conecte-se conosco


Agronegócio & Produção

IBGE prevê safra de 271,9 milhões de toneladas; Apesar de queda, MT lidera com 28,5%

Publicado

Em janeiro, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas estimada para 2022 deve totalizar o recorde de 271,9 milhões de toneladas, 7,4% acima (18,7 milhões de toneladas) da obtida em 2021 (253,2 milhões de toneladas).

O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola divulgado hoje (10), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que a área a ser colhida é de 71,2 milhões de hectares, 3,8% (2,6 milhões de hectares) maior que a de 2021 e 0,3% (217,2 mil hectares) maior do que o previsto no mês anterior.

O arroz, o milho e a soja, os três principais produtos deste grupo, somados, representam 93% da estimativa da produção e respondem por 87,8% da área a ser colhida. Frente a 2021, houve acréscimos de 5,8% na área do milho (6,9% na primeira safra e 5,4% na segunda), de 7,2% na do algodão herbáceo e de 3,6% na da soja. Houve declínio de 0,9% na área do arroz e de 1,7% na do trigo.

Espera-se que a produção de soja totalize 131,8 milhões de toneladas, com redução de 4,7% em relação ao terceiro prognóstico, divulgado em janeiro, e de 2,3% na comparação com a produção do ano anterior.

Leia mais:  Momento Agrícola: Pneu de soja, corte de impostos e ‘Famato Embrapa Show’ são destaques

A produção de milho foi estimada em 109,9 milhões de toneladas, com crescimento de 0,9% frente ao mês anterior e 25,2% em relação a 2021. Já a estimativa de produção do arroz foi de 11 milhões de toneladas, queda de 4,9% frente ao produzido no ano passado.

MT diminui, mas lidera

Mato Grosso tem variação negativa, com 336 mil toneladas a menos, mas segue líder absoluto entre os estados.

A região Nordeste foi a única a ter aumento (1,1%) em sua estimativa frente a dezembro. Ela deve produzir 24,4 milhões de toneladas (9% do total do país). O maior declínio foi no Sul (-5,7%), que deve somar 80,2 milhões de toneladas (29,5% do total). O Norte teve queda de 2,6% e deve chegar a 12 milhões de toneladas (4,4% do total), enquanto o Centro-Oeste, com declínio de 0,2%, deve produzir 128,4 milhões de toneladas, ou 47,2% da produção nacional. O Sudeste deverá produzir 26,8 milhões de toneladas (9,9% do total).

Entre os estados, Mato Grosso lidera como o maior produtor nacional de grãos, com participação de 28,5%, seguido pelo Rio Grande do Sul (14,1%), Paraná (13,1%), Goiás (9,9%), Mato Grosso do Sul (8,5%) e Minas Gerais (6,2%), que, somados, representaram 80,3% do total nacional.

Leia mais:  Momento Agrícola: Pneu de soja, corte de impostos e ‘Famato Embrapa Show’ são destaques

As principais variações positivas nas estimativas da produção, em relação a dezembro, ocorreram no Piauí (267,9 mil toneladas), no Pará (179,5 mil toneladas), no Distrito Federal (35,3 mil toneladas), em Rondônia (35,0 mil toneladas), no Maranhão (5,4 mil toneladas) e no Rio de Janeiro (424 toneladas).

As principais variações negativas foram registradas no Paraná (-4,0 milhões de toneladas), em Santa Catarina (-860 mil toneladas), no Tocantins (-538,4 mil toneladas), em Mato Grosso (-336,3 mil toneladas) e no Ceará (-9,9 mil toneladas).

(Agência Brasil – Texto/foto topo)

publicidade

Agronegócio & Produção

Momento Agrícola: Pneu de soja, corte de impostos e ‘Famato Embrapa Show’ são destaques

Publicado

O uso do óleo de soja na fabricação de pneus, as inovações da Embrapa e outros assuntos de interesse do Agro compõem o conteúdo do Momento Agrícola deste sábado (14.05).

De autoria do produtor rural, agrônomo e consultor Ricardo Arioli, o programa é veiculado aos sábados pela rede de rádios do Agro e repercutido em forma de notícias e com o link do Soundcloud pelo Enfoque Business, também aos finais de semana.

Pneu de soja

O primeiro destaque do Momento Agrícola deste sábado, no bloco inicial do programa, é o lançamento no mercado brasileiro, pela Goodyear, do primeiro pneu que leva óleo de soja em sua composição. Trata-se do novo Wrangler Workhorse, fabricado em Americana (SP) e voltado para picapes e SUVs.

Segundo a Goodyear, o óleo de soja substitui os derivados de petróleo na produção do pneu que, além de ser mais sustentável também tem desempenho superior ao seu antecessor, o Wrangler Armortrac. A indústria afirma que o pneu com soja é mais durável, oferecendo melhor dirigibilidade em piso molhado e mais tração em todos os tipos de terreno. Outra vantagem, segundo a Goodyear, é que o óleo de soja assegura melhor desempenho em diferentes temperaturas, com maior aderência na pista.

Leia mais:  Momento Agrícola: Pneu de soja, corte de impostos e ‘Famato Embrapa Show’ são destaques

Outras

O Momento Agrícola também destaca as inovações da Embrapa, a organização do ‘Famato Embrapa Show’, as tecnologias desenvolvidas para o Agro, notícias sobre fertilizantes (potássio) que poderão vir da Jordânia, os cortes em impostos de produtos importados, entre outros assuntos.

Para concluir a edição deste sábado, o Momento Agrícola traz entrevistas com os temas “Até o Berro do Boi”, com Sérgio Pflanzer, da Unicamp, e “Defensores do Agro”, com o aluno Vittorio Vieira.

Para ouvir o Momento Agrícola na íntegra, clique abaixo:

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana