conecte-se conosco


Cidades & Geral

Greve dos Caminhoneiros: Associação descarta paralisação em Tangará; MT não adere à greve

Publicado

Em Tangará da Serra e em Mato Grosso não haverá paralisação dos caminhoneiros. Quem afirma é o presidente da Associação dos Proprietários de Caminhões de Transporte (APCTTS), Edgar Laurini.

No restante do estado, a greve também não receberá adesões, segundo informou a Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Autônomos (Abrava) e a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA). As entidades afirmam que não aderiram à paralisação iniciada em alguns estados do país na manhã desta segunda-feira (01).

Posicionamento

Tanto a APCTTS como a ABRAVA e a CNTA entendem que não é momento para uma paralisação em razão da pandemia e da safra de grãos, cuja colheita está em andamento nas lavouras em todas as regiões de Mato Grosso.

O presidente da Abrava, Wallace Landim, um dos principais líderes da greve de caminhoneiros de 2018, reconheceu que a categoria não pode ficar de “braços cruzados” e precisa reivindicar as conquistas do movimento anterior, em 2018, mas argumentou que a manifestação atual ganhou cunho político e está polarizada, com parte defendendo o presidente Jair Bolsonaro e outra parte contrária. “Uns estão focando na questão da eleição na Câmara e no Senado. Outros estão contra os governadores”.

Caminhoneiros de Mato Grosso não abrem mão da responsabilidade na safra de grãos.

Já o presidente da APCTTS, Edgar Laurini, destaca que em Mato Grosso os caminhoneiros têm compromisso com os produtores rurais neste momento de colheita da soja. “São os caminhoneiros autônomos que vão lá na lavoura buscar a soja para levar aos secadores. Não podemos deixar de lado esta responsabilidade”, diz Laurini.

Leia mais:  Caldo de cana na Feira do Centro, um brinde à história e à geração de emprego e renda

O líder tangaraense dos caminhoneiros afirma, ainda, que a categoria não compactua com o pensamento do presidente do Conselho Nacional dos Transportes Rodoviários de Cargas (CNTRC), Plínio Dias, de Curitiba. Ele é o principal líder da paralisação que ocorre no Paraná e em São Paulo. “O Plínio não nos representa, e sim a CNTA, que é contra a paralisação”, afirma.

Pleitos

Greve à parte, a Abrava cobra o cumprimento do piso mínimo do frete e o julgamento sobre o assunto no Supremo Tribunal Federal (STF) e mantém diálogo com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, para que o presidente Jair Bolsonaro solucione a questão dos preços de combustíveis.

Outra reivindicação é a isenção do PIS/Cofins e da Cide, além de outra redação para o projeto BR do Mar, para impedir favorecimento de empresas estrangeiras e consequentes prejuízos para caminhoneiros autônomos e a concentração de mercado.

Já para a CNTA, o assessor executivo, Marlon Maues, reconheceu que existe uma insatisfação da categoria, mas disse que a paralisação deveria ser o último recurso para pleitear interesses, já que há uma agenda positiva junto ao governo há dois anos, com 18 pontos itens e reuniões quinzenais ou mensais com o ministério da Infraestrutura para estender e destravar a contratação do trabalhador autônomo.

Leia mais:  Feira do Centro oferece fruto da América para sucos, doces e pratos com peixes e carnes

A CNTA é a entidade máxima constituída para defender a categoria autônoma, que a entidade calcula somar mais de 1 milhão de trabalhadores. A entidade, que defende a redução do CMS sobre os combustíveis, avalia que o movimento não deve ter muita força e ser localizado. Segundo sondagens próprias com sindicatos, 80% dos caminhoneiros do Brasil querem trabalhar, até porque é período de safra, segundo Maues. O assessor executivo ainda disse que a CNTA tem lutado pelos pleitos dos caminhoneiros, mas que muitas das reivindicações do movimento marcado para esta segunda estão equivocadas.

publicidade

Cidades & Geral

Feira do Centro oferece fruto da América para sucos, doces e pratos com peixes e carnes

Publicado

As frutas estão entre os itens mais comercializados na Feira do Produtor do Centro. Nesta época do ano, uma fruta da época se destaca pela qualidade e visual notável: o maracujá.

Oferecido fartamente no setor de hortifrutis do mercado público de Tangará da Serra, o maracujá é alternativa de renda na agricultura familiar a partir de um manejo especializado para manter o bom padrão.

O fruto é natural da América e pode ser encontrado, nativo, em matas desde o Rio Grande do Sul até o norte do Brasil. Também é comum em toda a América Central e na Flórida, já nos Estados Unidos.

Oferecido fartamente no setor de hortifrutis do mercado público de Tangará da Serra, o maracujá é alternativa de renda na agricultura familiar.

Além de saborosa, a fruta rende inúmeros benefícios à saúde humana, sendo importante para fortalecer o sistema imunológico, controlar a glicose no sangue e, também, no combate ao estresse e à ansiedade.

De acordo com o presidente da Associação dos Feirantes (Asfet), Valdeci Ferraz Aquino, o maracujá ofertado na Feira se destaca pela qualidade e preço atrativo. “A qualidade do maracujá oferecido pelos nossos feirantes sempre chama atenção do consumidor e isso ajuda a manter uma grande movimentação na Feira do Centro às quartas e aos domingos”, observa.

Leia mais:  Meteorologia prevê onda de frio intenso no país; Tangará da Serra poderá ter mínimas de 5°C

Maracujá na culinária

O maracujá pode ser consumido ao natural ou na forma de sucos. Mas o fruto incrementa a culinária brasileira como um ingrediente de classe. O maracujá rende sorvetes, musses, bolos, tortas e vários tipos de doces.

Mas também é utilizado com sucesso e requinte em pratos salgados à base de peixes e carnes vermelhas e de frango.

Para ver 48 receitas com maracujá, acesse o seguinte link a seguir clicando nos trechos sublinhados em vermelho: https://www.receiteria.com.br/receitas-com-maracuja/

Atendimento

Neste domingo, mais um a vez a Feira estará de portas abertas a partir das 06h00, até o meio-dia. Além do maracujá e outras frutas, os consumidores terão à sua disposição uma grande variedade de hortaliças, carnes e embutidos, leite natural e seus derivados, produtos coloniais, doces, temperos, além da tradicional praça de alimentação.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana