricultura da ONU, os preços dos alimentos dispararam 30% num ano em todo o mundo. Em novembro, o índice alimentar das Nações Unidas voltou a registar um novo máximo de 10 anos.

Arioli faz uma análise sob diversos ângulos sobre esta conjuntura internacional.

Reação americana

O governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou esta semana que vai direcionar US$ 1 bilhão para expandir a capacidade de pequenas processadoras de carne no país.

Marfrig é uma das quatro empresas que controlam 85% do mercado americano de carnes.

O investimento faz parte de uma iniciativa mais ampla para reduzir o que o governo Biden considera uma forte concentração no setor de processamento de carnes.

Quatro empresas controlam 85% do mercado americano de carnes (bovina e aves), e entre elas estão as brasileiras JBS e Marfrig. Arioli comenta sobre esta reação americana.

Leia mais:  Momento Agrícola: Questões de carbono nos EUA e na UE, tributos e diálogos são destaques

Marketing vegano

O Momento Agrícola também comenta o caso “segunda sem carne”. Depois da ‘furada’ do Bradesco ao divulgar peça de marketing pregando a “segunda sem carne”, foi a vez da rede de restaurantes de comida italiana Spoleto divulgar campanha publicitária com o mesmo nome.

A reação dos pecuaristas foi imediata e houve nota de repúdio à franquia italiana, como fez o Sindicato Rural de Ribeirão Preto (SP). “Não é crível que uma empresa de fast food reconhecida nacional e internacionalmente, que inclusive serve carne em seus pratos, preste um desserviço social como este, desaconselhando o consumo desta excelente fonte de proteína, cujos benefícios já foram cientificamente comprovados”, consta, em nota.

Em meio a esse marketing vegano, sobrou também para a cadeia do leite. Vale a pena ouvir o comentário de Ricardo Arioli sobre esse tema.

Outras

O Momento Agrícola também traz em seu conteúdo três blocos com entrevistas. O primeiro diálogo é sobre o tema “Irrigação com Luzes”, com Gustavo Grossi. Na sequência, a entrevista é com Carlos Ortiz, sobre “Transparência facilita Crédito”. No quarto bloco do programa, o tema explorado é “Tour da Safra pelo Sul da América do Sul”.

Para ouvir o Momento Agrícola na íntegra, clique abaixo:

publicidade

Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: Questões de carbono nos EUA e na UE, tributos e diálogos são destaques

Publicado

A decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos que limita o poder da Agência de Proteção Ambiental daquele país, a divergência na União Europeia sobre carros a combustão, entrevistas e outros assuntos relevantes para o Agro são os destaques da primeira edição do Momento Agrícola deste mês de julho.

De autoria do produtor rural, agrônomo e consultor Ricardo Arioli, o programa é veiculado aos sábados pela rede de rádios do Agro e repercutido em forma de notícias e com podcast Soundcloud pelo Enfoque Business, também aos finais de semana.

Menos poder

A   primeira edição do Momento Agrícola neste segundo semestre do ano traz à baila uma decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos que limita o poder da Agência de Proteção Ambiental americana (EPA, na sigla em inglês) de regular as emissões de carbono das usinas de energia termelétricas do país.

Por seis votos a três, a corte definiu, em sua sessão na última quinta-feira (30), que nenhuma agência federal americana deve ter escopo de ação que não seja o explicitamente concedido por lei aprovada no Congresso. A decisão foi relacionada ao caso Virgínia Ocidental contra EPA.

Leia mais:  Momento Agrícola: Questões de carbono nos EUA e na UE, tributos e diálogos são destaques

Para o ministro-chefe da Corte, John Roberts, “limitar as emissões de dióxido de carbono em um nível que forçará uma transição energética é uma solução sensata, mas uma decisão de tal magnitude cabe ao Congresso”, escreveu, na decisão, que é considerada uma grande derrota para o presidente Joe Biden, que tentava retomar a agenda climática que havia sido suspensa durante o governo de Donald Trump.

UE e a Combustão

Ricardo Arioli comenta, também, sobre uma divergência na Comunidade Europeia envolvendo a redução de gases de efeito estufa.

A Alemanha discordou da aprovação, pela União Europeia, do projeto de proibir a venda de motores a combustão a partir de 2035 nos países do bloco.

O ministro das Finanças da Alemanha, Christian Lindner, afirmou durante em recente conferência (21 de junho) “que continuaria a haver nichos para motores a combustão” e que a proibição “estava errada”, daí a discordância do governo alemão.

Numa análise bastante sensata, os alemães entendem que acelerar a transição para carros elétricos pode criar problemas e obstáculos como montar uma rede de recarga rápida e ultrarrápida o mais pulverizada possível, levando à ampliação da demanda por metais para as baterias de íons de lítio e à oscilação (para cima) do preço das próprias baterias.

Leia mais:  Momento Agrícola: Questões de carbono nos EUA e na UE, tributos e diálogos são destaques

Outras

O Momento Agrícola traz considerações sobre questões estratégicas no Brasil, como a necessidade de importação de óleo diesel pelo País em razão de sua insuficiência nos processos de refino de petróleo. Há, neste particular, a possibilidade de importação direta de diesel por grandes produtores, o que resultaria em menor carga tributária, já que a operação aconteceria em drawback.

Ainda sobre combustíveis, Ricardo Arioli comenta sobre o ICMS dos combustíveis, que tem rendido muita polêmica entre os governadores dos estados.

Nos blocos seguintes, Arioli traz diálogos sobre “O Plano Safra 22-23”, com Antônio da Luz, da Farsul; “O Baixo Carbono da nossa Agropecuária”, com Roberto Giolo, da Embrapa; e “Nosso Agro e a Política”, com Anderson Galvão.

Para ouvir na íntegra o Momento Agrícola deste sábado, clique no podcast abaixo:

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana