conecte-se conosco


Cidades & Geral

Domingo de feira: Fruta da época, manga tem qualidade e preço baixo na Feira do Centro

Publicado

O último quadrimestre do ano é marcado, em Mato Grosso, pela abundância da manga, uma fruta de origem asiática que se adaptou perfeitamente em solo brasileiro.

O presidente da Associação dos Feirantes, Valdeci Ferraz Aquino, chama atenção pela variedade, qualidade e sabor da fruta na Feira do Produtor do Centro. “O consumidor que vem aqui na feira pode comprovar a qualidade e o sabor da manga oferecida pelos nossos feirantes, e o preço muito atrativo, pois estamos na época dessa fruta”, observa, citando que as variedades mais comuns são a bourbon, a ada, a maçã e a rosa.

Na Feira, a manga pode ser encontrada nos seguintes boxes: 12-A (João Fernando Sanches, do Bezerro Vermelho), 18-A (José Luiz Alves, Vale do Sol I – na foto do topo), 64-A (Ivanilde da Silva, MT-358, saída para Campo Novo) 03-B (Joselma de Moura Maria, da Linha 12), 08-C (Sueli Borges dos Santos, Estrada do Mutum), 13-C (Jeremia Goiano, do Riozinho – Nova Olímpia) e 41-C (Sueli da Costa, Comunidade Belo Horizonte).

Leia mais:  Espaço Multieventos: Conselho Metropolitano aprova criação do Parque Novo Mato Grosso

Benefícios da manga

A manga é conhecida pelo homem há cerca de 4 mil anos. Pela facilidade de adaptação no Brasil, é muito consumida pelos brasileiros. Tem sabor peculiar, doce e refrescante e pode ser consumida in natura, na forma de sucos e doces. Na culinária, compõe muitas receitas doces e salgadas.

É rica em fibras, antioxidantes, vitaminas como A e C e são fontes de minerais como cálcio, zinco, potássio, ferro e magnésio. Em 100 g do alimento há cerca de 60 kcal.

A manga faz bem ao coração, é antioxidante e previne a prisão de ventre. Fortalece a imunidade, combate a anemia, regula o açúcar no sangue e, de quebra, favorece a visão, a concentração e a memória.

publicidade

Cidades & Geral

Centro de Eventos: Ajustes no projeto e divergência forçaram paralização; Obras prosseguem

Publicado

A paralisação verificada esta semana nas obras do Centro de Eventos, em Tangará da Serra, foram motivadas por ajustes no projeto e divergência funcional. Uma equipe de técnicos, com um engenheiro, esteve ontem na cidade para regularizar as duas situações e dar prosseguimento às obras.

Segundo o secretário municipal de Turismo, Wellington Rondon, a equipe informou que a cobertura será toda pré-moldada, com fabricação das estruturas em Cuiabá. “Houve ajustes no projeto e começaram a fabricação”, disse o secretário, conforme as informações que recebeu.

Equipe da empreiteira responsável pelas obras avalia adequações no projeto do Centro de Eventos (Foto: SEDEC/SEADTUR).

Outro problema que forçou a paralisação temporária das obras – segundo informações repassadas pelo secretário de Indústria e Comércio do município, Silvio Sommavilla – diz respeito a divergências funcionais com um colaborador, que acabou sendo substituído pela empreiteira.

Obra

O Centro de Eventos de Tangará da Serra está sendo construído pelo Governo do Estado de Mato Grosso, através da SEDEC/SEADTUR, com recursos do Programa de Desenvolvimento Sustentável de Turismo (PRODESTUR), via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Leia mais:  Caminhoneiros: APCTTS diz que greve é improvável em razão da safra e da pandemia

Novela

Com projeto concebido e aprovado em 2012 e obras iniciadas em 2016, o Centro de Eventos de Tangará da Serra teve suas obras paralisadas por diversas vezes, seja por ineficiência e atrasos nos repasses do governo à empresa responsável, seja por problemas técnicos das empreiteiras.

Desta vez, a paralisação foi motivada por necessidade de ajustes no projeto, mas terão continuidade.

Estrutura

O Centro de Eventos representará uma nova fase para Tangará e região no turismo de negócios. Os grandes eventos voltados a qualquer setor (agropecuária, indústria, tecnologia, serviços, educação, meio ambiente, etc.) proporcionarão fluxos importantes de visitação aos pontos turísticos existentes no município.

Com uma área física projetada de 3,8 mil metros quadrados e capacidade para comportar até oito eventos simultâneos, o Centro de Eventos terá estrutura interna com ilhas de WC, cozinha, varanda de serviços, depósitos, dependência administrativa, área para carga e descarga e espaço para câmara fria. Haverá, também, uma área externa de 9 mil metros quadrados para eventos como o Carnaval e outros de grande porte. O estacionamento contará com cerca de 450 vagas.

Leia mais:  Sites de meteorologia preveem chuvas e virada no tempo na capital, na serra de Tapirapuã e no Chapadão

A gestão do espaço e a captação de eventos deverá ser de responsabilidade um ‘convention bureau’, espécie de autarquia formada por representantes do trade turístico e do poder público.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana