TANGARÁ DA SERRA

Política & Políticos

Coordenador de Lula: PSD de Fávaro se opõe ao Agro em aliança com PT, que propõe taxar grãos e carnes

Publicado em

Que a política tem suas contradições, isso é uma verdade das mais antigas. Mas em alguns casos, posturas e discursos contraditórios se convertem em grandes incoerências. É o caso do Partido Social Democrático (PSD), cujo principal líder em Mato Grosso – o senador licenciado Carlos Fávaro – coordenará a campanha do ex-presidente Luís Inácio ‘Lula’ da Silva, do PT.

Segundo veiculado ontem (terça, 12) na mídia estadual, Fávaro (PSD) será o coordenador de campanha em Mato Grosso de Lula (PT) e Geraldo Alckmin (PSB) à presidência e vice-presidência da República. A confirmação teria, segundo informações, ocorrido após uma reunião do senador mato-grossense com a cúpula do PT e PSB, em Brasília.

Foto veiculada na imprensa da capital e nas redes sociais: Aproximação do PSD de Mato Grosso com o PT de Lula.

Com a definição, Fávaro consolida o PSD como partido de esquerda. Ou seja, mais que simplesmente se aliar à federação ‘Brasil da Esperança’, que envolve os esquerdistas PT, PC do B e PV com apoio do PSB, o PSD estará na coordenação do presidenciável petista.

Em Tangará da Serra, o PSD tem como pré-candidato a deputado estadual o ex-presidente do Sindicato Rural, Reck Junior, que a partir de agora, passa a integrar a ala dos candidatáveis de esquerda.

Leia mais:  Em convenções, PSD, PP e PSB confirmam aliança com PT; Fávaro canta para Lula

Contra o Agro

Nada há de errado na decisão do PSD em coordenar a campanha do líder petista, já que se trata de uma prerrogativa na linha democrática de uma sigla partidária. O problema (ou incoerência) é que o PSD de Carlos Fávaro e Reck Junior terá de seguir a cartilha do PT, cuja bancada federal é autora do projeto de lei 1586/2022, que prevê a cobrança de imposto sobre exportação de grãos e carnes do Brasil no caso de escassez no mercado interno. Fávaro e Reck, vale lembrar, são ruralistas.

De acordo com a proposta petista na Câmara Federal, a soja, o milho e o arroz teriam a alíquota proposta quando os estoques públicos estiverem abaixo do correspondente a 10% do consumo interno, o mesmo ocorrendo com as “carnes de bovinos, suínos e de frango, em forma in natura, nas situações de ameaças à regularidade do abastecimento interno”.

Em nota, a Frente Parlamentar da Agricultura (FPA) alegou ser contra qualquer taxação às exportações. “Cabe destacar que as exportações são fundamentais para escoamento da produção e para a regulação do mercado. Acreditamos que a proposta irá onerar e desestimular o setor”, consta em trecho da nota da FPA.

Leia mais:  Republicanos, PL, União, MDB, PTB e Podemos definem candidaturas com oito tangaraenses

Ainda segundo a FPA, a justificativa dos autores do projeto é equivocada. “A problemática apontada não decorre dos níveis de exportação, mas de múltiplos fatores, como o cenário pós-pandêmico, o aumento do dólar, o desabastecimento de insumos e aumentos dos custos de produção e perdas de safras decorrentes de fatores climáticos”.

Reconhecido comentarista de política, o jornalista Alexandre Garcia alertou para o risco que representa o projeto 1586/2022, que poderá colocar o Brasil nas mesmas dificuldades vivenciadas pela Argentina, país vizinho que vive grave crise econômica com seu governo de esquerda, do presidente Alberto Fernández. “Eles estão querendo aplicar aqui o veneno, suposto remédio, que foi aplicado na Argentina; e que acabou com o agro na Argentina, a pretexto de garantir o mercado interno”, disse Garcia.

Possível candidatura

Carlos Fávaro também poderá concorrer ao governo do Estado, em oposição ao governador Mauro Mendes, que deverá tentar a reeleição. Fávaro recebeu convite do próprio PT para ser candidato ao Paiaguás, com o deputado Neri Geller (PP) ao Senado. A candidatura seria apoiada pela federação “Brasil da Esperança”.

Fávaro estaria no que se poderia considerar “zona de conforto”, já que ainda teria mais quatro anos no Senado Federal. Apesar da possibilidade, a tendência é que Carlos Fávaro se mantenha como coordenador da campanha de Lula em Mato Grosso.

Comentários Facebook
Advertisement

Política & Políticos

Polarização: Tangará tem 14 candidatos a estadual e federal divididos entre direita e esquerda

Published

on

Na eleição mais polarizada da história do país, candidatos de direita e de esquerda travarão duros embates nas disputas pelos cargos majoritários e proporcionais.

A disputa mais ferrenha é a presidencial, onde o atual mandatário do País, Jair Bolsonaro (PL), tenta a reeleição na condição de direita conservadora. Na outra extrema, está o ex-presidente Lula, do PT, da extrema esquerda, com projeto de implantação de um regime comunista no Brasil.

De forma menos acirrada, direitistas e esquerdistas se enfrentam nos estados. Em Mato Grosso, o governador Mauro Mendes tenta a reeleição pelo partido União Brasil, legenda com origens de partidos de direita (DEM e PSL). Márcia Pinheiro, do PV, representa a esquerdista federação liderada pelo PT e que conta, ainda, com o PCdoB. PSD, PP e PSB completam a frente de esquerda.

O PSDB e o Cidadania formam uma federação de centro-esquerda. Nacionalmente, está alinhado com a candidatura da emedebista Simone Tebet, que tem como candidata a vice e tucana Mara Gabrilli. Em nível estadual, a tendência da federação é apoiar a candidatura de Márcia Pinheiro (PV) e, por isso, na prática, compõe o bloco de esquerda que tenta reconduzir o petista Lula à presidência.

Leia mais:  Polarização: Tangará tem 14 candidatos a estadual e federal divididos entre direita e esquerda

(*) Veja infográfico abaixo, com as candidaturas proporcionais

Registros

Importante salientar que as candidaturas, de modo geral, foram recentemente aprovadas em convenção e ainda precisam ser registradas até a próxima sexta-feira (12/08) para saírem do campo virtual para a condição de realidade.

Proporcionais – Direita

Nas candidaturas proporcionais, os candidatos de Tangará da Serra a deputados estaduais situados em partidos de direita ou centro direita são Edilson Sampaio e Rogério Silva, respectivamente do Republicanos e União Brasil, siglas de direita. Em legenda de centro-direita figura a vereadora Elaine Antunes, do Podemos.

(*) Veja infográfico acima, com as candidaturas proporcionais

Ainda na ala de direita, os candidatos tangaraenses a deputados federais aprovados em convenção são Wagner Ramos (União), Marcos Scolari (PL), Josenai Terra (PTB) e Nelson Ferreira (Democracia Cristã – DC).

Proporcionais – Esquerda

Ao centro esquerda figura como candidato a deputado estadual o vereador Sebastian Ramos, do Cidadania.

Em partidos com espectro político classificado como “centro”, figuram Dr. João (MDB) e Rui Wolfart (PSDB). O MDB é uma sigla hoje considerada centrista ou “pega-tudo”, no jargão popular. O partido tem origem no ano de 1966, quando polarizou com a extinta Aliança Renovadora Nacional (ARENA), ressurgindo com o resgate do pluripartidarismo na abertura democrática de 1980, época do presidente João Figueiredo.

Leia mais:  Republicanos, PL, União, MDB, PTB e Podemos definem candidaturas com oito tangaraenses

História parecida tem o PSDB, porém mais contemporâneo, com criação no ano de 1988 a partir dos ideais do ex-governador de São Paulo, Franco Montoro.

Porém, por seu alinhamento com o Cidadania, o PSDB pode ser considerado dentro do espectro político de centro-esquerda.

Os candidatos tangaraenses a deputados estaduais que compõem o bloco de esquerda liderado pelo PT são Davi Oliveira (PSB) e Reck Junior (PSD). O líder maior do PSD em Mato Grosso, senador licenciado Carlos Fávaro, é coordenador da campanha de Lula no estado, daí o enquadramento da sigla na ala esquerdista.

Para deputados federais na frente de esquerda figuram dois tangaraenses: a advogada Karen Rocha (PSB) e a professora Francisca Alda, do PT.

 

Comentários Facebook
Continue Reading

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana