conecte-se conosco


Saúde Pública

Covid-19: Fiscalização, monitoramento e vacinação diminuíram índices em Tangará da Serra

Publicado

A pandemia do novo coronavírus continua e as novas variantes registradas em todo o país (inclusive em Mato Grosso) mantém o alto risco da doença que já levou a óbito 534 mil pessoas no Brasil e mais de 12 mil em Mato Grosso.

Ou seja: os cuidados com higienização, uso de máscaras, distanciamento e outros protocolos de prevenção precisam ser mantidos. Mas os índices da pandemia estão em queda.

Em Tangará da Serra, os índices de julho (até ontem, dia 12) mostram curvas de declínio em comparação ao mês passado. Em junho, a média diária de casos ativos (pacientes em isolamento e internados) foi de 292, enquanto a mesma média deste mês de julho é de 173, um percentual 40% a menor, conforme matéria publicada ontem pelo Enfoque Business.

A taxa de crescimento de contaminação (TCC) também está em queda de junho para julho (19,3% contra 12,2%), o mesmo acontecendo com os óbitos (média diária de 1 contra 0,6) e de internações, tanto em UTI’s (87% contra 70% no sistema público) como em enfermaria (65% contra 27%).

Três fatores

Leia mais:  Covid-19: Tangará tem aumento de 357% nos casos ativos em 15 dias; 91% com vacinação incompleta

Segundo a secretária municipal de Saúde, Gicelly Zanata, a queda nos índices da pandemia em Tangará da Serra se deve a três fatores: fiscalização, monitoramento e vacinação.

Gicelly Zanata: “Independente de melhora de quadro, ainda estamos na pandemia, ainda temos variantes encontradas no Brasil e isso é o que nos preocupa”.

A secretária destaca que os decretos com medidas restritivas baixados pelo Executivo Municipal influenciaram na queda dos índices de transmissão, assim como as campanhas de conscientização e o monitoramento de pacientes que contraíram a doença. “A visita in loco para monitoramento dos pacientes com Covid foi importante. Tínhamos muitas denúncias de que pacientes com a doença não estavam cumprindo o isolamento como deveriam. Com as visitas, as pessoas entenderam que tinham de realmente manter o isolamento”, relatou.

A vacinação, de acordo com Gicelly Zanata, é outro fator de contenção do avanço da pandemia. Com os imunizantes, as internações – especialmente de idosos – diminuíram. A tendência lógica, portanto, é de que a contaminação cederá à medida em que aumentar o número de pessoas vacinadas.

Contudo, a titular da Secretaria Municipal de Saúde diz que a população deve assimilar de vez a ideia de que a pandemia persiste e que os cuidados devem ser mantidos. “Independente de melhora de quadro, ainda estamos na pandemia, ainda temos variantes encontradas no Brasil e isso é o que nos  preocupa. É preciso manter os cuidados, a higienização, o uso de máscara e evitar aglomerações”, alertou.

Leia mais:  Covid-19: Tangará tem aumento de 357% nos casos ativos em 15 dias; 91% com vacinação incompleta

16 dias em queda

Ontem (segunda, 12), o Brasil registrou 765 mortes por Covid-19 nas 24 horas anteriores, totalizando 534.311 óbitos desde o início da pandemia. O número acumulado de casos confirmados no país, até ontem, era de 19.105.008.

A média móvel de mortes nos últimos 7 dias chegou a 1.297. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de -19% e aponta tendência de queda, acumulando o 16º dia seguido de declínio nesse comparativo.

Em Mato Grosso, segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), a queda nos índices da pandemia é verificada principalmente pela redução do número de internações decorrentes da Covid-19. (Veja gráfico, na sequência)

Em março, as internações somavam 7.148 em enfermaria e 1.951 em UTI, enquanto o mês de junho fechou em 4.990 internados em enfermaria e 1.327 em UTI. Em julho, até ontem (12.07), os internados somavam 1.684, sendo 1.380 em enfermaria e 304 em UTI.

publicidade

Saúde Pública

Covid-19: Tangará tem aumento de 357% nos casos ativos em 15 dias; 91% com vacinação incompleta

Publicado

O aumento nos casos de Covid-19 neste mês de junho em Tangará da Serra é, uma vez mais, motivo de alerta. Em 15 dias, o município registrou 844 novos casos, saltando de 23.660 casos acumulados em 13 de junho para 24.504 desde o primeiro registro da pandemia no município, em abril de 2020.

Segundo dados contidos no boletim divulgado nesta terça-feira (28.06) pela Secretaria Municipal de Saúde, Tangará da Serra conta com 307 casos ativos, um aumento de 357% nos últimos 15 dias (86 ativos em 13 de junho). Somente nas últimas 24 horas foram diagnosticados 128 novos casos da doença entre os tangaraenses, o que significa quase seis vezes mais no período de duas semanas (23 em 13 de junho). (Boletim atualizado a seguir)

Dado positivo é que não há nenhum paciente do município internado em UTI, enquanto os internados em enfermaria somam 11. Neste mês de junho há registros de dois óbitos ocasionados pela doença.

A secretária de Saúde do município, Gicelly Zanatta, concederá entrevista coletiva sobre o atual quadro da pandemia em Tangará da Serra logo mais, às 15h30. A pauta será a vacinação contra a doença, mas há possibilidade de anúncio de medidas restritivas, como uso de máscaras em locais públicos.

Leia mais:  Covid-19: Tangará tem aumento de 357% nos casos ativos em 15 dias; 91% com vacinação incompleta

91% com vacinação incompleta

Dos 101 pacientes que estão internados pela Covid-19, em UTIs de Mato Grosso, 91% não completaram o esquema de vacinação. A informação é da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT).

O dado preocupa as autoridades, pois demonstra que a falta da imunização é hoje o principal motivo do crescimento de pacientes infectados e internados em estado grave. Ou seja, hoje, dia 28 de junho, são 92 pacientes que estão na UTI e que não tomaram todas as doses da vacina.

“Já se passaram mais de dois anos que a pandemia teve início e está comprovado que a vacinação foi a grande responsável por nós termos retornado as atividades normais, como ir para a escola, passear, retirar a obrigatoriedade do uso de máscaras, mas, infelizmente, as pessoas insistem em não fazer o principal, que é completar o esquema vacinal”, destacou a secretária de Estado de Saúde Kelluby de Oliveira.

Kelluby ainda afirmou, de acordo com os dados do Ministério da Saúde, que infelizmente esses pacientes “escolheram não se vacinar e a coletividade é que está pagando por isso”. “As pessoas precisam se conscientizar que tomar todas as doses não protege só quem é vacinado, mas toda a coletividade. Reduz a transmissão do vírus e as chances de quem é infectado com a covid seja levado para uma UTI”, acrescentou.

Leia mais:  Covid-19: Tangará tem aumento de 357% nos casos ativos em 15 dias; 91% com vacinação incompleta

Atualmente não há falta de vacina no Estado. A secretaria tem recebido as doses do Ministério da Saúde e encaminhado para os municípios de acordo com a demanda apresentada. Estão em estoque na Rede de Frio do Estado e nos 15 Escritórios Regionais de Saúde, um total de 646 mil doses, entre Coronavac, Pfizer, Astrazeneca, Pfizer pediátrica e Jansen.

Números em MT

Mato Grosso tem confirmado 759.242 casos de Covid-19, sendo registrados 14.984 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado.

Dos 759.242 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 9.313 estão em isolamento domiciliar e 734.260 estão recuperados.

Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 65 internações em UTIs públicas e 76 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 78,65% para UTIs adulto e em 15% para enfermaria adulto.

Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (135.575), Várzea Grande (53.603), Rondonópolis (44.288), Sinop (34.357), Tangará da Serra (24.504), Lucas do Rio Verde (23.397), Sorriso (23.317), Primavera do Leste (22.715), Cáceres (17.473) e Alta Floresta (17.013).

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana