conecte-se conosco

Agronegócio & Produção

IBGE: Cai o abate de bovinos e crescem os de suínos e frangos no 3º trimestre de 2020

Publicado

Os primeiros resultados da produção animal no 3º trimestre de 2020 apontam que o abate de bovinos recuou 10,8%, o de suínos aumentou 7,0% e o de frangos teve alta de 1,8% na relação com o mesmo trimestre de 2019. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apurados através de levantamento trimestral da agropecuária.

Por outro lado, na comparação com o 2º trimestre de 2020, o abate de bovinos e de suínos subiu 3,8%, enquanto o de frangos cresceu 6,2%. A aquisição de leite foi de 6,36 bilhões de litros, aumento de 1,2% na comparação anual e incremento de 10,5% em relação ao trimestre anterior.

Já a aquisição de peças de couro pelos curtumes caiu 6,6% frente ao 3º tri de 2019 e cresceu 9,5% em relação ao segundo trimestre de 2020, somando 8,02 milhões de peças inteiras de couro. Foram produzidos 993,19 milhões de dúzias de ovos de galinha no 3º trimestre de 2020, um aumento de 2,0%, tanto na comparação anual quanto em relação ao 2° trimestre de 2020

Leia mais:  Safra 2020: IBGE prevê novo recorde, com MT respondendo por 28% do total

Bovinos

No 3º trimestre de 2020, foram abatidas 7,58 milhões de cabeças de bovinos, o que representa uma variação negativa de 10,8% na comparação com o 3º trimestre de 2019. Em relação ao 2º trimestre de 2020, houve alta de 3,8%.

Redução no abate de bovinos coincide com a menor disponibilidade de animais no país em meio ao ciclo de alta da atividade pecuária e ao período de entressafra.

A produção de 2,02 milhão de toneladas de carcaças bovinas no 3º trimestre de 2020 consistiu em uma retração de 8,0% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior e aumento de 7,6% em relação ao 2º trimestre de 2020.

A redução no abate de bovinos coincide com a menor disponibilidade de animais no país em meio ao ciclo de alta da atividade pecuária e ao período de entressafra, quando há menor disponibilidade de pastagens e, portanto, de oferta de animais.

Paralelamente, os aumentos nos custos de reposição de alimentação animal neste ano também desestimularam o confinamento que garantiria a oferta neste período, o que levou alguns frigoríficos a suspenderem as atividades em unidades menores para reduzir custos operacionais.

Leia mais:  Momento Agrícola: Mercado árabe, avanço dos biológicos, conectividade e Funrural são destaques

Suínos

Já o abate de suínos somou 12,57 milhões de cabeças no 3° trimestre de 2020, um aumento de 7,0% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Houve alta de 3,8% na comparação ao 2° trimestre de 2019.

O peso acumulado das carcaças registrou 1,16 milhão de toneladas no 3º trimestre de 2020, o que consistiu em aumentos de 9,4% em relação ao 3° trimestre de 2019 e de 4,8% em comparação com o 2º trimestre de 2020.

Frangos

Foram abatidas 1,50 bilhão de cabeças de frango no 3º trimestre de 2020. Esse resultado significou aumento de 1,8% em relação ao trimestre equivalente de 2019. Também houve alta de 6,2% na comparação com o 2º trimestre de 2020.

O peso acumulado das carcaças foi de 3,45 milhões de toneladas no 3º trimestre de 2020, número que indica aumento de 0,3% em relação ao 3º trimestre de 2019. Houve acréscimo de 7,1% frente ao 2º trimestre de 2020.

(*) Redação EB, com IBGE

publicidade

Agronegócio & Produção

SENAR-MT: Curso de agente sanitário de saúde animal capacita profissional para atuar na vacinação

Publicado

Mato Grosso é o estado que tem o maior rebanho bovino de corte no país. São cerca de 29,7 milhões de cabeças segundo o último levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2017.

A pecuária, em suas várias esferas de criação – que compreende também os ovinos, suínos, caprinos, asininos, equinos e os muares -, necessita de mão de obra qualificada para fazer o manejo e cuidar da saúde do rebanho.

Para atender essa necessidade, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT), em parceria com os Sindicatos Rurais, oferta o curso de agente sanitário em saúde animal. O objetivo é ensinar os participantes a conhecerem as principais doenças que acometem o rebanho pecuário.

Além de capacitar mão de obra para garantir a saúde animal, o curso também tem o objetivo de instruir sobre os procedimentos e as legislações referentes aos Serviço de Defesa Sanitária Animal. Uma das funções exercidas pelo agente sanitário em saúde animal é a vacinação do rebanho contra doenças como febre aftosa e brucelose.

Leia mais:  Momento Agrícola: Novos hábitos de consumo, açúcar, tecnologia paga mas não utilizada e futuro do milho são destaques

Inscrições e contatos

O treinamento tem carga horária de 40 horas e é oferecido de forma gratuita. Os interessados em se capacitar para atuar neste setor devem procurar o Sindicato Rural de seu município para saber se há turmas previstas e se há vagas.

Em Tangará da Serra, o Sindicato Rural tem sede junto ao Parque de Exposições, na Avenida Lions Internacional (telefone 65 3325-0142). Outros Sindicatos Rurais da região também podem receber inscrições: Arenápolis (65 3343-2217), Barra do Bugres (65 3361-1247), Campo Novo do Parecis (telefone 65 3382-2491), Diamantino (65 3336-1639), Sapezal (65 3383-2557).

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana