conecte-se conosco


Economia & Mercado

FCO Empresarial: Pagamento de parcelas vencidas ou vincendas é prorrogado até dezembro

Publicado

Os empresários que contrataram os financiamentos do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO) podem prorrogar, desde a última sexta-feira (02.07), o pagamento das parcelas vencidas ou vincendas. A decisão foi anunciada durante reunião do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Codem), composto pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Sedec-MT), parceiros e membros da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco).

A medida está estabelecida na Resolução CMN nº 4.908/2021, que autoriza as instituições financeiras administradoras do Fundo a prorrogar por até doze meses, as parcelas com vencimento entre 1º de janeiro de 2021 e 31 de dezembro de 2021, vencidas e vincendas, das operações de crédito empresarial contratadas com recursos do FCO até 31 de dezembro de 2020. Desde que os mutuários comprovem as perdas ocasionadas pela pandemia da covid-19 e não possuam parcelas em atraso anteriores a 31 de dezembro de 2020.

Caberá ainda à instituição financeira atestar a dificuldade temporária para reembolso do crédito pelo mutuário.

O aumento do prazo é considerado pelo presidente do Codem e secretário de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso, César Miranda, como uma oportunidade para os empresários reequilibrarem as contas.

Leia mais:  Risco de crise energética justifica investimentos em hidrelétricas; Região tem seis projetos

“É de suma importância para o empresariado ter esse acréscimo de tempo para quitar os financiamentos, levando em conta que esse foi um dos setores mais afetados pela pandemia da covid-19. Eles precisam desse prazo para fortalecer seus negócios, já que muitos segmentos ficaram fechados por longos períodos e, consequentemente, não geraram renda ou se conseguiram gerar foi em proporção bem inferior ao esperado”, ressalta Miranda.

publicidade

Economia & Mercado

Diesel e gasolina ainda sem alíquota reduzida de ICMS; Altas em 2021 chegaram a 44%

Publicado

A gasolina e do diesel em Tangará da Serra ainda estão sendo comercializados com incidência de alíquota de 25% e 17% de ICMS, respectivamente.

Os preços já com as alíquotas reduzidas de 23% e 16% serão praticados somente após as primeiras aquisições de cargas pelos postos de combustíveis. A informação foi levantada pelo Enfoque Business junto a estabelecimentos.

A redução de 2% na alíquota de ICMS representará de R$ 0,10 a R$ 0,14 a menos no preço do litro da gasolina nas bombas, assim que passar iniciar a comercialização dos novos estoques.

Desde o último sábado (01/01/2022) vigora o pacote de redução de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) implementado pelo Governo de Mato Grosso sobre a energia elétrica, a comunicação, o gás industrial, a gasolina e o diesel.

As reduções das alíquotas estão determinadas pela Lei Complementar nº 708, sancionada pelo governador Mauro Mendes em dezembro.

No país

Segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio da gasolina comum subiu 44,3% e o do diesel, 44,6%, nos postos de combustíveis do país em 2021.

Leia mais:  BNDES libera cartão de crédito para MEI – Micro Empreendedor Individual – com taxas de até 1,05% ao mês

A gasolina começou o ano, em janeiro passado, com o valor médio de R$ 4,622 enquanto o diesel estava em R$ 3,696 o litro. Em dezembro, os combustíveis fecharam o ano com uma média de R$ 6,670 e R$ 5,347 respectivamente.

O preço dos combustíveis foram um dos principais motivos para a alta da inflação em 2021. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15) terminou 2021 com alta de 10,42%, valor quase três vezes acima da meta estabelecida pelo governo para o ano, de 3,75%.

Só em dezembro, a alta do IPCA-15 foi influenciada, principalmente, pelos preços dos combustíveis (+3,4%) e, em particular, da gasolina (+3,28%). Além disso, os preços do etanol (+4,54%) e do óleo diesel (+2,22%) também subiram, embora as variações tenham sido menores que as do mês anterior (7,08% e 8,23%, respectivamente).

(Redação EB, com informações de R7)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana