conecte-se conosco


Economia & Mercado

Combustíveis tem duas reduções de preços em uma semana, mas apenas uma vigora nas bombas

Publicado

Os preços da gasolina e do óleo diesel sofreram duas reduções nas refinarias nos últimos sete dias, mas apenas uma delas está valendo nas bombas a partir desta sexta-feira (26).

Segundo consulta do Enfoque Business junto aos postos de combustíveis, as reduções – assim como as majorações – são orientadas pelas distribuidoras.

A primeira redução no espaço de uma semana foi anunciada pela Petrobras na sexta-feira da semana passada (19), dando conta de que haveria uma baixa de 4% nos preços da gasolina junto às refinarias.

Na última quarta-feira, outra redução foi anunciada pela Petrobras. Desta vez, os preços do litro da gasolina e do óleo diesel ficaram R$ 0,11 mais baratos, a contar de ontem (sexta, 25) nas refinarias da Petrobras. Com isso, o litro da gasolina está sendo vendido a R$ 2,59 para as distribuidoras (uma queda de 4,1%).

Já o óleo diesel está sendo comercializado nas refinarias pelo valor de R$ 2,75 por litro (uma queda de 3,8% no preço anterior).

Leia mais:  Gás natural: Petrobras anuncia aumento de 39% às distribuidoras a partir de maio

Sem efeito

Nos postos, porém, as reduções nas refinarias não surtiram efeito. A primeira redução na gasolina, por exemplo, anunciada no dia 19, até ontem ainda não havia sido repassada no preço final válido para o consumidor.

Segundo postos de combustíveis, tanto as reduções como as majorações são orientadas pelas distribuidoras.

Segundo apurado pelo Enfoque Business, num dos postos a redução foi de apenas R$ 0,02 (preço final de R$ 5,39) em relação ao preço de R$ 5,41/litro cobrado desde antes do anúncio de redução, no dia 19. Noutro posto, o preço da gasolina, que até então custava R$ 5,79, custa hoje R$ 5,59.

Um terceiro posto consultado pelo Enfoque Business (que até ontem vendia o litro da gasolina a R$ 5,54) informou que o preço do combustível ainda não fora reduzido porque a nova aquisição, com o novo e reduzido preço, ainda não chegara aos estoques do estabelecimento.

Resumindo, hoje a gasolina custa ao consumidor de Tangará da Serra entre R$ 5,39 e R$ 5,59. O diesel, por sua vez custa entre R$ 4,59 a R$ 4,66 (S-10) e R$ 4,53 a R$ 4,60 (comum). Já o etanol varia nos postos de R$ 3,96 a R$ 3,99.

Leia mais:  Pandemia não impede otimismo e Ibovespa dispara; Dólar cai a R$ 4,85 com “bull market” de Wall Street

Estranho

Esses preços registram apenas uma das duas reduções anunciadas pela Petrobras no espaço de uma semana. A explicação dos postos está na orientação das distribuidoras.

Causa estranheza a política de preços imposta pelas distribuidoras aos postos de combustíveis e, consequentemente, ao consumidor. Nos casos em que há majoração, os novos preços são imediatamente aplicados sem o argumento de que ‘o combustível adquirido, com a nota contendo o preço atualizado, ainda não chegou’. Já nas reduções, os novos preços levam dias para se apresentarem nas bombas, sendo que nem sempre são praticados, como aconteceu nesta última semana.

publicidade

Economia & Mercado

Segundo Fecomércio, décimo terceiro injetará R$ 2 bilhões na economia de Mato Grosso

Publicado

Um volume de recursos significativo – cerca de R$ 2 bilhões – circulará pela economia mato-grossense por conta do 13º salário. É o que prevê a Federação do Comércio, Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso (Fecomércio-MT).

A entidade tem uma projeção positiva para este ano e destaca que o avanço da vacinação proporcionou a retomada da economia, quadro que permite uma estimativa de que mais de R$ 2 bilhões serão injetados na economia de Mato Grosso com o pagamento do décimo terceiro.

Estudo

Um estudo prévio da Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá identificou que ao receber a primeira parcela do décimo terceiro as pessoas vão priorizar o pagamento das dívidas, outros vão preferir pagar conta e economizar o dinheiro extra.

Pagar dívidas – 32,2%; Fazer novas compras – 23,8%; Economizar 21,7%

“Quem tiver dívida, o ideal é renegociar e pagar esses valores. As pessoas pagando suas dívidas diminuirá a inadimplência e os juros do crédito também devem cair, uma vez que a inadimplência é um dos principais fatores que elevam a taxa de juros”, disse o economista Emanuel Dalbian.

Leia mais:  IBGE: Cai o abate de bovinos e crescem os de suínos e frangos no 3º trimestre de 2020

O levantamento da CDL mostra ainda que a última parcela do décimo terceiro, que costuma sair perto do Natal, será usada pela maioria dos entrevistados para comprar presentes. Mas, é preciso ficar atento com as tentações.

Segundo o economista, a dica é fazer cálculos e ficar de olho nos juros cobrados pelo cartão de crédito.

(Com informações de G1)

Continue lendo

Envie sua sugestão

Clique no botão abaixo e envie sua sugestão para nossa equipe de redação
SUGESTÃO

Empresas & Produtos

Economia & Mercado

Contábil & Tributário

Governo & Legislação

Profissionais & Tecnologias

Mais Lidas da Semana