conecte-se conosco

Economia & Mercado

Estado estima 230 mil empregos diretos e indiretos durante construção de ferrovia

Publicado

Além de auxiliar no escoamento de grãos e fortalecer a logística do agronegócio em Mato Grosso, a construção da 1ª Ferrovia Estadual será responsável pela geração de mais de 230 mil empregos diretos e indiretos. O investimento estimado para implantação da ferrovia é de R$ 11,2 bilhões, com recursos 100% privados. O Estado terá o papel de fiscalizar toda a condução do projeto realizado por meio de concessão.

A assinatura do contrato do Governo do Estado com a empresa Rumo S/A foi realizada nesta segunda-feira (20.09), em Cuiabá, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde. O início da construção do modal está previsto para o segundo semestre de 2022. A construção da ferrovia prevê 730 quilômetros de linha férrea que vão interligar os municípios de Rondonópolis a Cuiabá, além de Rondonópolis com Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, e que vão se conectar à malha ferroviária nacional, em direção ao Porto de Santos (SP).

“A Rumo já está com os estudos que há alguns anos ela vem trabalhando e sempre teve muito interesse neste traçado, apostou nisso e, com o chamamento aportou toda a ambientação necessária. A partir do licenciamento ambiental, a empresa tem até seis meses para começar essa obra, que segundo a metodologia do BNDES o impacto de investimento na geração de empregos é de 230 mil empregos criados de forma direta e indireta, envolvendo obras que vão desde obras civil em campo, engenharia, planejamento, indústria, fabrica de trilhos, de trem, de carro, fazendo com que uma cadeia de empregabilidade enorme seja ativada”, afirmou o governador Mauro Mendes.

Leia mais:  Semana do Brasil: Comércio abre neste sábado até às 18hs; Baixa renda receberá máscaras

A previsão é de que o trecho entre Rondonópolis e Cuiabá esteja concluído e em funcionamento no ano de 2025; enquanto a operação no trecho Cuiabá a Lucas do Rio Verde deverá começar em 2028. Os estudos de impacto ambiental também foram essenciais para que projeto pudesse ser realizado.

“O Estado de Mato Grosso é o maior produtor brasileiro de commodities agrícolas e fazemos isso, preservando 62% do território. Não existe no Brasil território que produza tantos alimentos, preservando o meio ambiente, além de ser uma região que pode dobrar a produção nos próximos 10 anos – chegando a 30 milhões de toneladas. Vamos fazer com produtividade, eficiência, biotecnologia, convertendo áreas degradadas de pastagem. Se nós não tivéssemos essa possibilidade de escoamento via ferrovia de grandes volumes e grandes distâncias, íamos entupir os portos brasileiros, além de gerar prejuízos ambientais. Estamos seguros que a ferrovia terá um impacto muito positivo para Mato Grosso e para o Brasil”, concluiu o governador.

Para o vice-prefeito de Nova Mutum, Alcindo Uggeri, a geração de empregos será importante para o desenvolvimento econômico na região.

“Esse evento consolida o nosso desenvolvimento e seremos o celeiro do mundo”, ressaltou Alcindo.

O presidente da Rumo S/A, João Alberto Fernandez de Abreu destacou as possibilidades de complementação de carga. A Rumo S/A terá direito a explorar o serviço pelos próximos 45 anos.

Leia mais:  Dia dos Pais: Decreto autoriza Comércio até às 18h00 deste sábado; Setor mostra otimismo

“Com relação a toda movimentação de carga a exportação de grãos sai de Mato Grosso em direção ao Porto de Santos. O Brasil é o maior importador de fertilizantes do mundo e metade desse volume vem para essa região do país, além disso, toda a produção de etanol de milho que desce em direção ao centro do consumidor, principalmente em São Paulo, volta com diesel e gasolina – produtos que são fundamentais e que são consumidos aqui na região. Então, à medida que o Estado exporta frango congelado, carne congelada, entre outros produtos, você tem essa conexão que passa a existir com a cidade de Cuiabá e com o principal centro industrial do país que é o Estado de São Paulo, esse mercado interno passa também a ser fomentado”, disse o presidente.

Conforme estudos da Rumo, 26 municípios serão impactos positivamente com os trilhos da ferrovia. Entre eles Sinop, Vera, Nova Ubiratã, Sorriso, Santa Rita do Trivelato, Paranatinga, Diamantino, Nobres, Rosário Oeste, Chapada dos Guimarães, Várzea Grande, Santo Antônio do Leverger, Jaciara, São Pedro da Cipa, Juscimeira, Pedra Preta, São José do Povo, Poxoréu, Primavera do Leste, Campo Verde, Planalto da Serra, Nova Brasilândia, Cuiabá, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum e Rondonópolis.

(Ascom Sinfra-MT)

publicidade

Economia & Mercado

Na escalada dos preços, frango, ovos, carnes e derivados disparam e assustam consumidor

Publicado

As sucessivas altas dos preços em todos os segmentos já deixaram de apenas assustar e já se promovem a roteiros de filmes de terror para o consumidor. Ao lado dos combustíveis, os preços das proteínas são, agora, as maiores afrontas aos bolsos dos cidadãos.

O levantamento dos produtos da cesta básica cobrados no principal centro consumidor do país – São Paulo –  divulgado nesta semana pelo Procon mostra que o frango resfriado acumula altas muito acima das outras proteínas de janeiro a setembro de 2021. Segundo a pesquisa, o quilo do frango aumentou 35,89%, 519% o percentual apurado pelo medidor oficial da inflação nacional, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), do IBGE, de 6,90% nos nove meses deste ano.

A carne da ave custava R$ 8,67 no fim de dezembro de 2020 e foi encontrada por R$ 11,78 em média em setembro de 2021. Pelo jeito, os nutricionistas vão precisar trabalhar dobrado para convencer os brasileiros a não renunciarem às proteínas nas compras do supermercado.

Leia mais:  Copom reduz juros básicos para 5% ao ano, o menor nível da história

O quilo do presunto aumentou 23,22% nos nove primeiros meses, de R$ 26,05 a R$ 32,10. A dúzia de ovos está 20,08% mais cara (era R$ 7,32 e está R$ 8,79). A carne de segunda sem osso subiu o dobro da inflação medida pelo IPCA, de R$ 31,45 para R$ 35,81 (13,86% de variação).

A carne de primeira foi a com menor elevação, mesmo assim acima da inflação de todos os produtos. De janeiro a setembro, o produto, cada vez mais nobre, aumentou 9,46%. Saía por já bem dolorosos R$ 39,10 o quilo para R$ 42,80.

A explicação para a disparada no frango, acima das outras proteínas, justifica-se por uma série de fatores. O milho, utilizado como ração aos animais, subiu mais de 50% em um ano por causa das secas e da valorização das commodities. Ao mesmo tempo, a procura pelo produto aumentou com a impossibilidade de o consumidor bancar carnes mais caras. E se tem gente demais querendo comprar, o reajuste é inevitável.

Carne suína sobe menos

Mesmo com a alta acumulada ao longo do ano, a carne suína não acompanhou o ritmo de valorização do produto bovino e do frango. É o que mostra um levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP. De acordo com a pesquisa, a carcaça especial suína subiu 0,8% de janeiro a outubro deste ano frente a igual período de 2020, chegando à média de R$ 10,54 por quilo em 2021 em valores deflacionados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de setembro. Na mesma base de comparação, a carcaça bovina e o frango inteiro resfriado avançaram 21,4% e 28,8%, respectivamente, com médias de R$ 20,44 e R$ 7,09 por quilo.

Leia mais:  Buscando reação aos efeitos da pandemia, comércio abrirá até às 20hs neste sábado em Tangará da Serra

Para o presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), Valdecir Folador, o desempenho mais fraco do produto suíno pode ser explicado pelos baixos valores de exportação, que funcionam como bússola para os preços internos.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana