conecte-se conosco


Cidades & Geral

Descontentes desde 2015, caminhoneiros podem paralisar em julho, com adesão em Tangará

Publicado

Aumentos sucessivos no preço do diesel, altas na gasolina, encarecimento de peças e pneus, inexistência de plano de vacinação contra a Covid-19, más condições de trabalho.

Estes são os principais pontos do descontentamento geral da categoria dos caminhoneiros em todo o Brasil que poderá resultar em uma nova paralisação, com possibilidade de adesão em Tangará da Serra.

O descontentamento não é de hoje, e vem desde o governo de Dilma Rousseff (PT), tanto que em 2015 os caminhoneiros autônomos chegaram a pedir a renúncia da presidenta petista. Em 2018, houve uma paralisação histórica pela redução do preço do diesel, que estabeleceu caos no país.

A paralisação poderá reprisada em 2021, em julho, pelos mesmos motivos. O Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas – CNTRC, através de nota, para uma paralisação, por prazo indeterminado, a partir do próximo dia 25 de julho, dia do caminhoneiro (São Cristovão).

Laurini: “Aumentos do diesel e custos dos insumos inviabilizam o trabalho”.

Segundo Edgar Laurini, presidente da Associação de Proprietários de Caminhões e Transportadores de Cargas de Tangará da Serra (APCTTS), em Tangará da Serra ainda não há indicativos de que haverá greve, mas a adesão ao possível movimento nacional, em julho, não está descartada.

Leia mais:  Caldo de cana na Feira do Centro, um brinde à história e à geração de emprego e renda

“É possível, sim, pois o preço do frete e os altos custos dos insumos está tornando o trabalho inviável”, disse Edgar, em contato com o Enfoque Business. Ele cita os pneus de caminhões de cargas, que saltaram de R$  1.400,00 para R$ 3.000,00, além das peças de reposição, que também estão bem mais caras.

Diesel

O CNTRC alega, entre as justificativas para uma possível greve, que os reajustes nos preços dos combustíveis promovidos pela Petrobras, sem explicações adequadas, ferem inclusive determinações do Código de Defesa do Consumidor – CDC.

Cita também que as tentativas de discussão do assunto com a direção da empresa foram frustradas. Além disso, a proposta de política de preços encaminhada, que recebeu a promessa de análise por parte da companhia, até hoje não teve resposta.

Houve, também, o fim de uma isenção temporária de impostos federais, que valeu por dois meses. O CNTRC defende a taxação de exportações de petróleo e a utilização da mesma para reduzir impostos sobre os combustíveis.

Leia mais:  Meteorologia alerta para frio de 8°C na madrugada desta quinta na região de Tangará

Taxação

A Petrobras adota, desde 2016, o Preço de Paridade de Importação (PPI) para reajustar os combustíveis no Brasil. Na época, os reajustes eram praticamente diários, seguindo a flutuação do mercado internacional, mas agora não há prazo determinado.

Em 2018, os caminhoneiros promoveram uma greve histórica contra o valor do diesel

A demanda dos caminhoneiros, que chegaram a promover uma greve histórica contra os preços do diesel, em 2018, segue-se ainda a constantes reclamações do próprio presidente Bolsonaro sobre o custo dos combustíveis.

Na carta enviada ao presidente Bolsonaro, a CNTRC pede que o Governo adote a taxação de exportações de petróleo bruto “como medida imediata”, enquanto outros pleitos devem ser analisados, como o fim da busca pela paridade de importação.

“Os recursos advindos da taxação na exportação de petróleo bruto poderão ser utilizados para compensar Estados e União na redução de impostos sobre combustíveis”, sugeriu o grupo de caminhoneiros.

Desde que Luna tomou posse, em 19 de abril, a Petrobras realizou apenas um reajuste de preços (um recuo para gasolina e diesel), anunciado em 30 de abril. O cenário internacional contribuiu, uma vez que os preços tiveram uma certa estabilidade.

publicidade

Cidades & Geral

Feira do Centro oferece fruto da América para sucos, doces e pratos com peixes e carnes

Publicado

As frutas estão entre os itens mais comercializados na Feira do Produtor do Centro. Nesta época do ano, uma fruta da época se destaca pela qualidade e visual notável: o maracujá.

Oferecido fartamente no setor de hortifrutis do mercado público de Tangará da Serra, o maracujá é alternativa de renda na agricultura familiar a partir de um manejo especializado para manter o bom padrão.

O fruto é natural da América e pode ser encontrado, nativo, em matas desde o Rio Grande do Sul até o norte do Brasil. Também é comum em toda a América Central e na Flórida, já nos Estados Unidos.

Oferecido fartamente no setor de hortifrutis do mercado público de Tangará da Serra, o maracujá é alternativa de renda na agricultura familiar.

Além de saborosa, a fruta rende inúmeros benefícios à saúde humana, sendo importante para fortalecer o sistema imunológico, controlar a glicose no sangue e, também, no combate ao estresse e à ansiedade.

De acordo com o presidente da Associação dos Feirantes (Asfet), Valdeci Ferraz Aquino, o maracujá ofertado na Feira se destaca pela qualidade e preço atrativo. “A qualidade do maracujá oferecido pelos nossos feirantes sempre chama atenção do consumidor e isso ajuda a manter uma grande movimentação na Feira do Centro às quartas e aos domingos”, observa.

Leia mais:  Meteorologia prevê onda de frio intenso no país; Tangará da Serra poderá ter mínimas de 5°C

Maracujá na culinária

O maracujá pode ser consumido ao natural ou na forma de sucos. Mas o fruto incrementa a culinária brasileira como um ingrediente de classe. O maracujá rende sorvetes, musses, bolos, tortas e vários tipos de doces.

Mas também é utilizado com sucesso e requinte em pratos salgados à base de peixes e carnes vermelhas e de frango.

Para ver 48 receitas com maracujá, acesse o seguinte link a seguir clicando nos trechos sublinhados em vermelho: https://www.receiteria.com.br/receitas-com-maracuja/

Atendimento

Neste domingo, mais um a vez a Feira estará de portas abertas a partir das 06h00, até o meio-dia. Além do maracujá e outras frutas, os consumidores terão à sua disposição uma grande variedade de hortaliças, carnes e embutidos, leite natural e seus derivados, produtos coloniais, doces, temperos, além da tradicional praça de alimentação.

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana