conecte-se conosco

Saúde Pública

Covid-19: Tangará tem média de um óbito por dia; Ativos declinam desde pico do dia 26

Publicado

Faltando um dia para o fechamento do mês, Tangará da Serra registra 30 óbitos decorrentes da Covid-19 em março, numa média exata de uma fatalidade por dia. Ao todo, 191 tangaraenses perderam a luta contra a Covid-19 desde o início da pandemia.

De acordo com boletim emitido pelas autoridades sanitárias agora há pouco, Tangará da Serra acumula 10.821 casos de infecção pelo novo coronavírus desde o registro do primeiro caso de Covid-19 no município, dia 1º de abril do ano passado. Destes, 10.556 se recuperaram da doença, o que representa um índice alto de 97,5% de cura. (Veja boletim ao final do texto)

TOL

As taxas de ocupação de leitos exclusivos para Covid-19 seguem preocupantemente altas no município. Das 13 UTI’s públicas, 11 (84,62%) estão ocupadas. Enquanto isso, 100% das UTIs privadas seguem lotadas. Os leitos públicos de enfermarias estão com taxa de lotação na ordem de 55,56% (10 dos 18 leitos disponíveis).

Novos, ativos e suspeitos

Ainda de acordo com o boletim, foram onze novos casos confirmados em 24 horas, o terceiro menor número desse parâmetro. Os dois menores registros diários de novos casos ocorreram no dia 04 (5 casos) e no dia 26 (8 casos). O pico de novos registros da doença em março ocorreu no dia 22, quando houve 71 infectados no espaço de 24 horas.

Leia mais:  Cáceres registra segundo óbito por coronavírus em Mato Grosso; Em Tangará, 43% são descartados

Os casos ativos apontados pelo boletim somam 74, sendo 43 pacientes em isolamento domiciliar e 31 internados. Convém registrar que este parâmetro vem sofrendo queda gradual desde o último dia 23, quando houve o pico de casos ativos – 128 – no mês.

Ainda sobre os casos ativos, a média diária de março é de 92 casos, contra uma média de 84 em fevereiro. (Veja gráfico a seguir)

Por outro lado, o boletim desta terça-feira mostrou o ápice de atendimentos de pacientes suspeitos de contaminação. Nas últimas 24 horas, 263 pessoas procuraram as unidades de saúde do município afirmando sentirem sintomas da Covid-19.

Neste mês de março, a média diária de registros de casos suspeitos é de 188 atendimentos, contra 161 em fevereiro. (Veja gráfico a seguir)

Ranking estadual

Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 em Mato Grosso estão: Cuiabá (65.583), Rondonópolis (23.227), Várzea Grande (19.535), Sinop (15.253), Sorriso (11.498), Tangará da Serra (10.821), Lucas do Rio Verde (10.235), Primavera do Leste (8.951), Cáceres (6.614) e Alta Floresta (5.870).

Leia mais:  Saúde reabre cadastro e previsão é vacinar 100% dos idosos acima de 75 anos neste final de semana

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), até a tarde de ontem (segunda, 29), foram 304.416 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 7.485 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado.

Foram notificadas 2.205 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Dos 304.416 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 15.002 estão em isolamento domiciliar e 279.760 estão recuperados.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 491 internações em UTIs públicas e 512 enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 96,65% para UTIs adulto e em 61% para enfermarias adulto.

publicidade

Saúde Pública

Mendes diz que todos acima de 30 anos poderão ser vacinados se Anvisa aprovar Sputnik V

Publicado

O governador Mauro Mendes (DEM) afirmou que se a vacina Sputnik V for aprovada pela Anvisa, e as 1,2 milhão de doses compradas ficarem em Mato Grosso, poderão ser vacinados todos os mato-grossenses com mais de 30 anos de idade em apenas quatro meses. Mendes ainda disse que o Programa Nacional de Imunização (PNI) não tem cumprido os contratos e há um “cheiro” de diminuição de chegada de vacinas Coronavac e Astrazeneca nas próximas semanas.

Recentemente, Mauro participou de uma reunião na Anvisa, mas ficou frustrado com o resultado, que não foi efetivo. A compra das doses da Sputnik V deve ser feita por meio do Consórcio da Amazônia e, no total, seriam 37 milhões de doses para o Brasil. Estas doses ficam nos estados apenas se o Governo Federal não pagar pelas vacinas. Outra diferença em relação à Coronavac e à Astrazeneca se dá na própria forma da vacina, visto que ela é feita de adenovírus e tem dois componentes. Desta forma, as 1 milhão e 200 mil doses que chegariam a MT poderiam imunizar 1,2 milhão de pessoas.

“O Maranhão já entrou no Supremo, o Supremo deu aquela decisão dizendo que até dia 28 se a Anvisa não liberar, estará automaticamente liberado. Nós vamos aderir a essa liminar se for preciso, mas nós acreditamos que é possível cumprir aquilo que a Anvisa deseja e é necessário. Essa vacina, está amplamente divulgado na mídia, já tem 52 países que está usando, as pesquisas mostram que ela tem um dos maiores índices de eficiência de todas as vacinas, então não teria porque, mas a gente acredita que o bom senso vai imperar e vai ser liberado, são 37 milhões de vacinas”, afirmou Mauro.

Leia mais:  Tangará da Serra: Decreto torna obrigatória a comunicação de casos de contaminação por coronavírus em empresas

“Então imagine isso em Mato Grosso? A gente vacina até 30 anos de idade, praticamente todo mundo. Rapidamente. Estava programado uma entrega de 4 milhões em abril, depois em maio, junho e julho, em quatro meses chegaria isso, 37 milhões de brasileiros seriam vacinados, porque ela trabalha com adenovírus, então primeiro componente é o adenovírus 26 e o segundo componente é o adenovírus 5, não é igual a Coronavac que é duas doses da mesma vacina. São dois componentes. Você toma o primeiro e depois toma o segundo, então compramos 1 milhão e 200 mil doses do componente A e B, então é para 1 milhão e 200 mil pessoas”, completou o governador.

Atraso no PNI

Se com a Sputnik a vacinação seria rápida e para diversas faixas etárias, por outro lado Mauro se mostrou preocupado com a entrega da Coronavac e a Astrazeneca, especialmente esta última. “Mês passado não foi cumprido aquilo que estava programado. O Butantan cumpriu o que estava programado, a Fiocruz não cumpriu, esse mês o Butantan encerra o primeiro contrato que era de 46 milhões de doses, daí deve começar o outro contrato, mas era para o segundo semestre, então está no ar um cheiro de redução de chegada de vacinas pelo PNI”, lamentou.

Leia mais:  Covid-19: Em Mato Grosso, a taxa de ocupação de UTI chega a 94% e de enfermarias a 44%

“Aquilo que estava programado pelas outras não aconteceu, da Covax Facility, então as informações não são oficiais, mês passado furou, nesse mês estamos muito na mão da Friocruz, porque ela que seria a grande entregadora, deveria ser a grande entregadora esse mês da Astrazeneca, mas de prático na semana passada chegou 50 e poucas mil doses novas aqui em Mato Grosso”, finalizou o governador.

(Fonte: Folha Max/Notícia dos Municípios)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana